Geral

Detentos da Penitenciária de São Pedro de Alcântara estão marcados para morrer

27 Mai 2011 - 11h07

Pelo menos três perguntas intrigam quem investiga as onze mortes na Penitenciária de São Pedro de Alcântara só neste ano: Que ligação têm esses crimes? Elas foram ordenadas por alguém? Qual o perfil das vítimas?

A Polícia Civil e o Departamento de Administração Penal ainda engatinham nas investigações. Mas algumas possíveis respostas estão nestas páginas. Uma pista pode ser a temida lista com 50 nomes, supostamente criada pelo crime organizado mas nunca encontrada, deixa presos, seus familiares e até agentes prisionais assustados. A própria direção da cadeia transferiu, desde abril, após a quinta morte, 50 detentos. Todos teriam relatado ameaças de morte.

Depoimentos de dois presos que, dizendo-se marcados para morrer, foram transferidos, também reforçam a tese de que os assassinatos não são mero acaso. Teoria confirmada por familiares de dois dos detentos assassinatos. Eles garantem: os presos sabiam que estavam marcados para morrer. A maioria, por dívida de drogas. Ou um gesto de ameaça da facção criminosa, que estaria exigindo o retorno de 21 líderes, transferidos para longe de SC. Outra hipótese para a matança: uma reação ao anunciado e cumprido corte de regalias, como redução do número de televisões e mais rigor na entrada da comida que é levada por familiares dos presos.

Na primeira vez que teve acesso à parte interna da penitenciária, o Diário Catarinense dá detalhes da maneira como os assassinatos se repetem. E mostra também o local onde quase metade dos assassinatos aconteceu.


O inquérito das mortes de Alessandro da Veiga, Fernando Ribeiro, Diógenes Vieira, Fernanda Pinheiro, Edson Onofre e Luiz Fernando de Souza, ainda não foram concluídos pela Polícia Civil. De acordo com o delegado Carlos Passos, de São José, mesmo os concluídos estão sendo analisados para tentar descobrir se há relação entre os crimes.

- A investigação está apurando isso e qual seria a motivação dos registros. Pode ser uma facção, pode ser pontual ou uma forma de revolta - conta Passos.

O problema tem sido a dificuldade na identificação da autoria. Para o delegado, não há como saber se existe, ou não, a relação sem esta definição.

- No homicídio de Luiz Fernando, por exemplo, três presos foram trazidos à delegacia para assumir o crime, mas nenhum foi o autor. Eles não assumiram. Tinham 67 presos no pátio naquele dia. Queremos ouvir todos. A cortina do teatro da penitenciária são os muros e as notícias que sabemos aqui fora. O que queremos descobrir é o que acontece lá dentro.

O diretor da penitenciária, Carlos Alves, diz saber da existência de lideranças nos pavilhões. Estes homens, segundo eles, têm ligação com as mortes dentro da cadeia, e foram isolados. Ele percebe ligação entre os assassinatos. Mesmo que seja a rebeldia pela redução das regalias.

Fonte: DIÁRIO CATARINENSE

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

STJ decide que condomínio pode proibir locação por meio de aplicativo

Decisão vale somente para o caso concreto
STJ decide que condomínio pode proibir locação por meio de aplicativo
Geral

Decreto prorroga auxílio emergencial aos trabalhadores da cultura

Nova norma afasta incertezas sobre benefício da Lei Aldir Blanc
Geral

Número de acessos móveis no Brasil cresce e fecha 2020 com 234 milhões

Número é maior que população porque muitos têm mais de um chip
Número de acessos móveis no Brasil cresce e fecha 2020 com 234 milhões
Geral

Quem vai se vacinar também pode ajudar com um quilo de alimento

Campanha Vacina Ação Solidária inicia nesta terça-feira (6) no Pavilhão A do Parque Municipal de Eventos. Quem for se vacinar, pode levar um quilo de alimento não perecível. Se puder e quiser
Quem vai se vacinar também pode ajudar com um quilo de alimento
Ver mais de Geral