ESPORTE

Ferj determina que clássicos Vasco x Flu só ocorram no Maracanã com acordo prévio

18 Fev 2019 - 19h35Por Marcio Dolzan

O imbróglio envolvendo Vasco e Fluminense na final da Taça Guanabara e a confusão ocorrida do lado de fora do Maracanã, que deixou 29 pessoas feridas, no último domingo, fez a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) baixar uma resolução nesta segunda-feira determinando que os próximos jogos entre as equipes só acontecerão no principal estádio carioca "caso haja acordo expresso entre os clubes sobre a ocupação do setor sul ou decisão judicial desportiva". Caso contrário, o clássico terá de ser disputado em outra arena.

Câmara de Vereadores de Jaraguá

A partida do último domingo foi antecedida de briga judicial entre os dois clubes e foi disputada em parte com o Maracanã vazio - os portões só foram abertos aos 30 minutos de jogo. Isso porque vascaínos e tricolores disputaram a ocupação do setor sul do Maracanã.

O Vasco, que tinha o mando de campo, manteve a venda de ingressos para sua torcida na área das arquibancadas que ocupa desde a inauguração do estádio, em 1950. O Fluminense alegava que, por contrato com o Complexo Maracanã, tinha direito a usar o mesmo espaço, fosse ou não o mandante da partida. O clube das Laranjeiras obtivera liminar garantindo a prerrogativa, mas o rival recorreu. Os tricolores então, alegando problemas de segurança, requereram que o clássico fosse com portões fechados.

Procurada pelo Estado nesta segunda-feira, a Ferj condenou a atitude dos dois clubes. Em nota, a federação afirmou que avaliou o imbróglio "como falta de respeito ao torcedor, assim como miopia do negócio". Segundo a entidade, "a pueril disputa por um lado expôs o Campeonato Carioca, a Polícia Militar, a torcida", o que classificou como "fatos inconcebíveis".

A entidade procurou se eximir de qualquer responsabilidade pela confusão. "É importante dizer que desde sexta-feira, a Ferj buscou a conciliação entre as partes. No sábado, com Fluminense, Vasco e Consórcio (Maracanã), algumas propostas foram à mesa. Até que, já com a informação de milhares de ingressos comercializados, ouviu o comandante do BEPE (Batalhão Especializado de Policiamento em Estádios) e o Gaesdest (Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor), através do promotor Marcos Kac. Ambos favoráveis à manutenção da logística, sendo menos arriscada para a segurança e o direito do torcedor", disse a nota. "No domingo, diante da decisão judicial de portões fechados, a Ferj reuniu secretário de esportes, procurador de Justiça, com o governador Wilson Witzel em contato por telefone".

A entidade também lamentou as cenas do lado de fora do estádio, que resultaram em 29 feridos. "Ao longo dos anos, a Ferj tem participado e incentivado campanhas pela paz no futebol, nos estádios. São cenas horrorosas que nos entristecem e mancham. Especificamente para a final da Taça Guanabara, com o imbróglio sobre o lado da arquibancada, alertas foram disparados pelos responsáveis pela segurança do Estado a respeito do risco de, com muitos ingressos vendidos, deixar os portões fechados. Prova de que a avaliação estava correta foi que, com o público no interior do estádio, não foram registradas confusões", considerou.

DENÚNCIA - A procuradoria do Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ) denunciou nesta segunda-feira o Fluminense e o presidente do clube, Pedro Abad, devido à confusão no clássico. O clube foi enquadrado nos artigos 231 e 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) por ter ingressado na Justiça comum antes de esgotadas todas as instâncias na Justiça desportiva e por "conduta contrária à disciplina e à ética desportiva". Já o presidente, nos artigos 258 (conduta contrária à disciplina e à ética) e 243-D, por "incitar publicamente o ódio e a violência".

Na denúncia, a procuradoria pedia a suspensão preventiva do clube e do cartola, por considerar, entre outras coisas, ter "certeza absoluta da autoria" dos fatos. O presidente do TJD-RJ, Marcelo Jucá Barros, acatou a denúncia, mas negou a suspensão preventiva "pois seria hipótese de adiantamento de pena" e por considerar "que medida extrema de tal natureza merece especial cautela com possíveis danos irreparáveis".

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Esportes

Juventus estreia nesta quarta no Campeonato Catarinense

Partida terá transmissão da Rádio Jaraguá, a partir das 20h
Juventus estreia nesta quarta no Campeonato Catarinense
Esportes

Árbitra catarinense apitará Libertadores Feminina

A competição será disputada Na Argentina de 5 a 22 de março.
Árbitra catarinense apitará Libertadores Feminina
Esportes

CBF muda horário do segundo jogo da final da Copa do Brasil

Partida entre Palmeiras e Grêmio será às 18h (horário de Brasília)
CBF muda horário do segundo jogo da final da Copa do Brasil
Saúde

Cirurgias eletivas são suspensas por 20 dias em SC

Não estão suspensas as urgências e as emergências e nem os procedimentos tempo-sensíveis - aqueles em que a vida do paciente pode estar em risco
Cirurgias eletivas são suspensas por 20 dias em SC
Ver mais de Esportes