Imobiliária Coralli
GERAL

Hábito saudável evitaria 63 mil mortes por ano

11 Abr 2019 - 12h05Por Paula Felix

Ao menos 63 mil mortes por câncer que ocorrem no Brasil por ano poderiam ser evitadas com a adoção de hábitos saudáveis, como não fumar e praticar atividades físicas. Também seria possível evitar 114 mil novos casos da doença, o que corresponde a 27% dos registros anuais. Foi o que constatou um estudo do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e da Universidade de Harvard publicado no periódico científico Cancer Epidemiology deste mês.

Para fazer o levantamento, os pesquisadores cruzaram dados da Agência Nacional de Pesquisa em Câncer da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de levantamentos feitos por instituições nacionais.

"Existe um consenso que tabagismo, álcool, sedentarismo, obesidade e má alimentação estão relacionados com 20 tipos de câncer. Sabendo desses fatores de risco, usamos bancos de dados do IBGE para ver como é a distribuição deles na população", explica Leandro Rezende, pesquisador da FMUSP e um dos autores do estudo, realizado com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Da Pesquisa Nacional de Saúde, de 2013, foram coletadas informações sobre a prevalência de tabagismo, o Índice de Massa Corporal (IMC), uso de bebidas alcoólicas, consumo de frutas e hortaliças. "Com esse conjunto de dados e cálculos estatísticos, chegamos a quantos casos e mortes conseguiríamos evitar. A gente não conseguiria evitar um número tão grande com algum exame de detecção precoce."

O estudo apontou ainda que a incidência de câncer de pulmão, laringe, orofaringe, esôfago, cólon e de reto poderia cair pela metade com a eliminação dos fatores de risco avaliados pelos pesquisadores. "Esperamos que esse resultado seja utilizado como um convite para os gestores de políticas públicas para a regulamentação do marketing de alimentos processados."

Mudanças

Após ficar curada de um câncer de mama descoberto no final de 2015, a economista Sílvia Helena Madi Pinheiro, de 50 anos, resolveu mudar seus hábitos. A alimentação se tornou mais saudável e a atividade física passou a ser considerada parte do tratamento.

"Quando eu fui fazer a minha primeira consulta com a oncologista, ela perguntou o que eu fazia e falei que era totalmente sedentária. Naquele momento, fiz um pacto que não seria mais sedentária e faria exercício como remédio." Hoje, acorda às 5h30 e prática ioga e pilates. Ela também buscou influenciar a família a ter bons hábitos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Segurança

PM cumpre mandado contra homem acusado por tentativa de homicídio

O acusado que foi levado para o Presídio Regional, acabou sendo capturado na Rua Prefeito José Bauer, bairro Rau em Jaraguá do Sul
PM cumpre mandado contra homem acusado por tentativa de homicídio
Jaraguá do Sul

Seguem em ritmo acelerado as obras de pavimentação na João Januário Ayroso

A via, com 5680 metros de extensão, é também muito utilizada por quem quer visitar o Parque Malwee, um dos pontos turítisticos do Município
Seguem em ritmo acelerado as obras de pavimentação na João Januário Ayroso
Saúde

Governo do Estado de SC distribui medicamentos para intubação a hospitais de todas regiões

O material recebido do Ministério da Saúde irá garantir o atendimento nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs)
Governo do Estado de SC distribui medicamentos para intubação a hospitais de todas regiões
Geral

IPVA 2020: parcelamento em três vezes sem juros termina no dia 10 de agosto

Em Santa Catarina, o tributo varia entre 1% e 2% do valor venal do veículo
IPVA 2020: parcelamento em três vezes sem juros termina no dia 10 de agosto
Ver mais de Geral