ECONOMIA

Se Congresso autorizar, Tesouro pode emitir até R$ 250 bi para regra de ouro

27 Fev 2019 - 18h08Por Idiana Tomazelli e Eduardo Rodrigues

Com uma insuficiência menor para a regra de ouro em 2019, o governo federal poderá usar parte que sobrar do crédito suplementar previsto para este ano para cobrir o rombo na norma constitucional em 2020, explicou nesta quarta-feira o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira. Ele ressaltou, porém, que isso depende ainda de autorização do Congresso Nacional ao crédito de cerca de R$ 250 bilhões e da opção do Tesouro em emitir esse valor em títulos da dívida.

A regra de ouro impede a emissão de dívidas para pagar despesas correntes, como salários. O Orçamento de 2019 foi elaborado com a previsão de que um crédito suplementar próximo a R$ 250 bilhões será aprovado por maioria absoluta do Congresso para autorizar, de forma excepcional, a emissão de títulos para bancar esses gastos vedados pela regra geral.

Hoje a insuficiência prevista para 2019 é prevista em R$ 93,9 bilhões. Mesmo assim, o crédito aprovado precisará ser de R$ 250 bilhões.

Na prática, o governo terá autorização para emitir este ano um volume maior de dívida do que o necessário para cobrir a regra de ouro. O Tesouro terá, então, a opção de emitir os papeis desde já e guardar o "excesso" para 2020, reduzindo a necessidade de nova autorização de um crédito bilionário também no ano que vem.

No cenário atual, R$ 156,1 bilhões ficariam de saldo para o ano que vem, diante de uma insuficiência projetada em R$ 307,3 bilhões.

Ladeira ressaltou que essa será uma opção a ser avaliada pelo Tesouro, caso a autorização seja aprovada pelo Congresso.

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, destacou que o crédito precisará ser enviado e aprovado pelo Congresso Nacional até junho para evitar qualquer dificuldade na execução das despesas que ficaram condicionadas a essa medida, como benefícios assistenciais e previdenciários. Ele disse também que o governo segue disposto a mudar a regra de ouro para dar ao governo federal instrumentos de ajuste da norma ainda durante o exercício.

Segundo Mansueto, uma opção é trabalhar o texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) apresentada pelo deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), que prevê uma série de medidas de contenção de despesas à medida que os limites da regra de ouro chegam perto de ser violados.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado

Apostas podem ser feitas até as 19h
Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado
Economia

WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais

Com uma nova fábrica de Eletrocentros em Betim, companhia pretende fortalecer sua posição em um dos mais importantes mercados de equipamentos elétricos industriais e para geração de energia do país
WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais
Economia

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Litro do diesel passará a custar R$ 2,76, e o da gasolina, R$ 2,64
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
Economia

Seifert Óptica e Joalheria completa 35 anos em Jaraguá do Sul

Para falar um pouco sobre a trajetória da empresa, Guido e Gabriel Seifert participaram ao vivo do Diário da Jaraguá desta sexta-feira (16)

Seifert Óptica e Joalheria completa 35 anos em Jaraguá do Sul
Ver mais de Economia