GERAL

Polícia diz que 3º suspeito de massacre em escola é mentor intelectual do crime

19 Mar 2019 - 19h05Por Paulo Roberto Netto

O adolescente de 17 anos suspeito de participação no ataque a tiros na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, é considerado um dos mentores do massacre e uma pessoa "fria" pelos investigadores. O jovem foi levado para uma unidade da Fundação Casa na manhã desta terça, 19, após a Justiça aceitar pedido de internação provisória.

Segundo o delegado titular da delegacia de Suzano, Alexandre Henrique Augusto Dias, os investigadores estão "convencidos" que o adolescente teria envolvimento no ataque e atuado no planejamento do crime. Documentos obtidos pelo jornal O Estado de S. Paulo mostram que o rapaz trocou mensagens com professores e colegas logo após o ataque. Ao comentar o crime, afirma "nem cheguei a chorar", e ri. O delegado não comentou o conteúdo das mensagens.

"Ele é uma pessoa fria, com toda a certeza", afirmou o delegado Alexandre Dias. Segundo ele, as investigações indicam que o rapaz é um dos mentores do massacre junto do adolescente G.T.M., de 17 anos, acusado de liderar o ataque. "Ele foi mentor intelectual, comprou objetos que poderiam fazer ele participar do delito e teve participação junto dos autores na compra desses objetos."

De acordo com o promotor Rafael Ribeiro do Val, responsável pelo caso, o adolescente foi imputado pelo ato de participação em homicídio. O jovem ficará internado provisoriamente em uma unidade da Fundação Casa por 45 dias - prazo em que o Judiciário dará uma resposta sobre o processo.

O promotor afirmou ainda que o Ministério Público investiga pessoas que tenham exaltado o atentado em Suzano pela internet. "Aqueles que tem exaltado atentados como em Columbine (EUA) e em Suzano estão sendo monitorados e serão responsabilizados, pois exaltação de um crime de forma pública é um crime", afirmou Rafael do Val.

Os próximos passos da investigação miram como os autores do massacre obtiveram as armas utilizadas no crime e, se a compra dos objetos ter sido feita ilegalmente, uma quarta pessoa pode ser responsabilizada.

Polícia diz ter 'provas contundentes'

O adolescente de 17 anos apontado como suspeito de participação no ataque à Escola Estadual Raul Brasil foi apreendido na manhã desta sexta, 19, e levado ao Fórum de Suzano para audiência de apresentação.

A decisão foi da juíza Erica Marcelina da Cruz, da Vara de Infância e Juventude de Suzano. Ela atendeu pedido apresentado na segunda-feira, 18, pelo promotor Rafael do Val, responsável pelo caso, após a Polícia Civil apresentar "provas contundentes" da participação do adolescente no planejamento do ato.

Em depoimento à Justiça, o rapaz negou envolvimento no crime. Ele estava acompanhado dos pais e do criminalista Marcelo Feller, que representa o adolescente. Segundo Feller, a defesa ainda não teve acesso às cópias do processo e as provas colhidas pela Polícia Civil.

"Acredito, e consignei isso, que a audiência de hoje foi um verdadeiro teatro processual, em que direitos são fingidamente respeitados", afirmou o advogado. "Como eu poderia defender o adolescente se não conhecia as provas que existem nos autos?" O criminalista disse ter apresentado uma ata à Justiça contra a falta de cópia dos autos.

Após a audiência de apresentação, o adolescente de 17 anos foi levado por uma viatura da Polícia Civil para uma unidade da Fundação Casa. Em nota, a fundação não informou ter recebido o pedido relativo à internação do rapaz por volta das 11h40 e a vaga "foi disponibilizada imediatamente".

Para garantir a integridade física do adolescente conforme norma do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a unidade não foi informada.

A internação provisória do adolescente dura 45 dias, período de praxe em casos envolvendo menores de idade. Neste período, a Justiça deverá processar o caso e determinar a medida socioeducativa definitiva, como internação, semiliberdade, liberdade assistida ou prestação de serviços à comunidade.

Se no prazo de 45 dias o processo não for finalizado, o jovem será solto, conforme prevê o ECA. O prazo máximo de internação, caso a juíza decida, é de três anos.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Sala do Empreendedor de Guaramirim será aberta nesta semana

O local é um espaço para orientações e informações voltadas aos empreendedores, além de servir como ponto de encontro para fechamento de negócios
Sala do Empreendedor de Guaramirim será aberta nesta semana
Geral

Advogada explica sobre atendimento nas agências do INSS

Especialista comentou sobre as formas de contato com o Instituto Nacional do Seguro Social, por exemplo, central telefônica 135 e o canal Meu INSS, através da internet
Advogada explica sobre atendimento nas agências do INSS
Geral

Proteção Social Básica de Jaraguá do Sul apoia campanha "Faça Bonito"

Esta terça-feira (18), é o dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes
Geral

Homem do campo garante direitos e benefícios ao emitir Nota Fiscal

Documento é obrigatório na circulação de bens e materiais relacionados com as atividades, mercadorias e produtos de uma propriedade rural
Homem do campo garante direitos e benefícios ao emitir Nota Fiscal
Ver mais de Geral