Geral

Policiais e bombeiros do Rio devem decidir hoje o fim da greve

13 Fev 2012 - 15h31

Policiais e bombeiros do Rio decidem em assembleia, prevista para as 18h desta segunda-feira, o fim da greve da categoria. A paralisação foi decidida na noite de quinta (9), quando as três corporações rejeitaram o reajuste aprovado pela Alerj (Assembleia Legislativa do Estado).


"Sofremos muita repressão do Estado, além de traição e conivência de alguns policiais. Continuamos em greve, mas podemos pensar em suspender ela hoje depois de ouvir a categoria", disse o presidente do Sinpol-RJ (Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Rio de Janeiro), Fernando Bandeira, à Folha.

Na tarde de domingo (12), manifestantes participaram de um protesto, em Copacabana (zona sul), contra prisões de policiais e bombeiros que aderiram a greve. A manifestação reuniu cerca de 200 pessoas.

Alguns representantes do Sindpol chegaram a anunciar na noite de sábado (11) que a greve estava suspensa. Francisco Chao, diretor do sindicato, alegou que bombeiros estariam atuando fora do combinado, ao abandonarem postos de guarda-vidas na orla, deixando desguarnecida a população. As outras entidades que representam os policiais e bombeiros, porém, mantiveram a greve.

"A manifestação de fim de greve foi anunciada por policiais que deixaram de aderi-la. Como presidente do Sinpol afirmo que a greve continua", disse Bandeira.

No final de semana, o governo do Estado aumentou a pressão sobre os grevistas. O comando do Corpo de Bombeiros anunciou que foi decretada a prisão de 11 líderes do movimento, sob as acusações de motim e incitação a ato ilegal.

Dos 11, 8 haviam sido presos e levados para o presídio de Bangu 1 (zona oeste), onde também está o cabo dos bombeiros Benevenuto Daciolo, detido na quarta-feira (8), quando voltava de Salvador.


Daciolo foi flagrado em escutas autorizadas pela Justiça falando sobre uma possível greve geral e que por isso não haveria Carnaval no Rio e na Bahia.

Além disso, 162 bombeiros foram postos em prisão administrativa e responderão a processos disciplinares --incluindo 123 indiciados na sexta-feira e 39 guarda-vidas que faltaram ao serviço no GMar (Grupamento Marítimo) da Barra da Tijuca (zona oeste).

Na sexta-feira (10), a Polícia Militar já havia anunciado a prisão de 17 PMs líderes da greve na corporação --11 com mandados expedidos pela Justiça e 6 detidos em flagrante. Outros 129 PMs do Batalhão de Volta Redonda (sul fluminense) foram indiciados em inquérito policial militar.

As três categorias rejeitaram um aumento aprovado na sexta (10) que eleva de R$ 1.277 para 1.969 o salário-base de PMs e bombeiros. Elas reivindicam um piso unificado de R$ 3.500.

FOLHA.COM.BR

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Casa São José realiza pedágio virtual

Casa de apoio a pacientes e familiares completa 4 anos de atividades em abril
Casa São José realiza pedágio virtual
Educação

Educação alerta sobre a responsabilidade das famílias nas tarefas escolares

Essa tem sido uma bandeira levantada pela Secretaria de Educação de Jaraguá para que o sistema híbrido de ensino (uma semana presencial e uma semana digital) tenha sucesso
Educação alerta sobre a responsabilidade das famílias nas tarefas escolares
Geral

Moradores de Guaramirim ficarão sem fornecimento de água na terça-feira

Os trabalhos consistem no desligamento do transformador da ETA para fazer a troca da fiação de saída do transformador que alimenta toda a estação
Moradores de Guaramirim ficarão sem fornecimento de água na terça-feira
Geral

Média histórica do Auxílio-Cidadão de Jaraguá apresenta nova elevação em março

Desde o início da pandemia, o número de benefícios mensais concedidos se mantém acima da média de três mil. Em 2021, o valor investido é de quase R$ 1,4 milhão
Média histórica do Auxílio-Cidadão de Jaraguá apresenta nova elevação em março
Ver mais de Geral