Delivery Much
GERAL

'De início houve febre, mas venda não avança', diz comerciante de armas

08 Mai 2019 - 09h00Por José Maria Tomazela

Desde que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o governo, as lojas de armas registraram um grande aumento pela procura, mas poucas vendas. "De início houve uma febre e chegamos a registrar um aumento de 195% na procura, mas de pessoas que não tinham um mínimo de informação. Dessas, apenas 4% estavam realmente interessadas e aptas a adquirir uma arma", disse o comerciante Antonio Aramis Carpes Saldanha, dono da Casa do Tiro, em Campo Grande (MS).

A maioria dos interessados, segundo ele, acha que poderia sair da loja levando o revólver ou a espingarda. "Quando explicamos que precisa preencher documentos, passar pelo exame de aptidão e esperar pelo menos 60 dias, a pessoa desiste", disse. Os interessados também se assustam com o preço. As armas mais procuradas são pistolas nacionais, com custo acima de R$ 5 mil, e espingardas de caça, na faixa de R$ 4 mil. "Uma pistola importada custa mais de R$ 9 mil", diz Saldanha.

Na opinião do comerciante, no ramo há nove anos, o decreto que facilita o acesso para caçadores, atiradores e colecionadores, os CACs, não deve alterar de forma significativa a venda de armas. "CACs são uma parcela pequena, de 15% da nossa demanda", disse.

O comerciante Ronaldo Piovesan, com loja aberta há 87 anos em São Carlos (SP), disse que as vendas estão no mesmo patamar de 2018 porque o potencial comprador está sem dinheiro. "O presidente dará uma ajuda efetiva ao setor se reduzir em 50% o imposto sobre as armas." Ele dá o exemplo de uma pistola Taurus, que nos Estados Unidos custa US$ 400 - cerca de R$ 1,6 mil -, mas no Brasil tende a ficar acima de R$ 5 mil.

Cão

No início deste ano, após ter a casa invadida por ladrões, o vendedor autônomo Abílio Netto, de Sorocaba, pensou em comprar uma arma para defesa. "Fui à Polícia Federal e, como eu preenchia os requisitos básicos, fiz os exames técnico e psicológico, mas exigiram o curso de tiro. Quando fui ver o preço, eu precisaria desembolsar R$ 700 por cem disparos. Aí fui ver o preço da pistola e a mais barata custaria R$ 4.980. Resumindo, acabei comprando um cachorro." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Serra do Rio do Rastro está temporariamente interditada para obras de contenção

Serra do Rio do Rastro está temporariamente interditada para obras de contenção
Geral

Obras de arte da duplicação da BR-280 são licitadas

Cinco empreiteiras participaram do processo licitatório, que compreende as obras de arte especiais do trecho - Ponte do Portal, Viaduto do Manne e elevado no bairro Avaí
Obras de arte da duplicação da BR-280 são licitadas
Geral

Idoso de Curitiba que estava desaparecido é encontrado em Rio do Sul 

Silverinho da Silva, 69 anos, dirigia um GM/Prisma e chamou a atenção dos policiais porque estava rodando sem uma das rodas
Idoso de Curitiba que estava desaparecido é encontrado em Rio do Sul 
Geral

Pedágio virtual dos Bombeiros de Jaraguá encerra nesta sexta

Qualquer valor é bem-vindo
Pedágio virtual dos Bombeiros de Jaraguá encerra nesta sexta
Ver mais de Geral