Delivery Much
ECONOMIA

Vale continua bem vista por analistas após resultados do primeiro trimestre

11 Mai 2019 - 11h15Por Renato Carvalho

Os analistas mantêm uma visão positiva sobre a Vale, mesmo após a companhia ter registrado seu primeiro Ebitda (resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização) negativo da história no primeiro trimestre deste ano. Eles destacam principalmente o bom desempenho operacional, mesmo com os efeitos do rompimento da barragem em Brumadinho (MG), e o aumento no preço do minério de ferro.

Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, lembra que a cotação do minério nos mercados internacionais estava em US$ 65/tonelada antes do incidente em Brumadinho, e passou para US$ 95/tonelada no fechamento do primeiro trimestre. "Com diferentes cálculos sobre o desastre, a Vale acabou contabilizando perdas em despesas operacionais e não operacionais, contaminando os números a partir do saldo Ebitda", explica.

"Seguimos com recomendação de Compra para as ações ON da Vale, deixando claro que os efeitos do acidente irão contaminar a linha final do balanço no ano, mas o resultado operacional ainda virá muito forte", completa Galdi. A ação inclusive foi mantida na carteira de recomendações da Mirae para a próxima semana.

A Coinvalores também manteve a recomendação de compra para a Vale, mas fez ressalvas. Segundo a analista Sabrina Cassiano, os números do primeiro trimestre foram fracos não só pelas provisões para fazer frente a prováveis despesas com Brumadinho, mas também pela queda no volume de vendas e aumento no custo caixa de produção.

"O cenário segue bastante nebuloso, com muitas dúvidas a respeito da retomada de determinadas minas e de novos desdobramentos da tragédia de Brumadinho. Seguimos com recomendação de compra para investidores que visem retorno de longo prazo e de perfil arrojado", afirma.

O Banco do Brasil Investimentos (BB-BI) foi outro que não alterou sua recomendação para a Vale, de outperform (desempenho acima da média de mercado), mas a analista Gabriela Cortez avisa que haverá ajustes no modelo de análise com a inclusão dos reais impactos divulgados no primeiro trimestre. Ela afirma que os vários efeitos financeiros não-recorrentes dificultam a comparação com outros períodos, mas no quesito operacional, a Vale conseguiu manter a participação de produtos premium em 81% do portfólio, mas os prêmios pagos pelos finos de minério caíram.

Foram poucas as alterações feitas nas carteiras recomendadas em relação à primeira semana do mês. Duas corretoras trocaram todas as ações. Na Modalmais, saíram Suzano ON, BB Seguridade ON, Embraer ON, Minerva ON e Ambev ON, e entraram Ser Educacional ON, Engie ON, MRV ON, Hypera ON e CTEEP PN.

Na carteira da Nova Futura saíram BRMalls ON, Light ON, Qualicorp ON, RD ON e Via Varejo ON, e entraram Alpargatas PN, Camil ON, Kroton ON, Klabin Unit, e AES Tietê Unit.

A Mirae promoveu duas trocas. Saíram B3 ON e GPA PN, com as entradas de Cemig PN e Itaúsa PN. A Coinvalores fez uma alteração, retirando GPA PN e incluindo Ser Educacional ON.

A XP Investimentos retirou GPA PN e incluiu Lojas Renner ON. Segundo a corretora, a varejista de moda apresentou fortes resultados no primeiro trimestre deste ano, mesmo com a recuperação mais lenta da economia.

Mercado mais cauteloso

O mercado financeiro está mais cauteloso em relação ao desempenho do Ibovespa na próxima semana. Num universo de 31 participantes, o Termômetro Broadcast Bolsa mostra redução de quase 13 pontos porcentuais na expectativa de alta para o índice ante o levantamento anterior, ao passar de 54,84% para 41,94%.

O Termômetro tem por objetivo captar o sentimento de operadores, analistas e gestores para o comportamento do Ibovespa na semana seguinte. Nas últimas semanas, a perspectiva de ganho vinha acima de 50%. Em contrapartida, a fatia dos que veem baixa subiu de 16,13% para 25,81%. Os que esperam estabilidade representam 32,26% do total, ante 29,03% na última pesquisa. O principal índice da B3 caiu 1,82% nesta semana.

A agenda doméstica é pesada de eventos e indicadores com potencial para mexer com os preços dos ativos. No Brasil, o destaque é ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na terça-feira (14). A grande expectativa pelo documento se dá depois da leitura feita pelo mercado do comunicado da decisão de manter a Selic em 6,5%. "A ata deverá corroborar a visão de que há espaço para algum corte de juros à frente, apesar do tom de cautela que tem sido repetido nos últimos meses", afirmaram os economistas do Bradesco.

No exterior, a evolução das negociações do acordo comercial entre Estados Unidos e China será importante para determinar o humor dos investidores. Entre os indicadores, haverá divulgação do dado da produção industrial da China em abril. Na Europa, saem números preliminares do PIB da Alemanha e da zona do euro no primeiro trimestre.

Na sequência da temporada de balanços corporativos, serão conhecidos os resultados de Eletrobrás, Cosan, JBS, Sabesp, Embraer e Cemig, entre outras companhias também com ações na carteira do Ibovespa.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Guias do IPTU 2021 de Jaraguá devem ser enviadas pelo correio até 10 de fevereiro

Guias do IPTU 2021 de Jaraguá devem ser enviadas pelo correio até 10 de fevereiro
Geral

Santa Catarina exigirá rastreabilidade do leite para dar mais segurança ao consumidor

Na prática, os estabelecimentos que recebem leite ou processam leite cru refrigerado terão que rastrear toda a matéria-prima e solicitar os exames de brucelose e tuberculose dos bovinos de seus fornecedores
Santa Catarina exigirá rastreabilidade do leite para dar mais segurança ao consumidor
Geral

IPVA 2021: prazo para pagamento em cota única termina no dia 1º de fevereiro

O prazo para pagamento em três vezes sem juros terminou no último dia 10
Economia

Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena

Os números sorteados neste sábado foram 02, 09, 34, 49, 51, 55
Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena
Ver mais de Economia