Séculus
Dive

Dive não recomenda armadilhas caseiras para combater o Aedes aegypti

24 Fev 2016 - 17h52
Dive não recomenda armadilhas caseiras para combater o Aedes aegypti -
A falta de gerenciamento aquedado dessas armadilhas eleva o risco de disseminação do mosquito. Eliminar os criadouros ainda é a melhor ação a ser executada para combater a proliferação deste vetor.

As armadilhas caseiras que têm sido divulgadas são produzidas com uma infusão líquida utilizando elementos como ração de gato triturada, arroz, grama ou feno, o que faz com que funcionem como um atrativo de cheiro para a fêmea do mosquito. Entretanto, como a fêmea deposita seus ovos em vários recipientes, essa armadilha serve apenas como mais um criadouro.

A fêmea do mosquito deposita seus ovos nas paredes internas dos recipientes que possam acumular água. Ela sobrevive aproximadamente 30 dias e, durante esse tempo, pode depositar 400 ovos em vários lugares diferentes no mesmo ambiente.

Por essa razão, a medida mais eficiente para combater o Aedes aegypti é a eliminação e adequação de todos os possíveis criadouros. Para tanto, é necessária a adoção de uma rotina com medidas simples para evitar recipientes que possam acumular água parada.

Quinze minutos de vistoria semanalmente são suficientes para manter o ambiente limpo. Pratinhos com vasos de planta, lixeiras, baldes, ralos, calhas, garrafas, pneus e até brinquedos podem servir de criadouros para as larvas do mosquito. Outras iniciativas de proteção individual também podem complementar a prevenção das doenças, como o uso de repelentes e inseticidas para o ambiente.

Armadilhas

Já as tradicionais armadilhas, usadas no programa de controle da dengue em Santa Catarina, são importantes ferramentas de monitoramento para os agentes. Os pneus são usados como armadilhas para detectar antecipadamente focos do mosquito, possibilitando o desencadeamento oportuno de ações de visita aos imóveis em um raio de 300 metros, com o intuito de retirar recipientes do ambiente e diminuir o risco de instalação e proliferação do Aedes aegypti no local. Essas armadilhas artificiais são monitoradas de sete em sete dias pelos profissionais que a instalaram.
GNet

Matérias Relacionadas

Geral

Prazo para reformas nos cemitérios termina nesta sexta-feira

A data faz parte do calendário de atividades a serem executadas devido ao feriado do Dia de Finados (2 de novembro)
Prazo para reformas nos cemitérios termina nesta sexta-feira
Geral

Dia Internacional do Idoso terá evento no Parque da Inovação

Ao vivo no Diário da Jaraguá desta sexta-feira (22) a presidente do Conselho, Hildegard Bosshamer, e a assessora técnica, Caroline Bittencourt, comentaram sobre a ação
Dia Internacional do Idoso terá evento no Parque da Inovação
Geral

Assinada ordem de serviço para construção de um ginásio na EMEF Dorvalino Felippi

Obras devem começar nos próximos dias
Assinada ordem de serviço para construção de um ginásio na EMEF Dorvalino Felippi
Geral

Criação do Complexo Multimodal de Guaramirim é aprovado na Câmara

O objetivo do projeto é a instalação de grandes empreendimentos que terão à disposição aeródromo, linha ferroviária, áreas para a construção de aeroporto de cargas e Porto Seco
Criação do Complexo Multimodal de Guaramirim é aprovado na Câmara
Ver mais de Geral