Premix Concreto
Geral

Produtos da Apple custam 28% a mais no Brasil do que em outros mercados

21 Fev 2012 - 11h57

O site da revista de finanças e economia Forbes divulgou mais um estudo que comprova o que todo aficionado da Apple já sabe: os produtos da companhia são mais caros no Brasil. De acordo com a empresa alemã Idealo Internet GmbH, os produtos da Apple no Brasil são 28% mais caros que a média dos demais países.


Um produto da Apple custa, em média, R$ 2.387,79 no Brasil, ou US$ 1.348, mais do que em qualquer outro país, segundo a Idealo. Em segundo lugar na lista dos países onde os produtos com o ícone da maçã mordida sai mais caro está a República Tcheca, onde os consumidores pagam US$ 1.246, em média. Em seguida aparece a Tailândia, com um custo médio de US$ 1.138.

Do outro lado da balança está Hong Kong, onde um produto da Apple custa, em média, US$ 785. A alta tributação dos produtos no Brasil e as tarifas de importação, segundo o artigo da Forbes, seriam responsáveis pelo preço recorde dos produtos da marca no país.

- Depois, há os famosos gargalos de logística de transporte de iPads e iPhones a partir dos portos do Sul e do Sudeste para cidades com, pelo menos, algumas horas de distância de caminhão - escreveu o jornalista da Forbes, Kenneth Rapoza.

Enquanto os produtos da Apple apresentam preços muito diferentes conforme o mercado consumidor, na China uma batalha judicial pode complicar a vida do tablet da companhia. A disputa da empresa pela marca iPad se aprofundou ontem porque a empresa chinesa que se diz dona do nome do produto obteve uma decisão judicial que impede a comercialização do tablet no país asiático.

Xie Xianghui, advogado da Shenzhen Proview Technology, disse que o Tribunal Intermediário Popular da cidade de Huizhou, na província de Guangdong, no sul da China, ordenou na sexta-feira que os distribuidores suspendessem as vendas de iPads no país.

A Apple Inc. respondeu, por meio de nota, que o caso ainda está pendente na China continental. A empresa apelou para o Tribunal Superior de Guangdong contra uma decisão anterior a favor da Proview. A Apple afirma que detém os direitos da marca do iPad na China.


- Compramos os direitos mundiais da Proview em dez países diferentes há vários anos. A Proview se recusa a honrar seu acordo com a Apple na China e um tribunal de Hong Kong tem apoiado a Apple neste assunto - disse a porta-voz da companhia, Carolyn Wu.

A Shenzhen Proview Technology é uma subsidiária da Proview International Holdings, que tem sede em Hong Kong. A empresa registrou a marca iPad na China em 2001 e diz que o nome foi usado para um computador descrito como Dispositivo Pessoal de Acesso à Internet, que empregava a tecnologia de painel de toque. A companhia diz que planeja pedir à agência alfandegária chinesa para bloquear a importação e a exportação de iPads.

 

DIÁRIO CATARINENSE

Matérias Relacionadas

Geral

Setor de Habitação da Prefeitura de Jaraguá suspende atendimento presencial

Programas Recomeçar e de Regularização Fundiária atenderão apenas com agendamento prévio
Setor de Habitação da Prefeitura de Jaraguá suspende atendimento presencial
Geral

Dezembro terá fenômeno astronômico que não ocorre desde a Idade Média

É a proximidade entre Júpiter e Saturno, parecendo um planeta duplo
Dezembro terá fenômeno astronômico que não ocorre desde a Idade Média
Geral

Singapura estuda caso de bebê nascido com anticorpos da covid-19

Estudo está em andamento nos hospitais públicos da cidade-Estado
Singapura estuda caso de bebê nascido com anticorpos da covid-19
Geral

Cartórios já podem autenticar documentos por meio digital

Certificação de cópias passa a ser de forma online
Cartórios já podem autenticar documentos por meio digital
Ver mais de Geral