GERAL

Manifestantes protestam no Higienópolis contra pedido para apreender menores

28 Fev 2019 - 16h12Por Ana Paula Niederauer

Entidades ligadas ao movimento negro realizaram um protesto por volta das 20 horas desta quarta-feira, 27, no Shopping Pátio Higienópolis, na região central de São Paulo. O ato ocorreu após o estabelecimento entrar com pedido na Justiça para apreender crianças e adolescentes de rua que estivessem dentro do shopping. A solicitação foi negada.

O representante da Uneafro Brasil, Douglas Belchior, disse que a manifestação foi pacífica e que as entidades presentes ligadas ao movimento negro pediram à direção do shopping para não recorrer da decisão da juíza Monica Arnoni, da Vara da Infância e Juventude, que negou o pedido do centro de compras. Movimento negro também quer que o shopping se manifeste publicamente pedindo desculpas pelo mal exemplo que deu.

"Estamos em um momento no Brasil que precisamos reagir a essas iniciativas. Os nossos atos são sempre pacíficos contra ações violentas", explicou Belchior.

Segundo ele, o ato dentro do shopping durou 30 minutos e contou com cerca de 200 pessoas ligadas aos grupos Uneafro Brasil, Movimento Meninos e Meninas de Rua e Movimento População de Rua, Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio.

Belchior ainda afirmou que na quinta-feira, 7 de março, o shopping prometeu receber representantes do movimento negro para uma conversa. Procurada, a assessoria do shopping disse que o ato foi pacífico. O centro de compras ainda reforçou o posicionamento, já expressa em nota anteriormente divulgada à imprensa, de pedir desculpas por "qualquer tipo de interpretação contrária à intenção de proteger os menores desacompanhados".

O caso

O Shopping Pátio Higienópolis entrou na Justiça para que seus seguranças tenham autorização para apreender crianças e adolescentes desacompanhados. A ação tem como objetivo evitar que menores em situação de rua circulem pelo interior do shopping - eles são acusados de atos de vandalismo, depredação, furtos, agressão e até intimidação de frequentadores. Após a repercussão negativa, a administração do empreendimento afirmou que seu pedido de apoio tutelar à Vara da Infância foi mal interpretado.

O pedido do shopping previa ainda que os seguranças poderiam apreender os menores e entregá-los à Polícia Militar. Além disso, a administração pediu que o Conselho Tutelar inspecionasse regularmente o shopping para constatar a presença de menores em situação de rua e adotar as medidas cabíveis.

A juíza Monica Arnoni, da Vara da Infância e Juventude, negou o pedido. Segundo ela, as crianças ou adolescentes que cometerem infrações, estando ou não em situação de rua, podem ser apreendidos conforme as regras do Estatudo da Criança e do Adolescente (ECA) - e que para isso não seria necessária qualquer autorização prévia por parte da Justiça.

Em nota, o shopping disse "que seu pedido de apoio tutelar a Vara da Infância foi mal interpretado e reforça que nunca quis ultrapassar os direitos das crianças e adolescentes. O shopping reitera ainda que repudia veementemente todo tipo de discriminação."

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Moradores de Guaramirim ficarão sem fornecimento de água na próxima semana

Os trabalhos consistem no desligamento do transformador da ETA para fazer a troca da fiação de saída do transformador que alimenta toda a estação
Moradores de Guaramirim ficarão sem fornecimento de água na próxima semana
Geral

Média histórica do Auxílio-Cidadão de Jaraguá apresenta nova elevação em março

Desde o início da pandemia, o número de benefícios mensais concedidos se mantém acima da média de três mil. Em 2021, o valor investido é de quase R$ 1,4 milhão
Média histórica do Auxílio-Cidadão de Jaraguá apresenta nova elevação em março
Geral

Estabelecimentos turísticos podem usar cadastros gratuitos para divulgação

Cadastur e Viaje+SC dão visibilidade aos estabelecimentos em todo o País e fora dele
Estabelecimentos turísticos podem usar cadastros gratuitos para divulgação
Geral

Companhia aérea é condenada a indenizar casal de Jaraguá por dano moral

Casal pagou por poltronas mais confortáveis, em viagem para os EUA, mas não conseguiu usar
Companhia aérea é condenada a indenizar casal de Jaraguá por dano moral
Ver mais de Geral