Geral

OAB questiona criação de Defensoria Pública de Santa Catarina

12 Jul 2011 - 20h16

A Ordem dos Advogados do Brasil em Santa Catarina (OAB/SC) se posicionou contra a criação da Defensoria Pública em Santa Catarina, projeto de lei discutido nesta terça-feira em audiência pública.

Movimentos sociais e estudantis, representantes da Justiça, parlamentares e advogados participaram do debate. Santa Catarina é o único estado que ainda não tem o órgão de atendimento jurídico gratuito, exigido pela Constituição Federal de 1988.

Para o presidente da OAB/SC, Paulo Roberto de Borba, o modelo atual de atendimento é mais eficiente e econômico. A qualidade do serviço poderia ser comprometida em função da demanda e ainda onerar os cofres públicos por conta da contratação de novos funcionários, segundo Borba.

- A defesa dativa supre a necessidade das pessoas carentes em Santa Catarina. É um modelo de sucesso, rápido, ágil e mais barato.

Já para a Defensoria Pública da União em Santa Catarina, a legalidade e dimensão do modelo de advocacia dativa é questionável. Atualmente, o cidadão que comprovadamente não puder pagar pelo serviço deve procurar o Fórum, que indicará um profissional. Após uma triagem do poder judiciário, o caso pode ou não ser levado em frente.

Segundo o Defensor Público da União, André Dias Pereira, a implantação facilitaria o acesso à Justiça. Além de orientar a população gratuitamente, prestaria assistência judicial e extrajudicial. Ou seja, a ação poderia ser resolvida antes de entrar na Justiça.

- A defensoria pode prestar assistência integral, com atendimento multidisciplinar. No caso de uma mulher vítima de violência doméstica, por exemplo, o órgão estadual ofereceria acompanhamento psicológico, não apenas apoio na questão legal. É um serviço público de fundamental importância para promoção dos direitos à cidadania.

Projeto de lei em andamento


O projeto de lei de iniciativa popular foi formulado após um abaixo-assinado e com o apoio das Comissões de Direitos e Garantias Fundamentais, de Amparo à Mulher e à Família e de Constituição e Justiça.

Após o debate em audiência pública, o projeto está em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça, sob relatoria do deputado José Nei Ascari (DEM). Se for aprovado, o sistema de atendimento jurídico gratuito passará por uma transição até a implantação do órgão em todos os municípios com vara judicial.

De acordo com Pereira, cerca de 87% das comarcas do Rio Grande do Sul já estão com o serviço. Os estados do Paraná e Goiás acabaram de implementar o novo modelo e estão em processo de concurso público para contratação de pessoal.

DIÁRIO CATARINENSE

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Legislativo jaraguaense completa 85 anos nesta quarta

Hoje o Legislativo está em sua 20ª legislatura e 169 pessoas já tiveram a incumbência de exercer a vereança no município. Dez delas, mulheres.
Legislativo jaraguaense completa 85 anos nesta quarta
Geral

Dose solidária: prefeituras se unem em campanha de arrecadação de alimentos

Doações podem ser feitas nos pontos de vacinação contra a Covid-19
Dose solidária: prefeituras se unem em campanha de arrecadação de alimentos
Geral

STJ decide que condomínio pode proibir locação por meio de aplicativo

Decisão vale somente para o caso concreto
STJ decide que condomínio pode proibir locação por meio de aplicativo
Geral

Decreto prorroga auxílio emergencial aos trabalhadores da cultura

Nova norma afasta incertezas sobre benefício da Lei Aldir Blanc
Ver mais de Geral