dengue
Economia

Vendas no varejo de material de construção crescem 7% em outubro

Otimismo do setor subiu de 41% para 68% após eleição de Jair Bolsonaro para a presidência da República

06 Nov 2018 - 12h00

O varejo de material de construção cresceu 7% no mês de outubro, na comparação com setembro. Com relação ao mesmo período do ano passado, o setor manteve-se estável. Já no acumulado do ano, o segmento apresenta alta de 5,5% sobre o mesmo período de 2017. Nos últimos 12 meses, há crescimento de 7%.

Os dados são da Pesquisa Tracking mensal da Anamaco, que entrevistou 530 lojistas entre os dias 24 a 30 de outubro.  Segundo o levantamento, quase todas as regiões do País apresentaram crescimento, com destaque para o Centro-Oeste (18%) e Sul (17%). Norte e Sudeste cresceram 8% e 6%, respectivamente, enquanto o Nordeste apresentou queda de 5%.

Segundo o presidente da Anamaco, Cláudio Conz, o aumento de vendas já era esperado no mês e foi influenciado pelo otimismo do mercado financeiro com relação às eleições. “Em períodos de decisão, como as eleições de outubro, as pessoas tendem a segurar os gastos até que os rumos da economia estejam mais definidos, mas havia um sentimento de otimismo muito grande por parte do mercado financeiro com a provável, e agora confirmada, eleição do candidato Jair Bolsonaro. Tivemos queda do dólar de mais de 7% no mês e alta de mais de 6% na Ibovespa, principal indicador da bolsa paulista. Esse otimismo refletiu nas lojas, as pessoas voltaram a comprar e a planejar gastos com a casa”, explica.

O levantamento da Anamaco apontou que o setor de tintas foi o que mais cresceu no mês (10%), seguido de telhas de fibrocimento (5%). Revestimentos cerâmicos, por sua vez, tiveram retração de 5%.

Para Conz, a previsão para os próximos meses é ainda mais otimista. “A implementação de uma agenda liberal tem agradado não só o mercado financeiro, como dado novo ânimo ao nosso setor. Cerca de 47% dos entrevistados pretendem realizar novos investimentos nos próximos 12 meses e o otimismo do setor com as ações do Governo Federal subiu de 41% para 68% após a eleição. Parte da pesquisa foi feita já após a confirmação de quem seria o nosso novo presidente, por isso acreditamos que o momento atual é de retomada”, completa.

Entre os entrevistados, 61% acreditam que terão um desempenho de vendas ainda melhor em novembro. “Buscamos o diálogo com os dois candidatos à Presidência no segundo turno e ambos enfatizaram as questões de investimento em habitação e infraestrutura. Temos certeza de que a eleição do candidato Jair Bolsonaro vai influenciar positivamente o crescimento da economia, diminuindo a taxa de desemprego e impactando o nosso setor diretamente”, finaliza Conz, que prevê um crescimento de 6,5% para o setor até dezembro, na comparação com 2017.

Realizada pelo Instituto de Pesquisas da Anamaco, a Pesquisa Tracking Anamaco tem o apoio da Anfacer, Abrafati e Instituto Crisotila Brasil

Matérias Relacionadas

Trânsito

Detran possibilitará emissão gratuita da carteira de habilitação, em Santa Catarina

Programa CNH Emprego na Pista deve beneficiar pessoas em situação de vulnerabilidade econômica e social
Detran possibilitará emissão gratuita da carteira de habilitação, em Santa Catarina
Economia

Boletim Agropecuário da Epagri aponta valorização de 13% no preço do arroz em Santa Catarina

Com 100% da safra colhida, produto teve aumento em função da enchente prolongada no Rio Grande do Sul
Boletim Agropecuário da Epagri aponta valorização de 13% no preço do arroz em Santa Catarina
Economia

Anatel adota medidas contra venda de celulares não homologados em plataformas de comércio eletrônico

Medida fortalece a regulamentação da ativação do chip FM em celulares homologados no Brasil
Anatel adota medidas contra venda de celulares não homologados em plataformas de comércio eletrônico
Economia

Em 2023, população brasileira ocupada passou dos 100 milhões

De acordo com o IBGE, 37% deles tinham carteira assinada
Em 2023, população brasileira ocupada passou dos 100 milhões
Ver mais de Economia