Geral

Importação de têxteis bate recorde

02 Abr 2012 - 16h55

Sem perceber, talvez você esteja vestindo cada vez mais roupas feitas por mãos chinesas ou indianas. No ano passado, uma em cada 10 peças nas lojas tinham sido fabricadas fora do país. Nos últimos cinco anos, quase triplicou a presença das peças de vestuário e confecções importadas no comércio. Nos dois primeiros meses de 2012, a escalada seguiu mais forte, com um aumento na importação que supera os 72%.

Dados do Instituto de Estudos e Marketing Empresarial (Iemi) mostram que as peças de vestuário importadas representaram 9,3% do consumo do brasileiro em 2011. A projeção para este ano é que este número chegue a 12,5%, com a importação de 909 milhões de peças. Sem contar as malas cheias dos turistas brasileiros, que acrescentariam mais 60 mil toneladas de roupas compradas fora do país, segundo estimativas da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).

Neste cenário, Santa Catarina se destaca como porta de entrada dos produtos. Grandes redes varejistas, indústrias e lojas de diferentes portes importaram pelo Estado, no primeiro bimestre deste ano, quase 68 mil toneladas de produtos têxteis e de vestuário. São Paulo, segundo colocado no ranking, importou 35,9 mil toneladas.

Para o diretor da consultoria Iemi, Marcelo Prado, o aumento dos importados nos últimos anos está fazendo com que o crescimento do consumo não seja mais repassado diretamente para a produção. Ou seja, as principais beneficiadas pelo aumento do poder de renda do brasileiro nos últimos anos estão sendo as indústrias de fora do país, principalmente as asiáticas.

A guerra fiscal travada por pelo menos 13 estados na última década, cada um oferecendo incentivos fiscais para a abertura de novos empreendimentos e para a importação de produtos, teria agravado ainda mais este cenário.

Na avaliação de Celso Grisi, especialista em comércio exterior da Universidade de São Paulo, a presença de grandes varejistas globais no país reforça a lógica de comprar o mais barato possível, em grande quantidade, e vender com o melhor lucro.

- Essa é uma condição que a China oferece. Mas a culpa não é das grandes varejistas, que estão atrás da racionalidade econômica. A culpa é nossa de não conseguirmos produzir mais barato - opina Grisi.

Para ele, no cenário atual, alguns segmentos do início da cadeia produtiva do têxtil e do vestuário tendem a minguar e podem até desaparecer no Brasil.

DIÁRIO CATARINENSE

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

História de superação e amizade

História de superação e amizade
Geral

WEG fornece Sistema de Armazenamento de Energia e Controle de Microrrede para o Centro de Lançamento

Soluções fornecidas para o projeto da Equatorial Energia garantirão segurança no fornecimento de energia durante os lançamentos de foguetes.
Geral

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil
Política

Tragédia no Oeste provoca debate sobre segurança em CMEIs na Câmara de Jaraguá

Vereadores trataram do assunto na sessão de terça-feira (4)
Tragédia no Oeste provoca debate sobre segurança em CMEIs na Câmara de Jaraguá
Ver mais de Geral