105 Ouça
Valeio Gorges
GERAL

Para dom Cláudio Hummes, problema com Bolsonaro está superado

22 Mar 2019 - 09h39Por José Maria Mayrink e Pedro Venceslau

Um tema que preocupa a Igreja é a apreensão manifestada pelo governo Bolsonaro sobre questões políticas e sociais a serem abordadas no Sínodo. O arcebispo emérito de São Paulo, dom Cláudio Hummes, admite que declarações de autoridades federais assustaram os bispos. Mas observou que o problema parece superado, após vários contatos, entre os quais uma reunião em Manaus entre representantes católicos e militares, entre eles o general César Augusto Nardi de Souza, do Comando Militar da Amazônia. "O próprio general fez suas colocações, e o arcebispo militar, dom Fernando José Monteiro Guimarães, esclareceu a questão, ao nosso ver."

Segundo ele, apesar de o governo ainda ter a possibilidade de recorrer ao Vaticano, via embaixada, esse caminho não deve ser usado. "Foi na campanha eleitoral que começou tudo isso. O governo, que se diz de direita, considera a Igreja de esquerda. Mas a Igreja não é partido político. Não é de esquerda. Não aceita essa qualificação, essa etiqueta. A Igreja é para todos", diz o cardeal emérito.

O cardeal, que evitou falar de política, sobre a gestão Bolsonaro ou a chamada pauta conservadora no Congresso, lembrou ainda que o papa Francisco se pronunciou duas vezes nos últimos meses contra a internacionalização da Amazônia, um dos temores daqueles que fazem restrições ao Sínodo.

Ele também rebateu a noção de que alguns organismos da Igreja são de esquerda, como a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e o Conselho Indigenista Missionário (Cimi). "Às vezes se confunde. O Cimi sempre defendeu o direitos dos indígenas, mas isso não significa ser esquerda. Os direitos humanos são para todos. A CPT se dedica aos direitos dos trabalhadores e questões sociais. São direitos que estão na Constituição."

O cardeal emérito observa que "nunca um governo fez restrições a um Sínodo". "Esse governo apresentou uma questão sobretudo de soberania nacional. Mas todos sabemos que o Sínodo é da Igreja e para a Igreja. Não é para políticos, militares e outros", ressaltou, destacando que não há espaço para esses grupos na discussão, mesmo a pedidos.

Segundo ele, causou "estranheza" o fato de a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) ter sido mobilizada para monitorar reuniões preparatórias para o Sínodo em paróquias e dioceses, conforme noticiou o jornal O Estado de S. Paulo. A questão, como admite o prelado, já chegou ao papa Francisco. "Não sei dizer como ele reagiu. Apenas digo que a questão deve ter chegado até a Santa Sé. Mas o Sínodo continua normalmente." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Valeio Gorges

Matérias Relacionadas

Geral

Paróquia Luterana da Barra recebe homenagem pelos 100 anos de história

Paróquia Luterana da Barra recebe homenagem pelos 100 anos de história
Geral

Moradora de Jaraguá fatura prêmio de R$ 1 milhão na Trimania

Sorteio foi realizado neste domingo (14)
Moradora de Jaraguá fatura prêmio de R$ 1 milhão na Trimania
Geral

Instituto Guga Kuerten e Grupo Koch firmam parceria em prol do social

Rede de supermercados será um dos apoiadores do Programa de Esporte e Educação Campeões da Vida
Instituto Guga Kuerten e Grupo Koch firmam parceria em prol do social
Segurança

Prefeitura de Jaraguá lamenta morte de servidora

Áurea Schlemberg Wachholz, que trabalhava na Secretaria de Saúde
Prefeitura de Jaraguá lamenta morte de servidora
Ver mais de Geral