Femusc 2012

Festival de Música de Santa Catarina ganha espaço na mídia nacional

01 Fev 2012 - 19h51

O Festival de Música de Santa Catarina vem ganhando cada vez mais espaço na mídia nacional. Neste ano, redes de televisão como a TV Cultura, e o assunto caiu nas graças da Rede Globo. Na noite de ontem, no fim do Jornal Nacional, os apresentadores Willian Bonner e Patrícia Poeta, falaram sobre o Femusc, com a reportagem de Ricardo Von Dorf.

[jwplayer mediaid="82031"]

Em 2007, a canadense Rita Constanzi foi convidada pelo gaúcho Alex Klein para participar do Festival de Música de Santa Catarina (Femusc), em Jaraguá do Sul, após o maestro assistir a uma apresentação da harpista em Nova York. A ideia era desenvolver um curso do instrumento, mas, de cara, enfrentaram uma barreira: a escassez de harpas no Brasil e o alto preço da importação - cada uma chega por cerca de R$ 50 mil. Com ajuda do estudante Gustavo Beachini, que levou sua própria harpa, montaram a primeira turma, com apenas dois alunos. Cinco anos depois, Jaraguá do Sul se orgulha de ser o maior centro de harpas clássicas do país, com 17 instrumentos, que até sábado (4), quando termina o Femusc 2012, estarão a serviço de mais 12 estudantes.


"Tenho muitos motivos para comemorar. O Alex Klein trabalhou muito duro para me trazer no primeiro ano e para encontrar uma harpa para trabalhar. Ele percebeu os desafios que estavam envolvidos. Quando eu cheguei, ficava muito triste em ouvir as histórias, do desafio que era para cada aluno. Depois de ouvir àqueles dois estudantes, fiquei muito motivada para voltar e ajudar Alex com seu sonho de qualquer maneira que eu pudesse", conta Rita.

Logo após o primeiro curso, 16 harpas foram doadas por Wander Weege, empresário de uma grande empresa têxtil, que se sensibilizou com a batalha de Rita e Klein. No total, foram gastos aproximadamente R$ 800 mil - a 17ª, um modelo mais compacto, foi cortesia do fabricante. Hoje, os instrumentos rodam o país para servirem a outros estudantes, em sistema de comodata. Ficam em Jaraguá apenas em janeiro, para o Femusc, maior festival-escola de música clássica da América Latina, por onde passaram cerca de 70 alunos desde 2007.

"Estimulamos o desenvolvimento de outros centros no Brasil. Havia histórias como a de uma professora de Brasília que tinha 20 alunos e uma só harpa", explica Klein, um dos responsáveis pela criação do Círculo Catarinense de Harpas, que além de Jaraguá inclui as cidades de Blumenau, Pomerode e Timbó.

O maestro e diretor artístico da Femusc teve a ideia de fortalecer a harpa no Brasil porque achou que o instrumento estava sumindo por aqui. "Temos uma explosão de orquestras e projetos sociais de música erudita, mas esses projetos não têm harpas. As orquestras e festivais raramente têm", acrescenta.


Além do curso, este ano com 12 alunos, 10 a menos que em 2011 - "para dar mais atenção individual a cada aluno", segundo Rita Constanzi -, o festival promove uma conferência e um concurso de harpas com vários alunos e professores do país e do exterior.

Em 2012, as inscrições começam em 15 de agosto, segundo Klein, pelo site do festival. O custo ainda não foi definido e deve ser um pouco superior aos R$ 350 do ano passado. No valor estão inclusos aulas, alimentação, alojamento e concertos.

O próximo passo do sonho de Alex Klein é fazer com que uma fábrica de harpas internacional participe da instalação de uma linha de montagem no Brasil. A ideia é diminuir radicalmente o custo de cada instrumento. Dos R$ 50 mil, cerca de R$ 15 mil são de impostos de importação. Outros R$ 10 mil vão para custos com transporte. "A harpa está defasada em quantidade. Uma fábrica entraria em um mercado com grande demanda. Tem uma na Itália, outra no Japão, outra na França. É só chegar e fazer a festa", opina o maestro, que diz estar em contato direto com essas empresas.

[jwplayer mediaid="82033"]

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

História de superação e amizade

História de superação e amizade
Geral

WEG fornece Sistema de Armazenamento de Energia e Controle de Microrrede para o Centro de Lançamento

Soluções fornecidas para o projeto da Equatorial Energia garantirão segurança no fornecimento de energia durante os lançamentos de foguetes.
Geral

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil
Política

Tragédia no Oeste provoca debate sobre segurança em CMEIs na Câmara de Jaraguá

Vereadores trataram do assunto na sessão de terça-feira (4)
Tragédia no Oeste provoca debate sobre segurança em CMEIs na Câmara de Jaraguá
Ver mais de Geral