Geral

Leite ficou mais caro nos últimos meses nos supermercados de Santa Catarina

09 Mai 2011 - 11h04

O leite ficou mais caro nos últimos meses nos supermercados de Santa Catarina. Só em abril, o aumento no valor pago aos produtores foi de 6,7%(equivalente a R$ 0,05), conforme o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da USP.

Para o consumidor de Florianópolis, o litro do leite longa vida custa, em média, R$ 2, segundo o Dieese, que calcula os valores da cesta básica. O valor de abril representa alta de 2,04% em relação ao mesmo mês de 2010.

O crescimento nos custos pressionou os preços para o consumidor. Mas a tendência é de baixa, acredita Zefiro Giassi, presidente da rede Giassi de Supermercados, segunda maior do Estado. Ele explica que, na semana passada, conseguiu fechar negócios com preços mais baixos junto aos fornecedores. A expectativa para a os próximos sete dias é de novas concessões da indústria leiteira. Mas Zefiro diz que não é possível antecipar de quanto seria o alívio. Ele justifica que o setor é bastante imprevisível e os valores dos produtos variam diariamente. Lembra ainda que a situação já esteve pior. Dados do Cepea mostram que em março houve reajuste de 0,7% na compra da matéria-prima dos produtores.

O presidente da Associação Catarinense dos Criadores Bovinos (ACCB), Celso Munaretto, cita uma série de fatores para o aumento do leite. O primeiro é o crescimento do consumo. Ele também ressalta que estamos em uma época de entressafra das pastagens.

Munaretto explica que as pastagens de verão acabaram e as de inverno não cresceram o suficiente. A plantação começou em meados de abril e ficará no ponto somente em junho. A entressafra deve durar até setembro ou outubro, dependendo da situação climática.

Outra razão é a recuperação da economia mundial. Durante a crise de 2008 e 2009, muitos países deixaram de comprar e hoje estão investindo em leite em pó para refazer seus estoques. O movimento está retirando matéria-prima para derivados de leite. A menor oferta significa aumento nos preços.

O mercado internacional também influenciou no último motivo elencado pelo presidente da ACCB, o aumento do preço dos insumos para ração a partir de março. De acordo com Munaretto, o farelo de soja foi o primeiro a subir e o milho acompanhou.

O presidente da rede Giassi lembra outro fator. A disputa de produtores brasileiros para limitar a importação de leite dos concorrentes do Uruguai e Argentina. A briga começou porque os dois países reclamam do saldo da balança comercial com o Brasil, principalmente pela venda da indústria nacional de linha branca. Eles pediram a compra de leite como compensação. Os produtores locais reagiram e pedem a limitação para três mil toneladas por mês. A possibilidade de diminuir a oferta foi o suficiente para aquecer o mercado.

Fonte: DIÁRIO CATARINENSE

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Decreto prorroga auxílio emergencial aos trabalhadores da cultura

Nova norma afasta incertezas sobre benefício da Lei Aldir Blanc
Geral

Número de acessos móveis no Brasil cresce e fecha 2020 com 234 milhões

Número é maior que população porque muitos têm mais de um chip
Número de acessos móveis no Brasil cresce e fecha 2020 com 234 milhões
Geral

Quem vai se vacinar também pode ajudar com um quilo de alimento

Campanha Vacina Ação Solidária inicia nesta terça-feira (6) no Pavilhão A do Parque Municipal de Eventos. Quem for se vacinar, pode levar um quilo de alimento não perecível. Se puder e quiser
Quem vai se vacinar também pode ajudar com um quilo de alimento
Saúde

Hemosc necessita de doações de sangue para manter estoques

A doação de sangue está funcionando com horário agendado previamente, que pode ser por telefone ou diretamente no site
Hemosc necessita de doações de sangue para manter estoques
Ver mais de Geral