Mês do Trânsito - Rádio
Geral

Governo resiste em liberar R$ 8,6 milhões para 16 servidores do MP-TCE

17 Jan 2012 - 20h48

Um pedido do Ministério Público de Contas (MP-TCE) para que o governo estadual pague uma dívida judicial de R$ 8,59 milhões que beneficia 16 servidores do próprio órgão. Foi esse o conteúdo do documento encaminhado no dia 10 de janeiro e que deu um susto no secretário da Fazenda, Nelson Serpa (PSD).

A dívida milionária seria resultado de uma gratificação que não teria sido paga entre 2005 e 2011. O documento, assinado pelo diretor geral de Administração e Planejamento, Luiz Carlos Silva Junior, é explícito ao pedir a suplementação orçamentária, justificando que os recursos disponíveis para o MP-TCE em 2012 (R$ 13,5 milhões, dos quais R$ 10,7 milhões são gastos com salários) não são suficientes para quitar a dívida judicial.

Assim que recebeu a comunicação, Serpa acionou a Procuradoria Geral do Estado (PGE), que estuda o caso. As primeiras providências já foram tomadas: não será feito o repasse dos recursos extras solicitados e a existência da dívida continuará a ser questionada na Justiça.

-Evidente que isso tem que ser bem auditado. Da forma que veio, a gente verificou que deveria fazer uma crítica. Primeiro, se o valor é devido e depois se é esse o valor. Minha primeira avaliação é que não é devido - afirma Serpa.

Na PGE, o entendimento é o mesmo. O ponto em discussão é a própria gratificação cobrada pelos 16 servidores - oito deles já aposentados. Uma liminar judicial de 1988 garantiu a eles o direito de acumular com outro benefício uma gratificação por atividade de nível superior que correspondia a 90% do salário.

Em 2005, uma reestruturação de plano de carreira acabou com a gratificação, mas manteve os valores correspondentes a ela incorporados ao salário dos servidores. O que eles pleiteiam agora, e tiveram confirmado em decisão da juíza Simone Zabot, da 1ª Vara Cível da Capital, em outubro, é o pagamento da gratificação retroativo a 2005. Alegam que a liminar judicial de 1988, que garantia o pagamento, foi descumprida durante o período. 

- Achamos que essa dívida é controvertida. Nós vamos estudar para ver se essa dívida realmente existe. Se eles ainda têm direito a receber aquela gratificação ou se ela foi incorporada naquela reestruturação - diz o procurador-geral do Estado, João dos Passos Martins Neto.

Além disso, mesmo que haja confirmação da dívida, ela não seria quitada com um repasse de recursos ao MP-TCE para ser pago diretamente na folha dos 16 servidores. O caminho natural é de que os credores entrem na fila dos precatórios.

Atualmente, o governo tem uma dívida de cerca de R$ 580 milhões em precatórios e gasta R$ 3,8 milhões mensais para quitá-los, com a missão de zerar as dívidas até 2025. O procurador-geral do MP-TCE, Mauro Flores Pedrozo, considera "surpreendente" a decisão judicial em favor dos 16 servidores do órgão que comanda por entender que eles não tiveram perdas com a exclusão da gratificação.

Ele diz que o ofício assinado pelo diretor Luiz Carlos Silva Junior e encaminhado à Fazenda era apenas uma forma de comunicar a existência da dívida e não um pedido de suplementação para pagamento imediato.Pedrozo ressalta que integra o MP-TCE desde 2006, mas defende a forma como foi feita a reestruturação da carreira no ano anterior. 

- Segundo a jurisprudência, quando há implementação de um novo plano de cargos e salários e não há redução de vencimentos, isso pode ser feito (a extinção da gratificação). Mas a Justiça entendeu diferente - afirma Pedrozo.

DIÁRIO CATARINENSE

Matérias Relacionadas

Economia

Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo

Indicador está 3,1 pontos abaixo do registrado antes da pandemia
Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo
Geral

Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor

Governo ainda precisa criar Autoridade Nacional de Proteção de Dados
Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
Saúde

Pesquisadores criam tecido para restaurar nervos e ossos lesionados

A descoberta poderá ajudar pessoas que têm dificuldade para realizar atividades do dia a dia e ajudar o corpo delas a se curar sozinho das lesões
Pesquisadores criam tecido para restaurar nervos e ossos lesionados
Geral

Sargento despede-se do 14º Batalhão

Sargento despede-se do 14º Batalhão
Ver mais de Geral