Joaçaba Pneus
ECONOMIA

Rogério Marinho volta a defender que reforma da Previdência ataca privilégios

21 Fev 2019 - 13h25Por Gregory Prudenciano

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, usou sua conta no Twitter para defender a reforma da Previdência. "Na #NovaPrevidência, todos vão contribuir. O rico vai se aposentar na mesma idade do pobre. E quem ganha menos pagará menos", escreveu o secretário.

Marinho tem enfatizado que a reforma tem um caráter mais justo que o sistema atual, por propor regras iguais para funcionários públicos, privados e também políticos.

Mais cedo, em entrevista à rádio CBN, criticou "corporações" que se opõem ao projeto apresentado pelo governo nesta quarta-feira, 20, ao Congresso.

"As corporações constroem narrativas para preservar o status quo atual. A quem interessa a manutenção dessa estrutura onde poucos ganham tanto e tantos ganham tão pouco? A nova Previdência demonstra de forma cabal o que são esses privilégios e ataca no cerne esse processo", defendeu Marinho.

Ainda no Twitter, o secretário voltou a ressaltar que "as novas regras impactarão a camada privilegiada, que ganha mais e se aposenta mais cedo".

Matérias Relacionadas

Economia

Rede catarinense Havan inaugura 160ª filial

Esta é a primeira loja da rede no estado sergipano. Atualmente, a Havan está presente em 18 estados brasileiros, mais o Distrito Federal
Rede catarinense Havan inaugura 160ª filial
Economia

Decisão sobre reajuste de bandeiras tarifárias deve sair até o dia 30

Aumento pode passar de 20%, diz diretor da Aneel
Decisão sobre reajuste de bandeiras tarifárias deve sair até o dia 30
Economia

Caixa antecipa pagamento de terceira parcela do auxílio emergencial

Novo calendário começa nesta sexta-feira, para nascidos em janeiro
Caixa antecipa pagamento de terceira parcela do auxílio emergencial
Economia

FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço

O insumo teve alta superior a 100% em 12 meses e tem impactado diversos setores, principalmente a construção e o metalmecânico
FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço
Ver mais de Economia