Imobiliária Coralli
Geral

Procura por seguro rural ainda é baixa em SC

15 Fev 2012 - 16h01

Santa Catarina enfrenta nos últimos anos as adversidades do clima e cada região vive um dilema. Enquanto no litoral os produtores sofrem com os prejuízos da chuva, no oeste a seca castiga. Boa parte da produção no setor agropecuário se perde, o campo enfraquece e os consumidores pagam preços altos por essas intempéries. Mas o produtor é o maior prejudicado, pois trabalha o ano inteiro para no fim ter pouco resultado. Por isso, uma das saídas é recorrer ao seguro rural para recuperar as perdas na produção.


A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) observa que a procura pelo seguro agrícola ainda é muito limitada. O vice-presidente Nelton Rogério de Souza lembra que até o início de 2011 apenas 10% da área de grãos e culturas permanentes estavam seguradas, representando 6,7 milhões de hectares, mesmo com um acréscimo significativo comparado a 2006: em cinco anos, os investimentos do Ministério da Agricultura às subvenções passaram de R$ 31,12 milhões para R$ 253,5 milhões (2011). O valor é 27,8% superior aos R$ 198,3 milhões pagos em prêmio do seguro rural em 2010.

Santa Catarina é o quarto Estado com maior adesão ao seguro rural (R$ 30,3 milhões), ficando atrás do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Foram 224 mil hectares segurados no território barriga-verde. A cultura que mais demandou o seguro foi a soja. A maçã ocupou o segundo lugar, seguida pelo milho safrinha.

Mesmo com o incentivo para o seguro rural, por que o número de beneficiários ainda é baixo? Na avaliação do dirigente, custa caro para o produtor contratar o seguro e, na hora de reaver os investimentos, é pouco remunerado, além de haver limite no pagamento das indenizações. "A escassez de informações econômicas e estatísticas para subsidiar a análise de riscos e o cálculo financeiro na composição dos termos das apólices constituem um problema, porque influenciam a exatidão das informações, imprescindíveis para o crescimento do seguro rural".

Souza enfatiza que o médio produtor é o mais prejudicado, pois os pequenos agricultores têm acesso a outros sistemas de financiamentos, a exemplo do Pronaf, seguro automático da produção. "Em certos casos, quando há grandes perdas, a dívida é perdoada pelo Governo, contribuindo para que as famílias dependentes da agricultura familiar possam se reerguer".

O vice-presidente da Faesc realça que o risco na agricultura é permanente e não apenas decorrente de intempéries climáticas. O comportamento imprevisível do mercado, a inconstância das cotações agrícolas e do câmbio constituem riscos presentes. Por isso, o fortalecimento e a expansão do seguro rural passam pelos investimentos em subvenção, fundo de catástrofe e resseguro, pois quanto maior for a adesão menor será o custo.


Hoje, o produtor pode recorrer ao Seguro Agrícola, Seguro Pecuário, Seguro Aquicola, Seguro de Florestas e Seguro de Penhor Rural.

No caso do seguro agrícola, as subvenções auxiliam para torná-lo mais acessível. Em Santa Catarina, oito culturas recebem do Governo Federal custeio de 50% do valor do prêmio pago aos produtores: arroz, cebola, feijão, maçã, milho, soja, trigo e uva. "Algumas dessas culturas são mais resistentes, mas outras sofrem com os efeitos climáticos. Uma tempestade de granizo pode acabar com a plantação de maçãs em poucos minutos", expõe Souza.

Com o longo período de estiagem no oeste e as chuvas no litoral, no início deste ano o Governo de Santa Catarina ampliou o pagamento do prêmio ao produtor, contribuindo com o aumento das subvenções federais. "Com o aporte do Governo do Estado, o produtor rural terá mais condições de aderir ao seguro rural, insumo essencial para o setor primário, capaz de determinar a permanência competitiva do produtor no campo ou sua expulsão no rastro do êxodo rural", finaliza.

MB COMUNICAÇÃO

Matérias Relacionadas

Geral

Homem se fere com foice durante trabalho em bananal em Schroeder

O fato ocorreu na Tifa Eincheberg, no Bairro Rancho Bom, por volta das 15h desta quinta-feira (17).
Homem se fere com foice durante trabalho em bananal em Schroeder
Segurança

PM busca suspeito de arrombamento de comércio em Guaramirim

Ao checar o estabelecimento, a vítima constatou que a vidraça estava estilhaçada e duas parafusadeiras haviam sido furtadas
PM busca suspeito de arrombamento de comércio em Guaramirim
Variedades

Polícia Militar de Santa Catarina realiza Campanha do Brinquedo

A ação social vai até o dia 9 de outubro
Polícia Militar de Santa Catarina realiza Campanha do Brinquedo
Geral

INSS: perito que não comparecer ao trabalho terá salário descontado

Órgão diz que 111 agências estão aptas para realização de perícia
INSS: perito que não comparecer ao trabalho terá salário descontado
Ver mais de Geral