Geral

Mais de 600 funcionários não precisam bater ponto na Assembleia Legislativa

23 Fev 2012 - 13h39

Em funcionamento desde dezembro do ano passado, o ponto eletrônico da Assembleia Legislativa é um estranho para 640 funcionários da instituição. A maior parte deles trabalha no interior do Estado, nas bases eleitorais dos parlamentares, mas a lista de exceções no controle de jornada, publicada no Diário Oficial da Assembleia, chama a atenção por ter 96 servidores de Florianópolis que não precisam bater ponto.

Se forem levados em conta os municípios da Grande Florianópolis, são 133 funcionários - todos em cargos de confiança - que não precisam registrar a presença na Assembleia através dos pontos eletrônicos biométricos instalados em dezembro, após um acordo com o Ministério Público de Santa Catarina com o objetivo de impedir a existência de funcionários fantasmas no parlamento.

Na época, ficou acertado que todos os servidores que trabalhassem na sede da Assembleia bateriam ponto. Os demais, preencheriam relatórios de atividades. O número de funcionários designados para trabalhar na Capital e na região que não são obrigados a passar pelo ponto eletrônico fez o Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa (Sindalesc) pedir uma reunião com o presidente Gelson Merisio (PSD), ainda sem data marcada.

O presidente da entidade, Rubenvaldo da Silva, acredita que há mais rigor com os funcionários efetivos do que com os comissionados.

- O maior absurdo é essa quantidade de gente em Florianópolis e cidades da região que não precisa bater ponto. Por que a pessoa que está aqui, em São José, Palhoça, Biguaçu, não pode passar na Assembleia e bater o ponto? - questiona.

O sindicalista também aponta excesso de funcionários liberados do pontos em gabinetes de deputados. Segundo ele, existem deputados que têm apenas três funcionários com obrigação de bater ponto.

O presidente da Assembleia, Gelson Merisio, diz que os deputados têm direito a indicar funcionários para atuarem nas bases partidárias e que não pode discriminar os que nomeiam comissionados para atuar na região de Florianópolis. Aponta a si mesmo como exemplo, lembrando que recebeu 4 mil votos na Capital, apesar de ter base política no Oeste.

Merisio tem um assessor de seu gabinete nomeado para trabalhar em Florianópolis: 

- É quem cuida dos meus assuntos fora da Assembleia. Estamos discutindo que ele poderia bater o ponto.

O deputado afirma que o sistema ainda está em aperfeiçoamento e que alguns pontos podem ser revistos. Ele acredita que, com o tempo, os próprios parlamentares vão preferir que seus funcionários batam ponto em vez de fazer relatórios - sujeitos a conferência e questionamentos.


- Vão perceber que o relatório é mais complicado do que o ponto, que é só bater. Os relatórios serão analisados. E os funcionários que batem ponto vão controlar os que não batem.

DIÁRIO CATARINENSE

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Balão chama a atenção de moradores de Jaraguá do Sul

A iniciativa é do pastor Ronald Gartner, que usou de um balão e de um megafone para pregar nas alturas
Balão chama a atenção de moradores de Jaraguá do Sul
Geral

Juíza autoriza declaração de gênero neutro em certidão de nascimento

Nem homem, nem mulher, pessoa obtém o direito de registrar que seu gênero é neutro
Juíza autoriza declaração de gênero neutro em certidão de nascimento
Geral

Casa São José realiza pedágio virtual

Casa de apoio a pacientes e familiares completa 4 anos de atividades em abril
Casa São José realiza pedágio virtual
Educação

Educação alerta sobre a responsabilidade das famílias nas tarefas escolares

Essa tem sido uma bandeira levantada pela Secretaria de Educação de Jaraguá para que o sistema híbrido de ensino (uma semana presencial e uma semana digital) tenha sucesso
Educação alerta sobre a responsabilidade das famílias nas tarefas escolares
Ver mais de Geral