GERAL

Correção: Curto em ar-condicionado causou fogo que destruiu Museu Nacional

24 Mar 2019 - 16h36Por Fabio Serapião

A nota enviada anteriormente contém uma incorreção no texto: Diferente do informado, o fogo não destruiu o crânio de Luzia. O mais antigo fóssil das Américas foi encontrado nos escombros fragmentado, mas com possibilidade de ser reconstituído. Segue texto corrigido:

Laudo pericial produzido pela Polícia Federal aponta que um curto-circuito causado pelo superaquecimento em um aparelho de ar-condicionado foi a causa do incêndio no Museu Nacional, no Rio, em setembro. O fogo destruiu a maior parte do acervo de 12 mil itens, danificando uma de suas principais peças, o crânio de Luzia. O fóssil, de 12 mil anos, é um dos mais antigos das Américas e mudou as teorias sobre o povoamento do continente. A investigação, até o momento, descarta incêndio criminoso.

O jornal O Estado de S. Paulo teve acesso a trechos do laudo que será um dos elementos que a PF vai levar em consideração para concluir o inquérito aberto sobre o caso. A expectativa é de que o relatório final seja entregue em até duas semanas. Além do laudo, o delegado responsável pela apuração levará em consideração outros tipos de provas colhidas, como depoimentos.

Para investigar os motivos do incêndio, a PF designou peritos de diferentes especialidades, entre eles um especialista em incêndios originários de instalações elétricas, três especialistas em incêndios de grandes proporções, dois peritos treinados para reconstituição em 3D e outros dois profissionais especializados em perícia em "local de crime", treinados para encontrar vestígios.

Os investigadores reconstruíram o local do incêndio em laboratório para interpretar todos os acontecimentos anteriores ao início do fogo e, também, a dinâmica que levou as chamas a destruir todo o prédio.

No caso do museu, ao reconstruir a cena, segundo uma fonte relatou à reportagem, peritos perceberam que um primeiro sinal de fumaça foi visto em uma sala no segundo andar do prédio onde ficava a reprodução do esqueleto do dinossauro Maxakalisaurus topai. A sala onde o esqueleto do réptil era exposto ficava no segundo andar do prédio. Exatamente abaixo dela ficava o auditório onde estava o ar-condicionado apontado pelo laudo como foco do incêndio.

Conclusão
A atuação dos peritos em casos de incêndio em que é aberta uma investigação criminal se baseia no que é estipulado pelo Código de Processo Penal (CPP). De acordo com a legislação, "os peritos verificarão a causa e o lugar em que houver começado, o perigo que dele tiver resultado para a vida ou para o patrimônio alheio, a extensão do dano e o seu valor e as demais circunstâncias que interessarem à elucidação do fato".

Com base nas informações da perícia e nos outros dados coletados ao longo da investigação, o delegado do caso vai decidir se o incêndio poderia ter sido evitado e se há algum responsável pela condições que resultaram no incêndio. Um dos fatos que serão analisados pelo delegado é se houve negligência por parte da administração.

Embora o incêndio não tenha resultado em mortes, os investigadores apuram se o local tinha condições mínimas de segurança, sinalização de rotas de fuga e extintores de incêndio. Fontes informaram ao Estado que até o momento os investigadores não encontraram nenhum indício de que o fogo possa ter origem em um ato criminoso.

De acordo com um envolvido no caso, não foram encontrados no local qualquer produto químico que pudesse ter sido utilizado para dar início as chamas que destruíram o prédio.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Lunelli faz doação para ajudar unidades hospitalares de Guaramirim e Corupá

O repasse foi realizado através do Fundo Solidário e financiou a compra de ultrassom e dez camas hospitalares
Lunelli faz doação para ajudar unidades hospitalares de Guaramirim e Corupá
Geral

Jaraguá do Sul recebeu seis toneladas de alimentos do Condor

A ação, que é viabilizada em parceira com os fornecedores da rede, doa parte da venda dos produtos anunciados no tabloide específico da ação
Jaraguá do Sul recebeu seis toneladas de alimentos do Condor
Geral

Fiscalização quer coibir descarte de materiais na rede de água da chuva em Jaraguá

Com certa frequência a tubulação é obstruída devido ao acúmulo de cimento, areia e diversos materiais utilizados na construção civil, além de gordura vegetal entre outros
Fiscalização quer coibir descarte de materiais na rede de água da chuva em Jaraguá
Segurança

Bombeiros resgatam galinha com filhotes nos escombros de incêndio em Jaraguá

Dez bombeiros trabalharam por mais de duas horas para apagar as chamas e fazer o rescaldo
Bombeiros resgatam galinha com filhotes nos escombros de incêndio em Jaraguá
Ver mais de Geral