Mês do Trânsito - Rádio
Geral

CFM vai avaliar posição da ANS sobre cobrança de honorário para acompanhar parto

18 Jan 2013 - 13h51

O Conselho Federal de Medicina (CFM) informou hoje (17) que vai avaliar parecer da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A agência reguladora emitiu ontem (16) posição sobre documento, do próprio conselho, que libera o médico a cobrar honorário para acompanhar parto de gestantes usuárias de planos de saúde.


Em novembro de 2012, o CFM divulgou documento que permite aos obstetras estipular valor específico para acompanhar o trabalho de parto das gestantes. Conforme o conselho, os planos de saúde não asseguram que o parto seja feito pelo mesmo profissional que acompanhou a grávida durante o pré-natal. Com a decisão, a gestante interessada em ser acompanhada pelo médico que fez o pré-natal deverá pagar diretamente a ele um honorário específico. O médico e a paciente devem assinar um acordo.

Segundo o conselho, os contratos firmados entre as operadoras e os profissionais não tratam do acompanhamento presencial do trabalho de parto e o médico que fez o pré-natal não é obrigado a fazer o parto, por isso a cobrança não vai contra a ética profissional. Em nota, o conselho explicou que, firmado o acordo entre o médico e a paciente, o profissional deverá ficar disponível desde as contrações da gestante até a retirada do bebê.

De acordo com a gerente de Regulação Assistencial da ANS, Martha Oliveira,  para o médico cobrar o tal honorário, o profissional terá de alterar o contrato com a operadora. "Hoje, com os contratos em vigor, do jeito que eles estão escritos, redigidos e configurados na saúde suplementar, a aplicação do parecer do CFM na saúde suplementar não pode se dar", frisou. As regras atuais, continuou a gerente, preveem que os planos de saúde devem oferecer cobertura do pré-natal, do acompanhamento do parto e do parto.


"Os contratos devem ser cumpridos, caso haja descumprimento de contrato cabe punição," acrescentou. A gerente esclareceu que se os contratos entre os planos de saúde e os profissionais forem alterados, as usuárias terão de ser informadas sobre o serviço para qual o profissional foi contratado: para fazer apenas pré-natal ou parto e pré-natal.

AGÊNCIA BRASIL

Matérias Relacionadas

Economia

Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo

Indicador está 3,1 pontos abaixo do registrado antes da pandemia
Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo
Geral

Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor

Governo ainda precisa criar Autoridade Nacional de Proteção de Dados
Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
Saúde

Pesquisadores criam tecido para restaurar nervos e ossos lesionados

A descoberta poderá ajudar pessoas que têm dificuldade para realizar atividades do dia a dia e ajudar o corpo delas a se curar sozinho das lesões
Pesquisadores criam tecido para restaurar nervos e ossos lesionados
Geral

Sargento despede-se do 14º Batalhão

Sargento despede-se do 14º Batalhão
Ver mais de Geral