Imobiliária Coralli
Geral

Idade mínima pode valer para novos trabalhadores

30 Jul 2012 - 13h15

O governo quer implementar a idade mínima para a concessão da aposentadoria por tempo de contribuição para novos segurados --aqueles que ainda não ingressaram no mercado de trabalho.

Embora não tenha apresentado nenhum projeto formal, a equipe econômica do governo defende para a aposentadoria de futuros trabalhadores as idades mínimas de 65 anos (homens) e 60 anos (mulheres). A proposta mantém o tempo mínimo de contribuição atual --35 e 30 anos, respectivamente.

A ideia, polêmica, encontra forte resistência nas centrais sindicais, o que pode atrapalhar a votação das alterações na aposentadoria.

"Para nós, a idade mínima é absolutamente prejudicial para a maioria dos trabalhadores", disse Artur Henrique da Silva Santos, dirigente e ex-presidente da CUT.

"É uma irresponsabilidade com as gerações futuras."

A Força Sindical também diz ser contra. Para Julio Quaresma Filho, diretor administrativo do Sindinapi (sindicato dos aposentados da Força), a medida prejudica os mais pobres, que precisam trabalhar mais cedo.

O Planalto procura respaldo para a idade mínima no avanço da expectativa de vida da população.

No começo do mês, a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) disse ter lhe chamado "muito a atenção" o fato de a expectativa de vida da população ter aumentado mais de 20 anos desde 1960. "Hoje estamos em 73."

Também preocupa o Planalto o deficit da Previdência, que saltou 38,1% em junho, para R$ 2,757 bilhões.

As propostas não param aí. Fala-se ainda em idade mínima progressiva, que mudaria --para 61/66 anos, e assim por diante-- de acordo com o aumento da expectativa de sobrevida da população.

Essa progressão poderia ser aplicada para trabalhadores da ativa, no fator 85/95. Ou seja, aumentar para 86/96, depois para 87/97 etc., até o fator 95/105 se a população envelhecer demais.

Também há resistência. "O fator 85/95 é o máximo que a gente consegue suportar", disse Artur Henrique, da CUT.

PENSÕES

A pensão por morte também deve ser revista. O governo gastou mais de R$ 100 bilhões em pensões em 2011.

Pode haver carência para a concessão e a limitação do valor da pensão em decorrência da idade e do número de filhos da viúva, por exemplo.

Hoje, basta o segurado fazer uma contribuição para o cônjuge receber para sempre o benefício máximo, mesmo que case novamente.

Além disso, distorções no cálculo fazem com que a pensão, muitas vezes, seja maior se o trabalhador morrer antes de se aposentar.

BOL.COM.BR

Matérias Relacionadas

Santa Catarina

Setor de serviços apresenta recuperação pelo segundo mês em SC e cresce 3,6% em junho

Na comparação com os 12 maiores estados produtores de serviços, Santa Catarina subiu uma posição no ranking e ocupa agora o 5º posto no crescimento dos últimos 12 meses
Setor de serviços apresenta recuperação pelo segundo mês em SC e cresce 3,6% em junho
Saúde

ANS obriga planos de saúde a incluírem teste sorológico da covid-19

Decisão foi tomada pela diretoria colegiada da agência
ANS obriga planos de saúde a incluírem teste sorológico da covid-19
Saúde

Estoques de hidroxicloroquina no país estão zerados, diz Pazuello

Só há reserva para casos de malária, lúpus e artrite
Estoques de hidroxicloroquina no país estão zerados, diz Pazuello
Esportes

Conmebol divulga jogos da Copa América e libera trocas para mata-mata

Serão permitidas até três mudanças. Brasil estreará contra Venezuela
Conmebol divulga jogos da Copa América e libera trocas para mata-mata
Ver mais de Geral