Mês do Trânsito - Rádio
Geral

Postos de saúde poderão distribuir pílula do dia seguinte sem receita médica

29 Jun 2012 - 17h12

O Ministério da Saúde vai dispensar a exigência de receita médica para a entrega de pílula do dia seguinte nos postos do Sistema Único de Saúde (SUS). Protocolo com a orientação deverá ser publicado em julho. Para evitar a gravidez, a pílula do dia seguinte deve ser usada no máximo até 72 horas depois da relação sexual desprotegida.


- Não faz sentido exigir que a mulher aguarde uma consulta médica. Isso pode colocar em risco a eficácia do uso do remédio - afirmou o secretário de Assistência à Saúde, Helvécio Guimarães.

O protocolo está em estudo há três meses por um grupo de especialistas convocados pelo Ministério da Saúde. O documento, de acordo com Helvécio, deixa claro qual o procedimento que os postos de atendimento devem adotar no caso de mulheres que buscam a contracepção de emergência.

- Em alguns locais, a pílula já é fornecida sem exigência da receita, por um profissional que não é médico. Queremos padronizar essa prática - completou Guimarães.

A pílula do dia seguinte começou a ser distribuída nos serviços de atendimento do SUS em 2005 como um método de contracepção de emergência. Antes dessa data, a oferta do remédio era feita apenas para vítimas de violência sexual.

Em 2010, a rede pública de saúde distribuiu 513 mil tratamentos. Em 2011, esse número saltou para 770 mil. Guimarães afirma, no entanto, que há ainda relatos de dificuldades enfrentadas pelas mulheres para ter acesso à contracepção.

- Não há dúvida de que alguns serviços ainda têm receio de lidar com a contracepção de emergência. Esse é um tema que, mesmo depois de tantos anos, ainda desperta polêmica - constata.

Divergências

Grupos religiosos condenam o método, por considerá-lo abortivo. Especialistas garantem, porém, que a pílula, um composto hormonal, não atua após a fecundação e não impede a implantação do óvulo no útero. A ação da pílula depende do período do ciclo menstrual em que foi tomada.


Quando tomada na primeira fase do ciclo, ela impede a ovulação ou a retarda de forma expressiva. Documento do Ministério da Saúde informa que, quando tomada depois da ovulação, a pílula altera o transporte dos espermatozoides e modifica o muco cervical, o que impediria a fecundação.

DIÁRIO CATARINENSE

Matérias Relacionadas

Economia

Ninguém acerta as seis dezenas e Mega-Sena vai a R$ 50 milhões

Números sorteados no Concurso 2.302 foram 18, 22, 25, 27, 43, 44
Ninguém acerta as seis dezenas e Mega-Sena vai a R$ 50 milhões
Geral

Federação de Bancos alerta para aumento de fraudes durante a pandemia

Houve alta de 60% em tentativas de golpes financeiros contra idosos
Federação de Bancos alerta para aumento de fraudes durante a pandemia
Saúde

Covid-19: estudo com 50 mil pessoas aponta segurança da vacina chinesa

CoronaVac está na última etapa de estudos em humanos
Covid-19: estudo com 50 mil pessoas aponta segurança da vacina chinesa
Esportes

Tóquio exigirá testes de covid-19 para atletas, mas não quarentena

Primeiro-ministro do Japão e Thomas Bach iniciaram projeto de regras
Tóquio exigirá testes de covid-19 para atletas, mas não quarentena
Ver mais de Geral