Esportes

Jogos de Tóquio: dirigente do COI cita Brasil ao cogitar cancelamento

Coates se referiu a países com dificuldades para controlar a covid-19

22 Mai 2020 - 13h51Por Da Redação
Jogos de Tóquio: dirigente do COI cita Brasil ao cogitar cancelamento - Crédito: Reprodução/Facebook Crédito: Reprodução/Facebook

Um dia após o presidente Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) admitir a possibilidade de cancelamento definitivo dos Jogos Olímpicos de Tóquio (Japão) se não houver controle da pandemia do novo coronavírus (covid-19), hoje (22) foi a vez do vice-presidente da entidade, John Cotes, afirmar que o evento pode deixar de ocorrer, mesmo com a descoberta de uma vacina contra a doença. Em decorrência da pandemia, a Olimpíada foi adiada para julho do ano que vem (de 23 de julho a 8 de agosto).

A declaração do dirigente que também preside o Comitê Olímpico Australiano (AOC, sigla em inglês), foi feita durante debate promovido pelo jornal australiano News Corp. O dirigente mencionou a situação do Brasil para justificar sua opinião.

"O primeiro-ministro [japonês Shinzo] Abe diz que os jogos só podem acontecer em 2021. Não podemos adiar novamente e temos que assumir que não haverá vacina ou, se houver, ela não acontecerá. ser suficiente para compartilhar em todo o mundo. Temos problemas reais porque temos atletas que vêm de 206 países diferentes. Ontem, houve 10.000 novos casos no Brasil. Pouquíssimos países estão tão avançados para lidar com isso [covid-19] quanto a Austrália”.

Até ontem (21), o Brasil registrava mais de 310 mil casos confirmados de covid-19 e mais de 20 mil mortes.  Em todo o mundo, foram registrados mais de cinco milhões de infectados e aproximadamente 334 mil óbitos.

Coates considera o mês de outubro decisivo para os organizadores terem uma ideia de como vão planejar a Olimpíada. “Em outubro deste ano, se houver sinais de que ele [o novo coronavírus] está sendo contido, mas não erradicado, então estaremos começando a trabalhar, e estamos nos preparando para isso agora, para os diferentes cenários nos quais o esporte pode ocorrer".

O dirigente também elencou algumas dúvidas que só poderão ser sanadas nos próximos meses. "Colocamos em quarentena a Vila Olímpica? Todos os atletas quando chegam lá entram em quarentena? Restringimos a presença de espectadores nos locais? Separamos os atletas da zona mista onde a mídia está?. Pode ser uma Olimpíada muito diferente das que estamos acostumados", concluiu.

Fonte:Agência Brasil

 

Matérias Relacionadas

Esportes

Competições esportivas seguem suspensas em Santa Catarina até 5 de julho

Segundo o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, o cenário epidemiológico será levado em conta na hora de decidir pela retomada dos esportes
Competições esportivas seguem suspensas em Santa Catarina até 5 de julho
Esportes

Ex-presidente do Barcelona quer Neymar novamente na Catalunha

Rosell diz que brasileiro é o 2º melhor do mundo, atrás só de Messi
Ex-presidente do Barcelona quer Neymar novamente na Catalunha
Esportes

Corupá tem nova pista de bicicross no bairro Ano Bom

Estrutura foi montada em parceria entre Secretaria de Esporte, Infraestrutura e o grupo Maruins Trails
Corupá tem nova pista de bicicross no bairro Ano Bom
Esportes

Futebol brasileiro pode voltar no final de junho, afirma CBF

Walter Feldman afirma que jogos devem ser com portões fechados
Futebol brasileiro pode voltar no final de junho, afirma CBF
Ver mais de Esportes