Geral

Decisão do STJ de devolver criança a uma família que a adotou ilegalmente causa polêmica no Estado

25 Fev 2012 - 22h26

Foram seis anos de espera para adotar uma criança, que terminou em setembro de 2011, quando a joinvilense de 55 anos soube que seria mãe de uma menina de um ano e três meses. Por 40 dias, ela teve a filha em casa. O convívio foi interrompido por uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que determinou que a criança voltasse para a guarda de outra família, que a adotou ilegalmente. A medida é contestada por quem acompanha os processos de adoção no Estado.

Ao ter o parecer do STJ, a família, que recebeu o bebê recém-nascido da mãe e com ele ficou por mais de nove meses, passou na frente de uma fila de espera de 3,6 mil pessoas, que aguardam, por vias legais, uma criança para adotar. A decisão também contrariou o Tribunal de Justiça de Santa Catarina. A justificativa do relator do processo, Sidnei Beneti, foi a de que "havendo a criança permanecido mais de nove meses com os requerentes (o casal de Joinville que ficou com a menina irregularmente), era evidente a existência de um vínculo afetivo".

Para a juíza da Infância de Gaspar, Ana Paula Amaro da Silveira, que acompanha os processos de adoção há muitos anos, a decisão do STJ foi um descaso e um desrespeito com o cadastro, com a criança e com a lei:

- Burlar o cadastro é o fim. A pessoa entra nele por acreditar nisso, está ali esperando e aposta nisso. Como você se sentiria se alguém passasse na sua frente?

A juíza ainda observa que o cadastro existe para dar segurança e proteção à criança, para que ela não sofra um segundo abandono. Os interessados precisam passar por várias entrevistas com assistente social e psicólogos.

- A mãe que entrega o filho à Justiça não é penalizada e, dessa maneira, a criança será entregue à pessoa que está regularizada - relata.

A advogada Ana Paula Pereira Junkes, da Comissão da Infância e Juventude da OAB Joinville, chama a atenção para um outro problema: quando a Justiça encaminha a criança para adoção, sem antes ter terminado o processo de destituição familiar, como foi feito com a bebê de Joinville, principalmente quando há interesse de outras pessoas em adotá-la.

- Ela não podia ter sido encaminhada para adoção porque havia outras pessoas interessadas em ficar com ela. Isso gera uma insegurança jurídica para a mãe adotiva. O juiz precisa zelar para que isso não aconteça - ressalta.

Para a secretária executiva da Central Estadual Judiciária de Adoção (Ceja) do Estado, Mery-Ann Furtado e Silva, as pessoas são livres para escolher os caminhos para adotar uma criança: a forma legal ou ilegal.

- A adoção legal é feita via cadastro. Ela dá segurança e tranquilidade à criança e à família. A pessoa que entregou para adoção não tem como saber onde a criança está. Existe esse cuidado da Justiça. Quando é por via ilegal, muitas vezes a mãe se arrepende e quer o filho de volta - diz Mery.

Ela ainda observa que a população precisa entender que o perfil de crianças deixadas para adoção mudou.
- As mães não entregam mais bebês. Estamos vivendo outra realidade social. Acabam entregando o filho quando estão mais velhos ou quando a criança é retirada dos pais por negligência, que é um processo demorado - acrescenta.

SC tem 1,6 mil crianças esperando para serem adotadas, destas, 90% estão acima de oito anos. Por outro lado, são 3,6 mil cadastrados, dos quais a maioria quer bebês. Para Mery, é uma relação difícil de compatibilizar.

DIÁRIO CATARINENSE

 

 

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Número de acessos móveis no Brasil cresce e fecha 2020 com 234 milhões

Número é maior que população porque muitos têm mais de um chip
Número de acessos móveis no Brasil cresce e fecha 2020 com 234 milhões
Geral

Quem vai se vacinar também pode ajudar com um quilo de alimento

Campanha Vacina Ação Solidária inicia nesta terça-feira (6) no Pavilhão A do Parque Municipal de Eventos. Quem for se vacinar, pode levar um quilo de alimento não perecível. Se puder e quiser
Quem vai se vacinar também pode ajudar com um quilo de alimento
Saúde

Hemosc necessita de doações de sangue para manter estoques

A doação de sangue está funcionando com horário agendado previamente, que pode ser por telefone ou diretamente no site
Hemosc necessita de doações de sangue para manter estoques
Saúde

Guaramirim inicia campanha para doação de alimentos durante vacinação do coronavírus

A doação é opcional, não sendo obrigatória para quem for receber a vacina
Guaramirim inicia campanha para doação de alimentos durante vacinação do coronavírus
Ver mais de Geral