Imobiliária Coralli
Geral

Estudo revela aumento do consumo de álcool entre as mulheres

25 Jun 2012 - 18h10

Um estudo brasileiro, recentemente publicado na revista científica Clinics e divulgado pelo CISA - Centro de Informações sobre Saúde e Álcool, investigou os padrões de consumo e diferenças entre gêneros em relação aos problemas relacionados ao uso do álcool.


O estudo em questão analisou os dados do São Paulo Catchment Area Study - pesquisa que é parte de um consórcio mundial coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) - e verificou o comportamento de 1.464 indivíduos adultos que residem próximo ao Hospital das Clínicas de São Paulo.

Foram avaliados, no período de 12 meses, a prevalência e os correlatos sociodemográficos (gênero, idade, nível educacional, entre outros) para os diferentes padrões de consumo do álcool, que foram categorizados em: uso não pesado (consumo de pelo menos 12 doses, sem nunca ter feito uso pesado), uso pesado episódico (cinco ou mais doses em uma única ocasião para homens e quatro ou mais para mulheres), uso pesado e frequente (uso pesado do álcool ao menos três vezes na semana) e abstêmios (menos de 12 doses/ano).

Os resultados apontam que aproximadamente 22% dos entrevistados (32,4% das mulheres e 8,7% dos homens) são abstêmios, 60,3% são bebedores não pesados (sem diferença entre os gêneros) e 17,5% (26,3% homens e 10,9% mulheres), relataram ter feito o uso pesado e frequente de álcool.

Uma das principais descobertas do estudo foi que, embora os homens sejam duas vezes mais propensos a fazer uso pesado de álcool, houve uma convergência entre os gêneros em relação aos tipos de problemas avaliados para os padrões de uso pesado e frequente. Portanto, homens e mulheres tipicamente apresentaram a mesma proporção de problemas quando o padrão de consumo pesado do álcool estava instalado. Esses problemas incluem episódios de violência, prejuízo em atividades sociais (ex: faltas no trabalho), acidentes de trânsito, quedas, entre outros.

A ingestão de bebidas alcoólicas entre as mulheres esteve diretamente relacionada a um maior grau de instrução e melhores condições econômicas. Em contrapartida, a escolaridade foi um fator de proteção entre os homens: verificou-se que indivíduos com menores níveis educacionais possuem oito vezes mais chances de apresentar episódios de uso pesado e frequente do que os que possuem ensino superior.


Os autores da pesquisa esclarecem que com a mudança do papel da mulher na sociedade e o direcionamento para uma igualdade entre gêneros - na qual as mulheres estão investindo mais em educação, trabalhando fora de casa, adotando hábitos anteriormente vistos como masculinos e aumentando o consumo de bebidas alcoólicas -, as diferenças em relação às consequências do uso do álcool diminuem. Além disso, o aumento de consumo da bebida pelas mulheres pode estar associado ao estresse da dupla jornada de trabalho diário.

O estudo concluiu que o uso pesado e frequente de álcool está fortemente associado a problemas de diversas ordens e sugere que políticas de prevenção contemplem esse padrão de consumo, independente da idade ou gênero. Além disso, enfatiza a necessidade de desenvolver mais pesquisas - especialmente entre indivíduos que fazem uso pesado de álcool, mas não preenchem critérios para dependência.

DIÁRIO CATARINENSE

Matérias Relacionadas

Segurança

Ciretran vai ampliar atendimento no setor de captação de imagens

A informação é do delegado regional, Fabiano dos Santos Silveira
Ciretran vai ampliar atendimento no setor de captação de imagens
Segurança

Incêndio atinge apartamento no Jaraguá 99

Quando os bombeiros chegaram no local havia muita fumaça, mais já sem focos de incêndio ativo
Incêndio atinge apartamento no Jaraguá 99
Guaramirim

Suspeito de roubo é localizado, reconhecido e preso em Guaramirim

O crime ocorreu na segunda-feira, 28, por volta das 22h30min, momento em que um cidadão de 28 anos retornava do trabalho de bicicleta pela BR 280
Suspeito de roubo é localizado, reconhecido e preso em Guaramirim
Santa Catarina

Santa Catarina tem saldo positivo de 18,3 mil empregos em agosto, melhor resultado do Sul

Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), pesquisa divulgada mensalmente
Santa Catarina tem saldo positivo de 18,3 mil empregos em agosto, melhor resultado do Sul
Ver mais de Geral