Delivery Much
GERAL

Pedreiro é condenado por superfaturar túmulos em Santa Catarina

27 Abr 2019 - 10h32Por Julia Affonso

O juiz Roque Lopedote, da 2.ª Vara da Comarca de Urussanga, em Santa Catarina, condenou o pedreiro do cemitério da cidade de 20 mil habitantes por superfaturar em R$ 3,84 mil a construção de túmulos e capelas. O funcionário público foi sentenciado em ação civil pública por ato de improbidade administrativacom enriquecimento ilícito e violação aos princípios constitucionais da administração pública.
Documento

A sentença estabelece que o pedreiro terá de ressarcir integralmente os valores referentes ao enriquecimento ilícito às vítimas, acrescidos de juros e correção pelo INPC. Ele também foi condenado à perda da função pública, suspensão dos direitos políticos pelo prazo de três anos, pagamento de multa civil no valor de duas vezes sua maior remuneração e proibição de contratar com o Poder Público pelo prazo de três anos.

A ação do Ministério Público de Santa Catarina aponta que o pedreiro foi o responsável pela gestão do cemitério municipal de Urussanga - cidade a 3 horas de Florianópolis - entre 2010 e 2012. O superfaturamento teria ocorrido há cerca de 6 anos.

Em dezembro de 2012, ele teria negociado, em nome do município, a venda de um lote que valia R$ 280 por R$ 2,5 mil. De acordo com o processo, o pedreiro teria ainda condicionado a venda do terreno à construção de uma base do jazigo 'por quantia acima da praticada no mercado'.

No mesmo mês, aponta a ação, o pedreiro também teria negociado a venda de um lote e a construção de uma capela por R$ 8 mil. A Promotoria apontou que a conduta do pedreiro feriu os princípios da administração pública: honestidade, lealdade, moralidade e impessoalidade.

À Justiça, o pedreiro alegou que 'não agiu com dolo e no intuito de obter vantagem ilícita'. Ele declarou que 'enquanto estava de licença, não havia impedimento para a realização de serviços de pedreiro de forma particular e que a cobrança foi relativo aos serviços prestados para a construção de capelas e túmulos, não se referindo tais valores com a aquisição de lotes no cemitério, pois afirma que as partes deveriam procurar a Prefeitura Municipal para aquisição dos mesmos'.

De acordo com a sentença, o pedreiro declarou ainda nunca ter coagido ninguém a comprar lotes no cemitério e a contratar seus serviços, 'deixando-os sempre a vontade para decidirem'.

Na sentença, o juiz afirmou que 'abusando do poder conferido pelo cargo ocupado', o pedreiro do cemitério de Urussanga 'realizava tratativas com particulares em nome do Município, onde efetuava a venda dos lotes dos cemitérios e oferecia seus serviços de pedreiro em valores acima do normal'.

"O conjunto probatório presentes nos autos demonstram, com clareza, a responsabilidade do acusado pela prática ilícita, consistente na comercialização de lotes no cemitério municipal, além da prática de 'venda casada' relativo à venda dos lotes e a prestação de serviço de construção das bases, capelas e túmulos", afirmou Roque Lopedo.

A reportagem está tentando localizar a defesa do pedreiro. O espaço está aberto para manifestação.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Guaramirim terá quatro apresentações culturais nesta semana

Todas as apresentações são no formato online, em respeito às medidas de combate ao coronavírus
Geral

Vulcão Etna entra em erupção na Itália

Fenômeno foi visível na parte leste da Sicília
Geral

INSS: prova de vida de aposentados é suspensa até fevereiro

Portaria foi publicada hoje no Diário Oficial da União
INSS: prova de vida de aposentados é suspensa até fevereiro
Geral

Defesa Civil alerta para risco de deslizamento de terra em Jaraguá

Durante a madrugada, uma árvore caiu sobre uma casa, no bairro Tifa Monos, após um deslizamento de terra
Defesa Civil alerta para risco de deslizamento de terra em Jaraguá
Ver mais de Geral