Imobiliária Coralli
Geral

Brasil inova ao investir R$ 120 mi para ampliar tratamento e combater infecções oportunistas da Aids

30 Ago 2012 - 16h47

O Ministério da Saúde aplicará R$ 120 milhões para ampliar a distribuição de antirretrovirais a mais 35 mil pessoas portadoras do HIV, mas que ainda não desenvolveram a Aids, além de casais em que apenas um parceiro é soropositivo. O objetivo é evitar as doenças associadas - também chamadas de oportunistas - entre elas a hepatite B, a insuficiência cardiovascular e renal, tumores e a tuberculose, considerada a infecção que causa maior mortalidade entre soropositivos.


"O Brasil será o único país de grande dimensão que ofertará este tipo de tratamento que reduz o risco de infecções oportunistas como a tuberculose, que é a infecção associada que causa maior mortalidade associada ao HIV no País", explica o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

De acordo com a Saúde, a partir de agora a distribuição de antirretrovirais poderá ser ministrada a todos os pacientes soropositivos com contagem de linfócitos CD4 (células de defesa do organismo que indicam o funcionamento do sistema imunológico) menor ou igual a 500 células/mm3, acometidos de coinfecção por hepatite B, doença cardiovascular ou renal atribuída ao HIV e tumores. Até então, o parâmetro para início do tratamento era menor ou igual que 350 células/mm3.

Para o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, as diretrizes estabelecidas pelo ministério servem de referência aos profissionais de saúde, que devem discutir com os pacientes diagnosticados a possibilidade de início precoce do tratamento. "Estamos diante de um desafio de sensibilizar as gerações mais jovens a desenvolverem uma atitude [mais eficiente] para prevenção da Aids", acrescentou o ministro Alexandre Padilha.

Testes em trailers

Além da distribuição de antirretrovirais, o Ministério da Saúde pretende ampliar, até o final do ano, de 2,3 milhões para 3 milhões o número de exames de Aids realizados. Para tanto, vai permitir que estados e municípios utilizem parcelas dos recursos federais destinados ao combate da doença também para a aquisição de trailers aparelhados para fazerem testes rápidos, ampliando, assim, a atual rede de 345 Centros de Testagem e Aconselhamento (CTAs).


Os medicamentos antirretrovirais não matam os vírus, mas evitam o enfraquecimento do sistema imunológico e impedem a multiplicação do HIV, causador da Aids. A conseqüência é o aumento do tempo e da qualidade de vida dos soropositivos.

Desde 1996 o Brasil distribui um coquetel de 21 destes remédios a todos que necessitam do tratamento, um número hoje estimado em 200 mil pessoas, segundo dados do Ministério da Saúde.

Fonte: Portal Planalto

Matérias Relacionadas

Segurança

PM cumpre mandado contra homem acusado por tentativa de homicídio

O acusado que foi levado para o Presídio Regional, acabou sendo capturado na Rua Prefeito José Bauer, bairro Rau em Jaraguá do Sul
PM cumpre mandado contra homem acusado por tentativa de homicídio
Jaraguá do Sul

Seguem em ritmo acelerado as obras de pavimentação na João Januário Ayroso

A via, com 5680 metros de extensão, é também muito utilizada por quem quer visitar o Parque Malwee, um dos pontos turítisticos do Município
Seguem em ritmo acelerado as obras de pavimentação na João Januário Ayroso
Saúde

Governo do Estado de SC distribui medicamentos para intubação a hospitais de todas regiões

O material recebido do Ministério da Saúde irá garantir o atendimento nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs)
Governo do Estado de SC distribui medicamentos para intubação a hospitais de todas regiões
Geral

IPVA 2020: parcelamento em três vezes sem juros termina no dia 10 de agosto

Em Santa Catarina, o tributo varia entre 1% e 2% do valor venal do veículo
IPVA 2020: parcelamento em três vezes sem juros termina no dia 10 de agosto
Ver mais de Geral