transito
GERAL

'Ninguém quer seguir a carreira', diz professora da Faculdade de Educação da USP

08 Nov 2018 - 06h58Por Isabela Palhares

Após a divulgação de estudo que revela que o está na última posição em ranking sobre prestígio de professor, o jornal O Estado de S. Paulo entrevistou Silvia Colello, professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

O Índice Global de Status de Professores de 2018 foi divulgado nesta quarta-feira, 7, pela Varkey Foundation, organização voltada para a educação. O levantamento avalia como a população de 35 países enxerga a profissão. O índice é feito de uma escala de 0 a 100. A China atingiu a nota máxima, enquanto no Brasil a nota foi 2. Veja abaixo os principais trechos da entrevista:

A baixa remuneração é um dos principais fatores para a desvalorização da carreira docente?

Os baixos salários são, ao mesmo tempo, causa e consequência. As pessoas desvalorizam o professor porque ele ganha pouco e ele ganha pouco porque não é valorizado nas políticas públicas. Além disso, os políticos sempre falam genericamente sobre a valorização do docente. Nunca se desenvolve a ideia de que é preciso melhorar a questão salarial, a evolução da carreira, as condições de trabalho e o apoio que ele deve receber da equipe escolar e das famílias.

Os pais também desvalorizam o professor?

Na maioria dos casos, o professor não conta com o apoio da família porque muitas não querem se envolver com o que acontece na escola. Então, não querem saber do mau comportamento ou do baixo desempenho do filho. Preferem culpar o professor por essas situações. Propostas que estão sendo colocadas nesse momento, como o Escola Sem Partido (em tramitação no Congresso Nacional e defendido pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, do PSL), tendem a acirrar essa relação por colocar pais e professores em lados opostos, por incentivar que o docente seja vigiado, controlado, perca a autonomia sobre o quê e como ensinar.

O País está perdendo bons professores pela forma como os trata?

Sim. Os jovens com melhor desempenho vão para as profissões mais valorizadas, com melhores salários. Os cursos de Licenciatura e Pedagogia são vistos como o "que sobrou", porque ninguém quer seguir a carreira. Cada vez menos temos fatores de recompensa. A médio e longo prazo, isso é um desastre para a educação do Brasil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Geral

Confira as previsões do horóscopo para hoje

Saiba o que os astros reservam para você no amor, vida profissional e viagens
Confira as previsões do horóscopo para hoje
Geral

Teatro ContraPonto apresenta "Dom Quixote e os Ratinhos da Biblioteca" neste domingo na SCAR

A peça, de cerca de 55 minutos, conta a história de quatro ratinhos que moram em uma biblioteca e gostam muito de ler.
Teatro ContraPonto apresenta "Dom Quixote e os Ratinhos da Biblioteca" neste domingo na SCAR
Geral

Pesquisa do IBGE mostra a falta de identificação de ruas e endereços na região

Segundo os dados, Corupá tem 37% dos imóveis sem identificação oficial
Pesquisa do IBGE mostra a falta de identificação de ruas e endereços na região
Geral

Movimento Marcha do Silêncio de Jaraguá promove ação educativa de conscientização no trânsito

Ação ocorre neste sábado (15) em vários pontos da cidade
Movimento Marcha do Silêncio de Jaraguá promove ação educativa de conscientização no trânsito
Ver mais de Geral