ECONOMIA

Waldir: 'Teremos nome para relatoria na CCJ quando governo explicar reforma'

21 Mar 2019 - 19h31Por Mariana Haubert e Camila Turtelli

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), creditou o adiamento da indicação de um relator para a reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) à análise de que o projeto da reestruturação da carreira dos militares deu tratamento diferenciado à categoria.

"Ao ver o texto dos militares e as diferenças contidas ali, pedi o adiamento do relator na CCJ. O governo nos mandou um abacaxi e não temos como descascá-lo com os dentes. É preciso nos dar a faca", disse.

O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), havia dito que poderia indicar o relator nesta quinta-feira, 21, mas, pela manhã, o partido anunciou que aguardaria uma explicação do Ministério da Economia sobre a reforma e a reestruturação das Forças Armadas.

Waldir também reclamou que nenhum representante do governo procurou os líderes partidários para discutir a proposta antes de entregá-la oficialmente ao Congresso. "Só teremos um nome para a relatoria na CCJ quando o governo explicar a reforma da Previdência. E não sou eu que tenho que procurar o governo, eles é que precisam nos procurar", disse. O deputado afirmou ainda que seu gabinete está aberto a qualquer hora para discutir o texto com os emissários do governo.

Como um recado ao Palácio do Planalto, o líder do partido do presidente Jair Bolsonaro frisou também que o Congresso é independente em relação ao governo e, por isso, pode tomar as suas próprias decisões. Ele pediu para que o governo altere o texto dos militares ou deixe a Câmara alterá-lo, desde que assuma ter privilegiado uma categoria.

Guedes

Segundo Waldir, o convite para que o ministro da Economia Paulo Guedes explique a reforma da Previdência e o projeto de lei sobre a aposentadoria e a reestruturação da carreira dos militares na CCJ pode não ser suficiente para apaziguar os ânimos dos parlamentares, que ficaram irritados com o fato de o governo ter dado tratamento diferenciado para a categoria.

Para ele, Guedes e a equipe econômica precisavam ter um diálogo mais próximo principalmente com os líderes partidários que irão orientar suas bancadas em relação ao apoio para as reformas. "Não sei se a vinda de Guedes na CCJ será suficiente. Ele precisa conversar com os líderes também", disse. O PSL é a maior bancada da Casa, juntamente com o PT. Cada um tem 54 deputados.

Na semana passada, o líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), apresentou um requerimento de convocação do ministro mas os governistas atuaram para amenizar a situação transformando-o em um convite. Guedes irá na próxima terça-feira, 26, à comissão.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março

Medida terá validade por 15 dias
Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março
Saúde

Com novo decreto, Prefeitura de Jaraguá detalha restrições

O Governo do Estado publicou o Decreto 1.172 nesta sexta-feira (26) suspendendo o funcionamento de serviços não essenciais das 23h desta sexta-feira (26) até às 6h de segunda-feira (1º)
Com novo decreto, Prefeitura de Jaraguá detalha restrições
Saúde

Governo decreta fechamento de atividades não essenciais no fim de semana em SC

A decisão é mais uma medida do Executivo estadual para reforçar o enfrentamento ao coronavírus em um momento de agravamento da situação sanitária em Santa Catarina
Governo decreta fechamento de atividades não essenciais no fim de semana em SC
Economia

Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaraguá do Sul inova com lançamento do CDL BOX

Além de beneficiar clientes e lojistas, a ferramenta ainda servirá para ajudar instituições jaraguaenses cadastradas.
Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaraguá do Sul inova com lançamento do CDL BOX
Ver mais de Economia