Joaçaba Pneus
GERAL

Carnaval 2019: dos anos 80 às décadas futuras

17 Fev 2019 - 11h15Por Juliana Diógenes

Do néon ao metalizado, do retrô ao futurista. No carnaval 2019, cabem muitas décadas: das cores estilo marcador de texto, que reinaram nos anos 1980, às metalizadas - além das técnicas holográficas -, que remetem a um tom tecnológico e moderno das décadas futuras. A paleta de possibilidades expandiu e, nas ruas paulistanas, haverá uma explosão de cores ainda maior do que em folias passadas.

O carnaval também promete ser ainda mais pelado: os bodies já estão dando lugar aos biquínis, tops e croppeds. Na parte de baixo, a novidade são os shorts cintura alta, no estilo retrô. Mas não importa tanto a parte de cima, se é body ou top. O que interessa, dizem as consultoras de imagem e designers de moda, é usar verde-limão, azul berrante, laranja exagerado ou rosa espalhafatoso.

"O tule já está um pouco ultrapassado, mas, se você não quiser deixar de lado a sua saia do ano passado, uma ideia é usar com alguma peça néon para compor o figurino e se manter na tendência", afirma a consultora de imagem Paula Castro.

Na cabeça, apostam especialistas, vão dominar os adereços clássicos de penas e flores, mas também os de conchas e frutas. Tiaras e cabeças já montadas devem conquistar os foliões. Outra opção para o figurino é a viseira. "Os anos 80 voltaram com força, trazendo a viseira, a pochete, o néon", diz Paula.

Dona da marca Transbordô, a designer de moda Raisa Terra, de 31 anos, vê uma tendência sportwear, do visual esportivo, no carnaval. "Vai ser uma mistura de anos 80 com esporte, néon com metalizado. Até a pochete foi ficando mais esportiva. Esses elementos foram incorporados ao carnaval."

Para ela, além de mais esportivo, a tendência do carnaval 2019 é também muito mais multicolor em relação à folia do ano passado.

"Os produtos que estou fazendo mudaram muito e a paleta de cores também. Em 2018 iam bem o unicórnio e o arco-íris e de holográfico, o prata e o ouro. As minhas pochetes tiveram 12 cores no ano passado, e eram cores primárias. Este ano, vou fazer pochetes néon."

Em alta

O crescimento do carnaval de São Paulo impulsionou comerciantes, que embarcaram nas
tendências fashionistas e apostam na qualidade e na criação. "É o terceiro ano em que trabalho firme esta época, mas nunca tinha pensado no carnaval como oportunidade. É o momento em que vendo mais. Antes era o Natal."

Karina Theodoro, gerente da loja Bendita Seja, na região da Rua 25 de março, diz que o estabelecimento percebeu em 2018 o boom do carnaval paulistano e, por isso, vem estudando as tendências. Investiram desde o início do ano em peças com muitas penas, flores e frutas. Foram confeccionadas ainda tiaras com as palavras "plena", "tombei" e "oi, sumido". Os preços vão de R$ 14,90 a R$ 39,90. Há ainda pochetes de glitter, tatuagens e brincos metalizados.

"Foi surreal. O pessoal começou a sair carregado da loja, como se os produtos custassem R$ 1,99, diz Karina. "Vendemos bem para o atacado, principalmente para Recife, Salvador e Fortaleza, onde o carnaval já começou. Com chegada dos blocos em São Paulo, então vamos vender mais para o varejo."

Pochetes

Para carregar celular e dinheiro, a pochete, que voltou com força no carnaval passado, consolidou-se. Básicas, gliterizadas ou holográficas, já pode ser compradas em banquinhas da 25 de março por preços que vão de R$ 25 a R$40. As holográficas nas cores preta e prata são as que esgotam primeiro no comércio ambulante.

Embora tenha adorado a volta do néon, a funcionária pública Dolores Bombonato, de 59 anos, diz que ainda tem restrições em relação à pochete. "O néon adotei, tanto no batom quanto nas fantasias. Mas pochete não sei se vou adotar, acho que marca no corpo."

A empresária Barbara Prado, de 23 anos, procurava brincos em cor metalizada em uma loja na região da 25 de março. "Não gosto muito de glitter, então quero caprichar nos brincos e nas tiaras", aposta. "Também vou usar muito neon, que é a cor deste carnaval."

Máscaras de ator e Bolsonaro entre as mais vendidas

Foi-se o tempo em que o carnaval era dominado por máscaras de pierrot e colombina. Neste ano, o ator Fábio Assunção deve ser a "cara" da vez entre os foliões. Além do artista global, quem for às ruas atrás dos blocos encontrará mascarados com os rostos do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Justiça, Sérgio Moro. As máscaras do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também seguem vendendo bem, dizem comerciantes da Rua 25 de Março.

Nas lojas, fazem sucesso as máscaras de plástico, com o rosto em alto relevo, mais bem acabadas. Já os vendedores ambulantes apostam nos modelos mais simples, feitos em papel.

O ator Fábio Assunção virou máscara de carnaval depois de se tornar meme nas redes sociais no fim de 2018, quando foi flagrado visivelmente alcoolizado. Em anos anteriores, políticos, como o ex-deputado federal Eduardo Cunha e a ex-presidente Dilma Rousseff, viraram máscaras, além do agente da Polícia Federal Newton Ishii, conhecido como "japonês da federal".

Preços na 25 de Março
Máscara do Fábio Assunção: R$ 1,90

Pochetes: R$ 25 a R$ 40

Saia de tule: R$ 20

Cropped néon: R$ 25

Biquini com búzios: R$ 60

Brincos metalizados: R$ 8

Tiaras de cabeça: R$ 14,90 a R$ 39,90

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Geral

Organizadores divulgam Festival de Cinema na Câmara 

O Festival conta com mostras competitivas de várias categorias como curta metragem, longa metragem, tanto em documentário quanto ficcional ou animação.
Saúde

Para conter avanço da covid, áreas coletivas dos parques são interditadas em Jaraguá

Apenas atividades físicas individuais, com uso de máscara, estão permitidas nesse período, sem a permanência nos parques
Para conter avanço da covid, áreas coletivas dos parques são interditadas em Jaraguá
Economia

Programa Juro Zero libera mais de R$ 2 milhões em dois meses

Programa de Microcrédito Municipal atende micro e pequenas empresas, microempreendedores individuais e autônomos
Programa Juro Zero libera mais de R$ 2 milhões em dois meses
Geral

Fiscais interditam estabelecimento por descumprir regra sanitária

A fiscalização terá continuidade nos próximos dias e os estabelecimentos noturnos (restaurantes, lanchonete, bares e similares) que não estiverem adequados, serão penalizados com as interdições
Ver mais de Geral