Imobiliária Coralli
Geral

Juro Zero completa um ano colocando catarinense em primeiro lugar

08 Nov 2012 - 13h07

O programa do Governo do Estado para Microempreendedores Individuais (MEIs) comemora um ano nesta quinta-feira, 8. Desde que foi lançado, o Juro Zero movimentou mais de R$ 22 milhões, efetuando 7.922 empréstimos de até R$ 3 mil. "Com este programa, o governo Raimundo Colombo consagrou o lema 'as pessoas em primeiro lugar'", afirmou o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Paulo Bornhausen.


Para Bornhausen, o Juro Zero - que acaba de ser eleito Top de Marketing da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB/SC) - está transformando a vida de quase oito mil catarinenses. "Pessoas que sempre sobreviveram de seu esforço pessoal e que, agora, tiveram a chance de se profissionalizar, recebendo, além do dinheiro, formação de gestão e inovação. Com o Juro Zero, nós qualificamos aqueles que são a base da economia catarinense", destaca.

De acordo com os últimos dados, somente no mês de outubro foram 907 atendimentos, sendo que aproximadamente 30% equivalem a MEIs que realizaram o segundo empréstimo. O comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios continua liderando o ranking como atividade com mais operações, com 15,55%, seguido dos cabeleireiros, que representam 6,83% e, em terceiro, aparecem os trabalhadores que atuam no setor de obras de alvenaria, com 5,97%.  

"O Sebrae de Santa Catarina sente-se muito gratificado pelo sucesso do Juro Zero", resume o superintendente do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina (Sebrae/SC), Guilherme Ziguelli. Ele assegura que, por meio da parceria com a SDS e a Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina (Badesc), o órgão teve condições de ver sua principal missão, que é dar apoio às micro e pequenas empresas (MPEs) e aos MEIs, sendo cumprida de forma tão abrangente. "O Juro Zero ainda contribui, de maneira significativa, para o nosso programa de formalização do empreendedor individual. O resultado do programa nos dá a sensação de missão cumprida e, mais, nos incentiva a continuar o trabalho e a buscar mais parcerias com o Governo do Estado que, com Raimundo Colombo, coloca as pessoas como prioridade real", declara.


Com o objetivo de impulsionar o empreendedorismo catarinense com foco na microeconomia, o Juro Zero foi criado pela SDS, com a parceria do Sebrae/SC, Badesc e da Associação das Organizações de Microcrédito de Santa Catarina (Amcred/SC). Por meio do programa, o MEI com receita até R$ 60 mil anual pode pegar um empréstimo e parcelar o valor solicitado em oito vezes. Ao realizar os sete primeiros pagamentos em dia, a última parcela é isenta, o que equivale aos juros da operação.

"Hoje, quando estamos prontos para receber a BMW, temos a satisfação de, antes, seguindo orientação rigorosa do governado Raimundo Colombo, comemorar o fortalecimento dos nossos empreendedores, desde o microempreendedor, com o Juro Zero, até as microempresas, com o programa Nova Economia", explica o titular da SDS. Para Paulo Bornhausen, os grandes investimentos só têm sentido se for dessa forma, para todos os catarinenses serem beneficiados e crescerem junto com a nova economia catarinense.

Matérias Relacionadas

Educação

Educação capacita gestores para retomada e anuncia apoio pedagógico presencial na rede estadual

As redes municipal, privada e federal têm autonomia para decidir como conduzir as ações pedagógicas e a retomada, porém, de acordo com o que estabelece o PlanCon e mediante o acompanhamento e a atuação dos comitês municipais
Educação capacita gestores para retomada e anuncia apoio pedagógico presencial na rede estadual
Economia

Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas

O índice subiu 67,6 pontos, diz CNC
Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
Geral

Governo libera entrada de estrangeiros em todos os aeroportos do país

Entrada por rodovias e por outros meios terrestres continua restrita
Governo libera entrada de estrangeiros em todos os aeroportos do país
Economia

IBGE: 3,4 milhões estavam afastados do trabalho no início setembro

O motivo foi o isolamento social imposto pela pandemia de covid-19
IBGE: 3,4 milhões estavam afastados do trabalho no início setembro
Ver mais de Geral