Importação

Comitiva catarinense busca abertura de mercados para carne suína na Coreia do Sul

07 Jul 2016 - 16h47
A missão internacional será realizada até o dia 13 de julho e contará com a presença do secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa.

A programação tem início em Madri, na Espanha, no dia 8, onde os integrantes da comitiva participam de encontro na Câmara de Comércio Brasil-Espanha. Em seguida, viajam para a Coreia do Sul, onde participam de audiências em órgãos como Vigilância Sanitária e Ministério da Agricultura daquele país.

“O aumento e a qualificação de nossas exportações fazem parte de um processo essencial para o enfrentamento à crise do mercado interno brasileiro. Precisamos exportar mais e alcançar os mercados que pagam melhor, como é o caso da Coreia do Sul em relação à carne suína. Já abrimos o mercado japonês em 2013 e, agora, estamos muito perto de consolidar mais essa conquista, que vai trazer importantes ganhos para os produtores catarinenses e para toda a cadeia produtiva da suinocultura”, explica o governador Colombo.


O Estado de Santa Catarina é o maior produtor e exportador nacional de carne suína do Brasil. São cerca de dez mil criadores integrados às agroindústrias e independentes, que produzem anualmente cerca de 850 mil toneladas de carne suína. Entre os atuais principais países de destinos da carne suína catarinense, estão Rússia, China, Angola, Cingapura, Chile, Japão, Uruguai e Argentina.

Em janeiro deste ano, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) anunciou que o Governo da Coreia do Sul aprovou a exportação para aquele país da carne suína in natura produzida em Santa Catarina. A autorização contempla exclusivamente Santa Catarina entre todos os estados brasileiros, nos mesmos moldes que a negociação feita com o Japão em 2013.

Diante do status diferenciado de Santa Catarina, os governos japonês e sul-coreano optaram por abrir seus mercados apenas para os produtos catarinenses. Santa Catarina é o único estado brasileiro livre de febre aftosa sem vacinação e também livre de peste suína clássica, com certificados da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Roteiro

Na missão deste mês, o governador Colombo lidera a comitiva catarinense para avançar com as negociações para dar início às exportações. O primeiro encontro será na próxima segunda-feira, 11, em Sejong, a três horas de Seul, na sede do órgão de controle sanitário da Coréia do Sul. Em seguida, a comitiva será recebida pelo diretor-geral do escritório de Cooperação Internacional do Ministério da Agricultura, Kim Duk-ho.

Paralelamente, empresas de Santa Catarina serão visitadas nas próximas semanas por equipes do governo sul-coreano. E em agosto, será a vez do Ministério da Agricultura promover uma missão brasileira até a Coreia do Sul para assinatura oficial do certificado sanitário que autoriza os embarques.

Aumento nas exportações

Segundo dados da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), em 2013, ano de abertura do mercado japonês, a exportação de carne suína catarinense somou 144 mil toneladas, o equivalente a US$ 400 milhões. Em 2014, foram 159 mil toneladas exportadas, que representaram US$ 548 milhões. Em 2015, a quantidade exportada voltou a subir, para 169 mil toneladas, mas o valor apresentou queda, para US$ 412,7 milhões. É para ajudar a aumentar novamente esse valor que ganha importância a abertura de novos mercados como a Coreia do Sul.


Santa Catarina vende em quantidade para a China, por exemplo, mas os chineses compram cortes mais populares. Já o Japão compra em menor quantidade, mas compra cortes nobres, mais caros. E a tendência é de que Coreia do Sul siga na mesma linha do Japão. “A Coreia do Sul é o terceiro maior mercado mundial, atrás apenas do Japão e da Rússia. Eles compram 400 mil toneladas por ano, cortes nobres, com alto valor agregado. E o pagamento em dólar ajudaria muito a aumentar o preço pago ao produtor catarinense”, explica o presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de SC (Cidasc), Enori Barbieri. A retração no mercado interno brasileiro tem afetado o preço pago aos produtores. Em 2013, a média era de R$ 2,59 o quilo pago ao produtor. Em, 2014, subiu para R$ 3,10 e, em 2105, para R$ 3,15. Neste ano, a média até maio está em R$ 2,82. Os dados também são da ACCS.

Viagens internacionais

Esta será a 13ª missão internacional liderada pelo governador Raimundo Colombo desde 2011, sendo a terceira no atual mandato. A comitiva é composta pelo governador Raimundo Colombo; presidente da Assembleia Legislativa, deputado Gelson Merisio; secretário de Assuntos Internacionais (SAI), Carlos Adauto Virmond Vieira; diretor financeiro e de Relações com Investidores, José Carlos Oneda; diretor de Economia Internacional da SAI, Guilherme Marques; diretor de Imprensa, Claudio Thomas; e o ajudante de ordens, tenente-coronel Rogério Vidal.

Apenas da viagem à Coreia do Sul, também participam o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra; o diretor do Sindicato da Indústria de Carnes de Santa Catarina (Sindicarne), Ricardo Gouveia; e o médico veterinário do Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária (Icasa), Diogo Ramôa Ramos.

Matérias Relacionadas

Geral

Junho registra mais de 653 mil pedidos de seguro-desemprego

Resultado representa queda de 32% na comparação com maio
Junho registra mais de 653 mil pedidos de seguro-desemprego
Geral

Cientistas criam filtro de ar capaz de destruir Covid em 99%

O filtro, criado por pesquisadores da Universidade de Houston, nos Estados Unidos, é um tecido feito da espuma de níquel aquecida a 200°C por eletricidade
Cientistas criam filtro de ar capaz de destruir Covid em 99%
Jaraguá do Sul

APAE completa 47 anos em Jaraguá do Sul com o desafio de continuar sendo referência

Por causa do isolamento social a comemoração desse momento importante, será apenas através de postagens nas redes sociais pela internet e em grupos de aplicativos com familiares e usuários
APAE completa 47 anos em Jaraguá do Sul com o desafio de continuar sendo referência
Geral

Receita alerta para retorno de obrigações adiadas na pandemia

Receita alerta para retorno de obrigações adiadas na pandemia
Ver mais de Geral