Séculus
Dengue

Imóveis visitados para combate à dengue ultrapassam 10,9 milhões

29 Jan 2016 - 20h00
Cresceu o número de imóveis visitados no Brasil pelos agentes de saúde e militares das Forças Armadas para o combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, chikungunya e Zika. Foram registradas 3,4 milhões a mais de vistorias que o levantamento da semana anterior. As visitas já superaram 10,9 milhões de domicílios, o que representa 22,2% dos 49,2 milhões previstos, conforme balanço da Sala Nacional de Coordenação e Controle (SNCC) de Enfrentamento à Microcefalia, instituída pelo Governo Federal para o enfrentamento ao Aedes e à microcefalia.

O relatório contabiliza 3.183 municípios visitados, dos 5.570 definidos para serem vistoriados pelas equipes de combate em todo o País. Ao todo, 22 estados e o Distrito Federal registraram cobertura de visitas domiciliares no Sistema Informatizado de Monitoramento da Presidência da República (SIM-PR). Paraíba continua com o maior número percentual de imóveis trabalhados, com 74,6%. Na sequência, aparecem Piauí (56,99%), Sergipe (47,49%) e Rondônia (46,65%) em quantidade de visitas domiciliares.

São Paulo é o estado com mais imóveis visitados, totalizando 2,6 milhões, com 21,6% de cobertura, seguido do Rio de Janeiro, com 1,9 milhão (38,3%) e Minas Gerais, com 1,2 milhão (24%). Os estados do Amazonas, Amapá, Rio Grande do Sul e Roraima não enviaram dados relativos às visitas, até o fechamento do balanço, às 10 horas desta quinta-feira.

Durante as visitas, foram identificados 355 mil imóveis com focos do mosquito, ou seja, 3,25% do total. Além disso, houve a recusa de acesso a 45.719 imóveis. Houve, ainda, 2,7 milhões de domicílios fechados. A meta é reduzirmos esse índice de infestação para menos de 1% de domicílios com foco.

“Esse crescimento do alcance dos domicílios demonstra que está havendo forte comprometimento dos estados e municípios no registro das informações das visitas domiciliares e no combate ao vetor”, destacou o secretário-executivo substituto do Ministério da Saúde, Neilton Oliveira. Segundo o coordenador da Sala Nacional, Marcus Quito o aumento das visitas e a eliminação de focos do mosquito ocorreram por conta da intensificação das ações locais e, também, dos quatro estados que passaram a inserir dados no sistema federal: Alagoas, Espírito Santo, Paraná e Mato Grosso do Sul.

A melhor forma de combater o Aedes aegypti é não deixar o mosquito nascer. Por isso, o governo federal convocou um esforço nacional para que todas as casas do país sejam visitadas para eliminação dos criadouros. As visitas domiciliares são essenciais para o combate ao vetor. No contato constante com a população, os agentes de saúde desenvolvem ações com os moradores, relativas aos cuidados permanentes para evitar depósitos de água nas residências. Desde dezembro, os 266 mil agentes comunitários de saúde reforçam o combate ao Aedes aegypti nas residências. Eles se juntaram aos 6.188 profissionais das equipes de Atenção Domiciliar/Melhor em Casa (SAD) e aos 46 mil agentes de combate às endemias que já realizam o serviço junto à comunidade. Além disso, 3.219 militares das forças armadas estão reforçando, em 19 estados, as ações de eliminação dos focos do mosquito da dengue.

SALA DE SITUAÇÃO - O Governo Federal instalou a Sala Nacional de Coordenação e Controle do Aedes aegypti e para o Enfrentamento à Microcefalia para gerenciar e monitorar a intensificação das ações de mobilização e combate ao mosquito. A sala faz parte do Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia, em resposta à declaração Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional.

A estratégia do governo federal é intensificar a mobilização nos diversos setores da sociedade. Coordenada pelo Ministério da Saúde, a Sala Nacional é composta pelos ministérios da Integração, da Defesa, do Desenvolvimento Social, da Educação e da Secretaria de Governo da Presidência da República, além de outros órgãos convidados. Todos os estados e o Distrito Federal instalaram suas salas de situação e estão desenvolvendo ações de mobilização e combate ao mosquito.

Com videoconferências semanais com todas as unidades da federação, a sala nacional gerencia e monitora a intensificação das ações de mobilização e combate ao mosquito em todo o país. As boas experiências de combate ao Aedes aegypti também são divulgadas.

