vacina
GERAL

Damares diz que há corrupção na Funai e que vai rever atuação de ONGs

21 Fev 2019 - 15h26Por Teo Cury

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, disse a senadores e deputados nesta quinta-feira, 21, durante sessão na Comissão de Direitos Humanos do Senado, que irá rever a atuação de organizações não-governamentais (ONGs) que atuam com a Fundação Nacional do Índio (Funai). De acordo com ela, há corrupção na Funai e na Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

"A corrupção de fato existe, não só na Sesai como também na Funai. Nós estamos fazendo uma força-tarefa, estamos auditando todos os contratos da Funai, e o ministro da Saúde também está na mesma direção, auditando todos os contratos da Sesai. E aí, senadores e deputados, eu me surpreendo com cada caixinha que eu abro naquela Funai", disse a ministra.

Damares foi convidada pelo senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, a expor ao colegiado a perspectiva atual e para os próximos anos da execução das políticas de direitos humanos do governo.

"Nós vamos rever todos os contratos com ONGs que estão na Funai. E nós vamos ver o que é sério e o que não é sério. Se tiver alguma ONG cometendo alguma irregularidade sairá da Funai. Mas isso não é só na Funai. É uma tendência do governo Bolsonaro rever o contrato com todas as ONGs no Brasil", disse a jornalistas após a sessão.

A ministra ressaltou que há ONGs sérias no Brasil e que a parceria com elas é necessária. "Mas aquelas que não estão fazendo trabalho sério serão afastadas." Damares explicou que o pente-fino na Funai está começando. "São muitos contratos, estamos lendo os processos, fazendo uma avaliação, uma auditoria profunda em todos os contratos de ONGs na Funai e também no próprio ministério."

Segundo Damares, o ministro Luiz Mandetta (Saúde) também está fazendo um pente-fino na secretaria. "Ele está vendo todos os contratos, revendo, e eu acho que logo, logo teremos algumas respostas em relação à Sesai e à Funai", afirmou.

A ministra também disse que é preciso aprimorar as políticas públicas voltadas às comunidades indígenas, que de acordo com ela, não estão chegando a todos os povos. "Vamos precisar entender o que está acontecendo, porque a Funai tem dinheiro, a Sesai tem dinheiro. O orçamento da Sesai passa de R$ 1,4 bilhão por ano e temos índio morrendo de dor de dente no Brasil", disse.

Ela disse ser necessário reavaliar a forma como a saúde de indígenas tendo sido tratada no Brasil.

Damares criticou ainda a política de isolamento dos povos indígenas. "O índio não pode plantar, não pode produzir, não pode ir para a escola. Não, os nossos índios têm direito, acesso à universidade no Brasil e nós vamos continuar lutando por isso."

Matérias Relacionadas

Jaraguá do Sul

Taxa de analfabetismo de Jaraguá do Sul está entre as menores de SC

Segundo o IBGE, apenas 2.100 dos 182 mil jaraguaenses não sabem ler e escrever
Taxa de analfabetismo de Jaraguá do Sul está entre as menores de SC
Santa Catarina

Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia

Implantação do novo sistema comercial teria apresentado instabilidade
Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia
Geral

Classificados da Rádio Jaraguá

Quer vender, comprar ou alugar? Confira as oportunidades disponíveis nessa segunda-feira (20).
Classificados da Rádio Jaraguá
Geral

Alesc fará audiência pública sobre modal ferroviário

Deputado Antídio Lunelli lidera discussões sobre o tema e busca soluções para infraestrutura no estado
Alesc fará audiência pública sobre modal ferroviário
Ver mais de Geral