Imobiliária Coralli
Geral

FGC diz que vai fazer balanço para apurar condições do Cruzeiro do Sul

04 Jun 2012 - 13h58

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) informou nesta segunda-feira (4) que realizará um "balanço especial para apurar as condições econômico-financeiras das instituições" do banco Cruzeiro do Sul, sob intervenção do Banco Central. O FGC foi nomeado hoje administrador especial temporário da instituição financeira no processo.


De acordo com o BC, o regime de intervenção foi decretado em decorrência do "descumprimento de normas aplicáveis ao sistema financeiro e da verificação de insubsistência em itens do ativo". A autoridade monetária não informa o valor do rombo.

Segundo informou o Fundo Garantidor de Crédito, por meio de nota, a instituição continuará operando normalmente. A intervenção não provocará o vencimento antecipado de nenhuma operação ativa ou passiva de qualquer uma das entidades. "Igualmente não gera a ativação do mecanismo de proteção assegurado pelo FGC aos clientes de instituições financeiras submetidas a regimes especiais", acrescentou.

Para tirar dúvidas de clientes, o banco deixa à disposição uma central de atendimento telefônico que funcionará em horário comercial, no número (11) 3848-2865.

De acordo com o FGC, as operações de captação do banco continuam garantidas até o valor de R$ 70 mil por cliente (CPF ou CNPJ). Também estão garantidos, informou o FGC, os DPGES (depósitos a prazo) que contam com garantia especial de até R$ 20 milhões por cliente, "desde que registradas regularmente na CETIP e somente serão exigíveis quando de seu vencimento ou na hipótese de eventual posterior decretação de uma das modalidades de regime especial previstas no seu estatuto (intervenção, liquidação extrajudicial ou falência)".

O Fundo Garantidor de Crédito acrescentou que "todas as operações passivas (compromissos) serão honradas normalmente em seus vencimentos, enquanto perdurar o regime do RAET [Regime de Administração Especial Temporária de 180 dias decretado pelo BC], exclusivamente com recursos da própria instituição".

Com a decretação do regime especial no banco Cruzeiro do Sul, as responsabilidades serão apuradas pelo Banco Central "dentro de suas atribuições legais, em regular inquérito administrativo", segundo o FGC.

Neste domingo (3), o presidente executivo do Cruzeiro do Sul, Luis Octavio Índio da Costa, esteve reunido com representantes do FGC até cerca de 21h30 para definir o destino do seu banco. A saída, no entanto, acabou mesmo sendo a intervenção, segundo reportagem do jornal "O Estado de S.Paulo".


Pequeno porte
De acordo com a autoridade monetária, o banco Cruzeiro do Sul é uma instituição financeira de pequeno porte que, em dezembro de 2011, detinha ativos que representavam apenas 0,22% do total dos ativos do sistema financeiro e 0,35% dos depósitos. O banco pertence à família Índio da Costa.

O Cruzeiro do Sul está autorizado a operar com as carteiras comercial, de investimentos e de câmbio. Suas operações estão concentradas nas duas agências de São Paulo e do Rio de Janeiro, possuindo mais seis agências localizadas em Campinas, Salvador, Recife, Belém, Macapá e Palmas.

Por extensão, informou o BC, foi decretado o RAET nas seguintes empresas do grupo Cruzeiro do Sul, pelo mesmo prazo: Cruzeiro do Sul S.A Corretora de Valores e Mercadorias, Cruzeiro do Sul DTVM, e Cruzeiro do Sul S.A. Companhia Securitizadora de Créditos Financeiros.

Regime especial
O RAET é um regime previsto na legislação em vigor, com prazo limitado, por meio do qual o Banco Central substitui os dirigentes da instituição por um conselho de diretores ou por uma pessoa jurídica especializada, com a finalidade de corrigir procedimentos operacionais ou de eliminar deficiências que possam comprometer seu funcionamento.

"Esse regime não afeta o andamento dos negócios da instituição, que continua a funcionar normalmente, podendo realizar todas as operações para as quais está autorizada. Em consequência, é preservada a relação dos credores e dos devedores com a instituição. Assim, tanto os compromissos de terceiros com a instituição quanto as suas dívidas continuam a vencer nos prazos originalmente contratados", informou o BC.

GLOBO.COM.BR

Matérias Relacionadas

Economia

Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo

Indicador está 3,1 pontos abaixo do registrado antes da pandemia
Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo
Geral

Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor

Governo ainda precisa criar Autoridade Nacional de Proteção de Dados
Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
Saúde

Pesquisadores criam tecido para restaurar nervos e ossos lesionados

A descoberta poderá ajudar pessoas que têm dificuldade para realizar atividades do dia a dia e ajudar o corpo delas a se curar sozinho das lesões
Pesquisadores criam tecido para restaurar nervos e ossos lesionados
Geral

Sargento despede-se do 14º Batalhão

Sargento despede-se do 14º Batalhão
Ver mais de Geral