ECONOMIA

Relator de crédito suplementar defende liberação de recurso após mudanças

16 Mai 2019 - 16h48Por Daniel Weterman

O relator do projeto do governo que pede ao Congresso a liberação de um crédito suplementar no valor de 248,9 bilhões, deputado Hildo Rocha (MDB-MA), depende a liberação dos recursos, mas com uma redução de R$ 2,5 bilhões na quantidade e a modificação da origem do dinheiro.

O governo solicitou o crédito extra para evitar descumprir a regra de ouro, dispositivo que impede a emissão de dívida para o pagamento de despesas correntes. Mas, como o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, publicou mais cedo, parlamentares resistem em aprovar o projeto com a urgência solicitada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

O relator promete apresentar seu parecer na Comissão Mista de Orçamento (CMO) até o início de junho. No relatório, conforme adiantou ao Broadcast, ele vai diminuir a quantidade de crédito extra para 246,4 bilhões. Ele entende que é possível excluir do total o pagamento do Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para Empresas Exportadoras (Reintegra), calculado em R$ 2,5 bilhões.

Da CMO, o projeto precisa ser votado em uma sessão conjunta do Congresso Nacional, o que depende de o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), convocar uma reunião deliberativa de deputados e senadores. Outro entrave são 21 vetos presidenciais que estão trancando a pauta do Congresso e que precisariam ser apreciados antes de qualquer votação em uma sessão como essa.

"Não vai ter dificuldade de votar o projeto, o que vai ter dificuldade são os vetos. O governo está perdendo o tempo dele, está perdido. O governo está focando em um assunto que está resolvido", disse o relator. "Não adianta eu fazer o relatório e a pauta estar trancada porque tem vetos impedindo o Congresso. Então aí tem que esperar o governo, que vai ter que entrar e harmonizar."

O relator se somou aos parlamentares que apontam a dificuldade de articulação política do Planalto como entrave para a votação do projeto. "É necessária toda uma articulação política forte em cima. Eles (o governo) não estão fazendo articulação política", declarou. Para ele, o governo não está exagerando no tamanho do crédito solicitado, como apontam alguns parlamentares, mas está falhando na negociação. "Acho que o governo não está exagerando, não. Acho que o governo está inoperante."

De acordo com o Ministério da Economia, se o Congresso Nacional não aprovar o projeto, os pagamentos de subsídios param em junho, de benefícios assistenciais em agosto e, do Bolsa Família, em setembro.

O deputado quer ainda mudar a origem dos recursos. No projeto, o governo aponta a emissão de títulos do Tesouro como fonte. Para o relator, no entanto, isso só faria o País aumentar a dívida interna e continuar comprometendo as contas públicas. Hildo Rocha propõe que R$ 160 bilhões venham do superávit do Banco Central e que o restante seja retirado de reservas internacionais e de outras origens, como a antecipação do pagamento da dívida do BNDES junto à União. Os parlamentares, no entanto, não poderiam alterar a fonte dos recursos na comissão. "O governo vai ter que mandar outro projeto ou uma modificação alterando a fonte", comentou.

Matérias Relacionadas

Economia

Divulgação de classificação do concurso da Prefeitura de Jaraguá ocorre nesta semana

Segundo o Instituto, as publicações têm previsão para estas datas, em virtude do período de recesso pelo feriado de carnaval. Este foi o concurso da Prefeitura de Jaraguá do Sul com maior número de inscritos
Divulgação de classificação do concurso da Prefeitura de Jaraguá ocorre nesta semana
Economia

Agências bancárias abrem hoje às 12h

Bancos ficaram fechados ontem (25) e segunda-feira de carnaval
Agências bancárias abrem hoje às 12h
Economia

Bancos passam a cobrar dólar do dia da compra com cartão

Medida começa valer a partir de 1º de março, conforme circular do BC
Bancos passam a cobrar dólar do dia da compra com cartão
Economia

Jaraguá espera arrecadar R$ 62 milhões com o IPTU neste ano

Galvan informa ainda que o dinheiro arrecadado com o IPTU, é revertido em investimentos para os munícipes
Jaraguá espera arrecadar R$ 62 milhões com o IPTU neste ano
Ver mais de Economia