ECONOMIA

Temor com efeito de crise política e piora externa prejudicam Ibovespa

22 Mar 2019 - 12h13Por Maria Regina Silva

Se já não bastasse o ambiente doméstico desfavorável por preocupações no âmbito político, o cenário externo ruim deve conduzir o Ibovespa a mais uma dia de perdas, dando sequência ao recuo da véspera, de 1,34%, aos 96.729,08 pontos. Na abertura desta sexta-feira, 22, o principal índice da B3 já perdia os 95 mil pontos e, logo depois, cedeu para a marca dos 94 mil pontos.

Às 10h24, o Ibovespa caia 1,89%, aos 94.900, 44 pontos.

Dentre as cerca de 60 ações componentes do índice, apenas Vale ON (0,65%) e Suzano Papel ON (2,59%) subiam.

"Tudo indica o dia será negativo. O externo está caindo bem. Acredito que hoje será difícil não fazer essa correlação, de o mercado doméstico não acompanhar o internacional", afirma o analista-chefe da Necton Investimentos, Glauco Legat, lembrando ainda das questões domésticas como fator a empurrar o Ibovespa para baixo.

A crise política instalada após as prisões do ex-presidente Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco, e que coloca dúvidas quanto ao avanço da tramitação da proposta de reforma da Previdência, deve azedar os negócios por aqui. Além disso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ameaça deixar a articulação política da reforma previdenciária.

Diante do noticiário atual, Legat considera não haver clima para que se avance neste momento nas negociações sobre a reforma previdenciária. "O movimento de ontem mostra que existe um guerra de conflito entre as duas partes Legislativo e Judiciário. Está faltando clima", afirma, ponderando contudo que ainda acredita na possibilidade de aprovação da reforma da Previdência.

Para completar, acrescenta Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença DTVM, o presidente da Comissão de Cidadania, Constituição e Justiça (CCJ), Felipe Francischini (PSL-PR) ainda não indicou quem será o relator da reforma, alegando falta de clima. "O grande problema é que ninguém parece disposto a assumir essa responsabilidade", afirma.

Como ressalta a MCM Consultores em nova, avaliações mais aprofundadas sobre os efeitos políticos das prisões são prematuras. No entanto, avalia que há elementos que sugerem que o evento tende a ampliar a confusão na arena política e, consequentemente, o grau de incerteza.

E essa desconfiança tende a atrapalhar ainda mais neste momento de atividade enfraquecida no Brasil, cujas expectativas para o crescimento estão sendo cada vez mais reduzidas. Aliás, este tema de expansão econômica volta a ganhar destaque no exterior.

Após a Alemanha informar que um índice de atividade do setor industrial e de serviços caiu ao menor nível em 69 meses, reavivou preocupações com a saúde da economia global. O resultado levou o juro do Bund alemão de 10 anos a ficar negativo hoje pela primeira vez desde outubro de 2016.

As bolsas na Europa e os índices futuros em Nova York cedem a queda das commodities, em especial do petróleo. Diante dessa aversão ao risco, investidores procuram por ativos considerados de maior confiança como o dólar, fazendo com que a moeda se fortaleça. "O externo está ruim, o petróleo cai fortemente. Não tem como o Ibovespa escapar", reforça Monteiro Renascença DTVM.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaraguá do Sul inova com lançamento do CDL BOX

Além de beneficiar clientes e lojistas, a ferramenta ainda servirá para ajudar instituições jaraguaenses cadastradas.
Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaraguá do Sul inova com lançamento do CDL BOX
Economia

Geo Portal, da Prefeitura de Jaraguá, alcança mais de 600 consultas diárias

Serviço busca expandir informações geográficas do município de forma simples e rápida
Geo Portal, da Prefeitura de Jaraguá, alcança mais de 600 consultas diárias
Economia

Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões

No ano, o lucro chegou a R$ 2,340 bilhões, avanço de 45% ante o ano anterior
Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões
Economia

Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central

Medida prevê mandatos para dirigentes do órgão
Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central
Ver mais de Economia