Mês do Trânsito - Rádio
Geral

Candidatos são enquadrados na Lei da Ficha Limpa e ficam sem registro

17 Ago 2012 - 17h32

O Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina decidiu nesta quarta-feira (15), por unanimidade, manter sentenças da 45ª Zona Eleitoral, que indeferiu o registro do prefeito e candidato à reeleição de São Miguel do Oeste, Nelson Foss da Silva (PT), e da 102ª ZE (Rio do Sul), que negou o registro do candidato a vereador de Laurentino Roberto Carlos Vargas (PSB).   Em ambos os casos, os pedidos foram indeferidos pelo Pleno devido à inelegibilidade dos candidatos, que está prevista no artigo 1°, inciso I, alínea "e", da Lei Complementar nº 64/1990, após modificação pela Lei Complementar nº 135/2010 (Lei da Ficha Limpa). Das duas decisões, disponíveis nos acórdãos nº 26.850 e n° 26.851, cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).   São Miguel do Oeste   O prefeito de São Miguel do Oeste foi condenado pela prática de poluição ao meio ambiente, vedada pelo artigo 54, parágrafo 2º, inciso V, da Lei n° 9.605/1998, sob pena de um ano de reclusão, substituída posteriormente por multa.


Em função disso, a coligação "Unidos por São Miguel" (PMDB / PSD / PSDB / PDT / PSB / DEM / PSC / PCdoB) impugnou o pedido de registro de candidatura, pois o artigo 1° da Lei Complementar n° 64/1990 diz que são ilegíveis para qualquer cargo aqueles que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, desde a condenação até o transcurso do prazo de oito anos após o cumprimento da pena.   Silva argumentou que a causa de inelegibilidade não se aplica ao seu caso, já que o fato de sua pena ter sido substituída por uma multa demonstra se tratar de um crime de menor potencial ofensivo e que a Lei Complementar n° 135/2010 é retroativa e, portanto, inconstitucional.   No entanto, o relator, juiz Julio Schattschneider, afirmou que o crime pelo qual o prefeito foi condenado não é de menor potencial ofensivo.

O magistrado destacou ainda que a Lei da Ficha Limpa não ofende os princípios da irretroatividade neste caso e, de acordo com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), ela vale também para fatos ocorridos antes da sua edição.   Em relação ao apelo negado para incluir o candidato a vice no processo, o relator disse que não há possibilidade de haver prejuízo, pois a coligação pode alterar o postulante que teve registro indeferido no prazo de dez dias a partir da notificação da decisão judicial. O magistrado concluiu citando o artigo 46 da Resolução TSE n° 23.373, o qual prevê que "o candidato cujo registro esteja sob judice poderá efetuar todos os atos relativos à campanha eleitoral, inclusive utilizar o horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão e ter seu nome mantido da urna eletrônica enquanto estiver sob essa condição".  

Laurentino  

O candidato Roberto Carlos Vargas foi condenado por praticar crime contra o patrimônio privado, configurado em estelionato, previsto no artigo 171 do Código Penal, cumulado com o artigo 14. A pena inicial, de oito meses de reclusão, foi substituída por uma restritiva de direito (prestação de serviços à comunidade).   Vargas alegou ao TRESC que esse crime é de menor potencial ofensivo e, por isso, não pode ser considerado inelegível, além de argumentar que o processo transitou em julgado em 19 de abril de 2007, data na qual não existia a Lei da Ficha Limpa.   O relator, o desembargador Eládio Torret Rocha, negou provimento ao recurso, justificando que a decisão transitou em julgado em 2007, estando Vargas inelegível desde a condenação até o transcurso do prazo de oito anos após o cumprimento da pena.   O desembargador ressaltou que o crime de estelionato não pode ser considerado de menor potencial ofensivo porque pode provocar pena de reclusão de até cinco anos e afastou o argumento da irretroatividade da lei, também com fundamento na decisão do STF.

Por Stefany Alves / Rodrigo Brüning Schmitt
Assessoria de Imprensa do TRESC

Matérias Relacionadas

Jaraguá do Sul

Mudança no mapa de risco permite a abertura de parques e a realização de jogos recreativos em Jaraguá do Sul

Decisão do Município foi possível em função da nova classificação que o Estado fez da região Nordeste. Igrejas podem funcionar com 50% da capacidade
Mudança no mapa de risco permite a abertura de parques e a realização de jogos recreativos em Jaraguá do Sul
Política

Realização de debates deve seguir regras estabelecidas pela Justiça Eleitoral

Ressalta-se que os debates realizados durante o período eleitoral devem ser informados com antecedência à Justiça Eleitoral
Realização de debates deve seguir regras estabelecidas pela Justiça Eleitoral
Santa Catarina

Coronavírus em SC: Matriz aponta pela primeira vez Santa Catarina sem regiões em estado gravíssimo

Essa é a melhor condição do estado em relação ao risco de contaminação pelo novo coronavírus desde junho
Coronavírus em SC: Matriz aponta pela primeira vez Santa Catarina sem regiões em estado gravíssimo
Corupá

Kit emergencial da merenda poderá ser retirado entre 29 de setembro e 2 de outubro em Corupá

No mesmo período, a Secretaria de Educação irá entregar os boletins dos estudantes e a nova remessa de atividades escolares também estará disponível para retirada
Kit emergencial da merenda poderá ser retirado entre 29 de setembro e 2 de outubro em Corupá
Ver mais de Geral