transito
Geral

Mulher de Jaraguá do Sul, que se passava por irmã falecida, usou documentos para se casar novamente

21 Mai 2011 - 12h23

O que era para ser um caso de furto de documentos terminou revelando uma farsa, segundo a Polícia Civil de Jaraguá do Sul. Tudo começou em fevereiro, quando uma mulher, identificada como Neli Ferreira Borges, 64 anos, prestou queixa por ter os documentos furtados.

Ela foi encaminhada ao setor de identificação. Foi quando o Instituto-geral de Perícia (IGP) constatou que as digitais eram de outra pessoa - Santalina Borges Meurer.

A polícia abriu inquérito para investigar o caso e descobriu que Santalina usava, na verdade, a identidade da irmã, falecida há 35 anos. Segundo o delegado Marco Marcucci, a mulher já foi ouvida.

- Ela compareceu com o advogado e se reservou ao direito de falar em juízo - disse Marcucci.

Segundo o delegado, a história começou em 1971. Naquele ano, a pedido do pai, Santalina casou-se com Jacob Bernardo Meurer, bem mais velho que ela, e passou a se chamar Santalina Borges Meurer.

Em 1976, separada do primeiro marido, casou-se novamente, usando os documentos pessoais da irmã Neli Ferreira Borges, já falecida, porque na época não era permitido o divórcio. Foi então que Santalina passou a assumir o nome de Neli. No ano seguinte, com o falecimento do primeiro marido, a suspeita de fraude usou os documentos verdadeiros, como viúva, para receber o benefício do INSS.

- Quanto a isto não há irregularidade - alertou o delegado.

Marcucci ainda não sabe como irá enquadrar a mulher. Ele quer ouvir Neli mais uma vez, para Santalina, para saber que bens ela comprou ao longo dos anos como Neli. A partir daí, a polícia começa a definir se a idosa poderá responder por estelionato ou falsidade ideológica.

Santalina registrou neto como filho

O delegado Marcucci também adiantou que foi um dos filhos de Santalina, Arlindo Souza, 23 anos, que teria furtado a bolsa da mãe para pegar dinheiro.

- Sem saber que se tratava do próprio filho, ela registrou o BO que deu origem à confusão.

Outro fato que surpreendeu o delegado é que Arlindo, registrado como filho da mulher, é neto dela.

- O rapaz é filho de uma filha de Santalina com o primeiro marido. A moça morreu aos 17 anos e Santalina registrou a criança - contou o delegado.

O advogado de Santalina, Valmir Kellener, disse que, "em respeito à família, vai esperar a conclusão do inquérito para se pronunciar sobre o caso", que é inédito para ele. A filha do meio de Santalina, Cirlene de Souza, 29 anos, casada, disse estar surpresa, mas que perdoa a mãe.

- Minha mãe tem 64 anos. Não há o que fazer. Eu a perdoo.

DIÁRIO CATARINENSE

Matérias Relacionadas

Geral

"Guaramirim, cidade limpa" - terceira etapa da ação ocorre no fim de semana

Desde o início da campanha, mais de 100 toneladas de entulhos já foram recolhidas.
"Guaramirim, cidade limpa" - terceira etapa da ação ocorre no fim de semana
Geral

Enchentes paralisaram 63% das indústrias gaúchas, revela pesquisa

Apesar dos impactos, 64,2% das empresas vão manter local de sedes
Enchentes paralisaram 63% das indústrias gaúchas, revela pesquisa
Economia

Caixa libera abono do PIS/Pasep para nascidos em julho e agosto

Valores variam conforme número de dias trabalhados no ano-base 2022
Caixa libera abono do PIS/Pasep para nascidos em julho e agosto
Geral

Narrador de futebol é internado na UTI após cair de cabine durante transmissão de jogo em SC

Queda ocorreu de uma altura de aproximadamente quatro metros
Narrador de futebol é internado na UTI após cair de cabine durante transmissão de jogo em SC
Ver mais de Geral