Joaçaba Pneus
ECONOMIA

Tentativa de retomada externa alivia Ibovespa, mas Petrobras pode pesar

18 Dez 2018 - 10h25Por Maria Regina Silva

A tentativa de recuperação das bolsas no exterior ampara o Ibovespa na manhã desta terça-feira, 18, depois de encerrar em baixa de 1,20%, aos 86.399,68 pontos na segunda-feira. Contudo, esse movimento lá fora não parece tão sólido, já que ainda pairam sobre os mercados dúvidas com relação a um desaquecimento mundial nos próximos meses, enquanto esperam a decisão de política monetária dos EUA na quarta-feira. Às 11h04, o Ibovespa subia 0,45%, aos 86.792,36 pontos.

Um exemplo firme dessa incerteza pode ser notada no comportamentos dos preços do petróleo, que operam em forte baixa na manhã desta terça-feira, atingindo mínimas em 14 meses. Há dúvidas persistentes sobre a capacidade de a Opep de cumprir o plano de cortar sua produção em 1,2 milhão de barris por dia a partir do ano que vem.

"Não há motivo para retomada da Bolsa. Há muita incerteza em relação à economia mundial. Ontem, até que o Ibovespa foi bem em relação a seus pares. Porém, hoje o petróleo tem queda forte, e isso deve segurar as ações da Petrobras, apesar da alta do Ibovespa futuro", descreve um operador.

As ações da estatal brasileira encerraram no negativo na véspera e amargam perdas de 10,17% este mês, mas ganhos de 43% em 2018. Nesta terça, recuam mais de 1,00%. "Se acontecer um rali de fim de ano, até pode ser que a Bolsa ganhe ímpeto, mas acho difícil. Deve ficar nesse sobe-e-desce", estima a fonte.

Na segunda-feira, o índice Dow Jones fechou com recuo de 2,11% e, nesta manhã, indica abertura em leve alta, assim como o S&P e o Nasdaq. Já na Europa, os sinais das bolsas são mistos.

Em meio aos sinais de perda de ímpeto da economia mundial e a despeito da expectativa de alta do juro nos EUA nesta quarta, os investidores esperam do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) algum sinal sobre o rumo das taxas por lá.

"Há um possível foco de alívio no horizonte, que seria a indicação pelo Fed de maior comedimento no ajuste monetário em 2019. É muito provável uma nova elevação dos juros, mas o comunicado e as projeções dos dirigentes devem alimentar as apostas de proximidade do fim do ciclo de aperto", avalia, em nota, o economista Silvio Campos Neto, da Tendências Consultoria Integrada.

Essa sinalização, diz, poderia aliviar eventuais preocupações com a dinâmica dos EUA. Ele lembra que esta semana também traz um componente potencialmente negativo, com a possibilidade de "shutdown" de partes do governo norte-americano na sexta, caso não seja alcançado um acordo entre o presidente americano, Donald Trump, e o Congresso nas discussões orçamentárias, avalia Campos Neto. "Neste quadro, apenas um sinal claramente 'dovish' do Fed poderia trazer um novo ânimo."

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Sicredi fortalece o compromisso com a agricultura familiar em SC

Atuação do Sicredi junto a agricultura familiar e em toda a cadeia produtiva do agronegócio fomenta o desenvolvimento econômico.
Sicredi fortalece o compromisso com a agricultura familiar em SC
Economia

Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota

Cerca de 450 pessoas trabalham na unidade
Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota
Economia

Isto é Dinheiro destaca Jaraguá do Sul como modelo para o Brasil

Revista de circulação nacional conta como a cidade se tornou referência em empreendedorismo ao unir iniciativa privada e setor público
Isto é Dinheiro destaca Jaraguá do Sul como modelo para o Brasil
Economia

Para FIESC, reforma da previdência estadual é oportuna, necessária e urgente

Segundo o governo do estado, a previdência estadual tem um déficit financeiro total de R$ 4,8 bilhões anuais, considerando servidores civis e militares.
Para FIESC, reforma da previdência estadual é oportuna, necessária e urgente
Ver mais de Economia