Delivery Much
GERAL

Decreto de Bolsonaro dá acesso a armamento mais potente

09 Mai 2019 - 08h35Por Felipe Resk

Com o decreto do presidente Jair Bolsonaro, armamentos e munições que antes eram restritos a policiais e membros das Forças Armadas agora também podem ser usados ou adquiridos por quem tiver o porte. Entre os itens liberados há pistolas .40, .45 e 9 mm, além de carabina .40 e espingarda de calibre 12.

O texto do decreto altera a regulamentação anterior e modifica critérios técnicos para a classificação de armas como de "uso permitido", "restrito" ou "proibido". Na prática, todas as pessoas que obtenham porte passam a poder ter acesso a armamentos mais potentes.

O regulamento de agora permite aquisição de armas de cano curto, semiautomáticas ou de repetição, que não atinjam energia cinética superior a 1.620 joules. Na regra anterior, o teto de energia do disparo era de 407 joules. O novo limite abarca pistolas e carabinas .40, armas usadas pelas Polícias Militar e Civil, e também munições 9 mm, o calibre utilizado pelo Exército Brasileiro.

Para o coordenador do Instituto Sou da Paz, Bruno Langeani, a medida "inverte a lógica de que o Estado, para exercer controle, deve ter poder de fogo maior". "Hoje, um patrulheiro da PM anda só com uma pistola .40, então você vai poder ter casos em que o cidadão vai estar mais armado que a própria polícia", afirma. "Isso pode ter impacto, até mesmo, para vitimização dos policiais."

Já o senador Major Olímpio (PSL-SP) acredita que a mudança trará mais segurança para os usuários e diminuirá risco de acidentes. "Isso não tira competência das polícias nem capacidade de força", diz.

Segundo o senador, os calibres que foram liberados teriam maior "poder de parada" e seriam menos propensos a perfurações, comparado aos que já eram de uso permitido. "As armas serão usadas para defesa e para rechaçar agressões injustas, com menor risco de atingir outras pessoas."

Críticas

Uma vez classificada como de uso permitido, o limite para compra de cartuchos também sobre de 50 para 5 mil por ano. Especialistas, no entanto, usam pesquisas que apontam a relação entre o número de armas legais com o número de armas ilegais para criticar a medida. "Quanto mais gente acessa, mais o crime vai acessar", afirma Langeani.

"O presidente e os parlamentos não aceitam evidências nem pesquisas que mostram que, onde há mais armas, há mais mortes", diz o coronel da reserva da PM José Vicente Filho, ex-secretário nacional de Segurança Pública. "Em períodos que houve liberação de arma, foi quando a taxa de homicídios cresceu 8% ao ano." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Weg integra grupo que fará doação para nova usina de oxigênio ao Amazonas

O grupo fará uma doação para o programa Unidos Contra a Covid-19 no valor de R$ 1,6 milhão, referente a uma usina de produção de oxigênio, que deverá dar suporte aos hospitais públicos da região
Weg integra grupo que fará doação para nova usina de oxigênio ao Amazonas
Geral

Chuva constante deixa Defesa Civil de Guaramirim em alerta

Foram registrados alguns pontos de alagamentos de vias urbanas, queda de árvore e também pequenos deslizamentos de terra, sem gravidade
Chuva constante deixa Defesa Civil de Guaramirim em alerta
Geral

Jaraguá acumula 207 mm de chuva em 96 horas

Nesta quinta-feira (21), as estações meteorológicas registraram uma precipitação de 41.8 milímetros até as 16h.
Jaraguá acumula 207 mm de chuva em 96 horas
Geral

Chuva não dá trégua e deixa Santa Catarina em estado de atenção

Na região, Defesas Civis Municipais seguem em alerta
Chuva não dá trégua e deixa Santa Catarina em estado de atenção
Ver mais de Geral