RECURSOS – Os recursos federais destinados para o combate ao mosquito Aedes aegypti cresceram 39% nos últimos anos (2010-2015), passando de R$ 924,1 milhões para R$ 1,29 bilhão neste ano. Para 2016, a previsão é de um incremento de R$ 580 milhões, uma vez que o valor chegará a R$ 1,87 bilhão. Também foi aprovado no orçamento um adicional de R$ 500 milhões para o combate ao Aedes. Além das ações de apoio a estados e municípios, a Pasta realiza a aquisição de insumos estratégicos, compra e distribuição de larvicidas, adulticidas (fumacê) e kits de diagnósticos, bem como o pagamento dos agentes de endemias.

MICROCEFALIA - Até o dia 23 de janeiro, foram registrados 4.180 casos suspeitos de microcefalia relacionada com algum agente infeccioso causador de malformação congênita. Estão entre os agentes infecciosos causadores da malformação: Sífilis, Toxoplasmose, Outros Agentes Infecciosos, Rubéola, Citomegalovírus, Herpes Viral e vírus Zika. Os casos suspeitos da doença em recém-nascidos são computados desde o início das investigações (em 22 de outubro de 2015) e ocorreram em 830 municípios de 24 unidades da federação.




































































































































































































































Nome da UF População Domicílios Urbanos Municípios Total Municípios com Visitas Domicílios trabalhados %Imóveis trabalhados
Total

204.482.459


49.226.767


5.570


3.183


10.935.303


22,21%

Paraíba

3.972.202


829.761


223


211


636.292


76,68%

Piauí

3.204.028


568.312


224


164


326.075


57,38%

Sergipe

2.242.937


441.799


75


65


212.165


48,02%

Rondônia

1.768.204


338.453


52


51


159.243


47,05%

Ceará

8.904.459


1.809.492


184


174


768.372


42,46%

Rio de Janeiro

16.550.024


5.079.579


92


85


1.947.870


38,35%

Mato Grosso do Sul

2.651.235


655.482


79


58


228.778


34,90%

Espírito Santo

3.929.911


928.725


78


56


290.823


31,31%

Acre

803.513


144.543


22


8


43.264


29,93%

Rio Grande do Norte

3.442.175


712.246


167


159


215.861


30,31%

Maranhão

6.904.241


1.073.972


217


128


296.653


27,62%

Minas Gerais

20.869.101


5.187.234


853


712


1.249.418


24,09%

Mato Grosso

3.265.486


755.026


141


73


188.165


24,92%

São Paulo

44.396.484


12.344.236


645


579


2.666.877


21,60%

Tocantins

1.515.126


316.497


139


52


63.573


20,09%

Alagoas

3.340.932


638.112


102


68


121.680


19,07%

Goiás

6.610.681


1.698.379


246


171


303.892


17,89%

Pernambuco

9.345.173


2.091.157


185


15


350.649


16,77%

Bahia

15.203.934


3.035.107


417


174


471.881


15,55%

Distrito Federal

2.914.830


750.633


1


1


90.704


12,08%

Paraná

11.163.018


2.839.072


399


146


179.925


6,34%

Santa Catarina

6.819.190


1.691.851


295


26


97.551


5,77%

Pará

8.206.923


1.320.605


144


7


25.592


1,94%

GNet

Matérias Relacionadas

Geral

Cartórios passam a receber denúncias de violência doméstica

Campanha Sinal Vermelho auxiliará mulheres de modo discreto e sigiloso
Cartórios passam a receber denúncias de violência doméstica
Saúde

Covid-19: Jaraguá antecipa vacina Pfizer para quem tomou a D1 até 31/8

Lembrando que a Central de Vacinas Covid-19 não atenderá mais aos domingos
Covid-19: Jaraguá antecipa vacina Pfizer para quem tomou a D1 até 31/8
Geral

Cães são encontrados mortos em sacos de lixo em Jaraguá

Animais estavam dentro de um 'Saco Verde', junto com material reciclável
Cães são encontrados mortos em sacos de lixo em Jaraguá
Educação

Jaraguá define calendário de matrículas e rematrículas na rede municipal de ensino

As escolas seguirão todos os protocolos se segurança contra a covid-19, nos casos em que seja necessário a presença das famílias para as matrículas e rematrículas.
Jaraguá define calendário de matrículas e rematrículas na rede municipal de ensino
Ver mais de Geral