Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Taxas de juros seguem em baixa com Previdência no foco e exterior positivo

13 Mar 2019 - 11h14Por Luciana Antonello Xavier

São Paulo, 13 - A expectativa positiva com a tramitação da reforma da Previdência e o fraco resultado da produção industrial brasileira em janeiro, além do exterior mais calmo, colocam os juros futuros em baixa nesta quarta-feira, 13, segundo operadores. Na terça-feira, 12, as taxas futuras já haviam recuado.

A produção industrial caiu 0,8% em janeiro de 2019 ante dezembro de 2018, acima da mediana das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que era negativa em 0,27%.

A instalação da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados para discutir a reforma da Previdência, prevista para ocorrer à noite, concentra as atenções do mercado de juros. Ainda na agenda do dia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, se reúne com líderes da Câmara para conversar sobre Previdência. E o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, receberá o cargo de Ilan Goldfajn na sede do Banco Central, em cerimônia com a presença de Guedes (15h).

O pano de fundo é de otimismo com a tramitação da proposta que colocou nesta terça as taxas em baixa mesmo com o IPCA de fevereiro acima do teto das projeções. O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), afirmou na terça, porém, que os líderes partidários acertaram só votar a reforma na Comissão de Constituição e Justiça quando o texto da proposta de aposentadoria para os militares chegar ao Congresso, o que deve ocorrer no próximo dia 20.

Também nesta terça Guedes disse que irá trabalhar para que, enquanto a reforma está na Câmara, o Senado debata proposta para tirar as vinculações de receitas do Orçamento da União. Mas o senador Major Olímpio (PSL-SP) discorda e avisou que a Casa irá tratar de temas ligados ao combate à corrupção e segurança pública.

Mesmo após o IPCA ter mostrado alta de 0,43% em fevereiro, acima do teto das estimativas, que iam de alta de 0,26% a 0,42%, o mercado seguiu precificando um cenário de política monetária mais "dovish".

Às 9h41 desta quarta, o DI para janeiro de 2020 exibia 6,365%, de 6,415% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2021 estava em 6,940%, de 7,020%, enquanto o vencimento para janeiro de 2023 marcava 8,030%, de 8,090% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2025 estava em 8,55%, de 8,61% no ajuste desta terça.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo

Ferramenta diminui comparecimento às agências
Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo
Geral

Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim

Todas as pessoas físicas podem fazer doações de recursos financeiros aos Fundos Municipais
Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim
Economia

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

Álcool acumula aumento de 21% desde janeiro
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
Economia

Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro

Setor teve expansão de 0,8% na média móvel trimestral
Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro
Ver mais de Economia