Mês do Trânsito - Rádio
Geral

Casal gaúcho aciona polícia sobre sumiço de bebê há três dias em Florianópolis

13 Fev 2012 - 15h38

Comovida com a cena de um casal carregando um bebê no colo e uma mala sem ter para onde ir, na região do Mercado Público, em Florianópolis, a ambulante Lucilene Costa Varela, 38 anos, jamais imaginou que o ato de abrigá-los se transformaria num pesadelo para ela e a família de desconhecidos.

Lucilene afirma que a criança foi levada de sua casa há três dias e suspeita de rapto, pois a namorada do filho também desapareceu.

O sumiço de Vitória Cristiane da Silva Gonçalves, que tem apenas um mês de vida, foi comunicado no sábado na 6ª Delegacia de Polícia, que cuida de casos envolvendo crianças, adolescentes e mulheres.

Os pais do bebê, o casal gaúcho Adriana da Silva, 26 anos, e Cristiano Gonçalves, 32, fizeram a queixa na polícia.

Eles são de Caxias do Sul, na serra gaúcha. Dizem que chegaram na Capital na quinta-feira e que neste dia ficaram até por volta das 22h no entorno do Mercado Público. Foi ali que conheceram a vendedora ambulante Lucilene Varela, que vende água de côco, refrigerantes e cerveja.

Lucilene conta que se comoveu ao ver o casal com a mala na rua e ofereceu estadia em sua casa, um barraco que fica no alto do morro da Caieira do Saco dos Limões, na Ilha. Na mesma casa de Lucilene moram o filho e a namorada, uma jovem de 19 anos que dizia ser de São Paulo e que também estava abrigada no lugar.

Na sexta-feira, todos foram para o Centro. Os pais e Lucilene contam que, antes do meio-dia, em razão da chuva, a jovem se ofereceu para levar o bebê e cuidá-lo em casa. Segundo eles, foi a última vez que viram a criança. O casal afirma que ao retornar para casa, no começo da noite, não havia ninguém no local.

Ninguém deixou recado ou avisou sobre o paradeiro da jovem com a criança. Lucilene e o casal relatam ter corrido a região e o Centro em busca das duas, mas sem sucesso. Foi, então, que viram que roupas da jovem não estavam mais na casa e que a mamadeira e algumas fraldas tinham sumido.

O namorado disse que conhecia a jovem há três meses, que ela dizia ser de São Paulo e que nunca aparentou ter qualquer problema ou má índole. Lucilene e o namorado ligaram várias vezes para ela, mas ninguém respondia do outro lado da linha. No domingo à tarde, em outras várias tentativas, o telefone dizia impossibilitado de receber chamadas.

- Fui fazer um favor para não deixar ninguém na rua com uma criança e acabou acontecendo tudo isso. Imagino como estou me sentindo - dizia Lucilene em lágrimas e desconfiando de sequestro.

Lucilene também foi à polícia. Desesperada com o sumiço, ela disse que os policiais mandaram voltar na segunda-feira de manhã para que falasse com o delegado. O DC procurou a 6ª DP neste domingo. Os policiais de plantão afirmaram que a investigação seria feita a partir de segunda-feira. No boletim de ocorrência o caso ficou registrado como "fuga de pessoa".

ENTREVISTA: Adriana da Silva, mãe do bebê

A dona de casa Adriana da Silva, 26 anos, saiu de Caxias do Sul (RS) com o marido em busca de emprego em Florianópolis. Um dia depois de chegar à Ilha, acabou ficando também sem a filha, um bebê de um mês, que está sumido. Ela suspeita que a criança tenha sido levada por uma jovem de 19 anos. A seguir, os principais trechos da entrevista ao DC:

Diário Catarinense - O que vieram fazer em Florianópolis?
Adriana da Silva - Viemos para trabalhar. Eu já conhecia aqui. Chegamos quinta de noite. Eu sabia que tinha um lugarzinho bem perto do Mercado para dormir. Daí simplesmente saí com a nenê para arrumar um dinheiro para a gente jantar. Aí conheci ela (Lucilene).

DC - Não ficaram com medo de largar a criança a uma desconhecida de vocês?
Adriana - Como era nora dela (aponta para Lucilene), eu não tive receio.

DC - O que essa jovem lhe falou?
Adriana - A única coisa que ela (a nora de Lucilene) me falava quando tava lá com a gente é que ela tava admirando de mais e falava que tava com saudade da filha dela (moraria com a avó em Uruguaiana, no RS).

DC - Qual o motivo que a senhora desconfia que ela teria para levar a criança?
Adriana - Ela levou. Acho que ela achou parecida com a filha dela. Ela admirava de mais.

DC - Alguma notícia dela nesses dias?
Adriana - Nada, nada, nada. Nunca vimos ela antes. Não pode ser normal quem faz isso. Não quero mal para a guria. Só quero a minha filha de volta, não vou fazer nada.

DC - O que a polícia disse?
Adriana - A polícia me falou que ela já teve problema envolvendo outra criança em Joinville quando era menor de idade.

DC - A senhora comentou que a criança tem uma deficiência física nos pés?
Adriana - Ela tem os pezinhos tortos, preciso dela para fazer fisioterapia e cirurgia. Ela fez um mês ontem. Eu preciso dela. E já falei ao meu marido, se Deus o livre acontecer alguma coisa com a minha filha eu caio na bebida e nas drogas.

DIÁRIO CATARINENSE

Matérias Relacionadas

Economia

Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo

Indicador está 3,1 pontos abaixo do registrado antes da pandemia
Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo
Geral

Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor

Governo ainda precisa criar Autoridade Nacional de Proteção de Dados
Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
Saúde

Pesquisadores criam tecido para restaurar nervos e ossos lesionados

A descoberta poderá ajudar pessoas que têm dificuldade para realizar atividades do dia a dia e ajudar o corpo delas a se curar sozinho das lesões
Pesquisadores criam tecido para restaurar nervos e ossos lesionados
Geral

Sargento despede-se do 14º Batalhão

Sargento despede-se do 14º Batalhão
Ver mais de Geral