Covid - 19
Economia

Reforma tributária elevará PIB do país

Os economistas Bernard Appy e Paulo Rabello de Castro apresentaram propostas de reforma tributária, defenderam a simplificação do sistema atual e destacaram que a reforma vai elevar o Produto Interno Bruto (PIB) do país.

15 Nov 2019 - 16h30Por Da Redação
Seminário reuniu lideranças industriais e políticas, na FIESC, em Florianópolis - Seminário reuniu lideranças industriais e políticas, na FIESC, em Florianópolis -

Os economistas Bernard Appy e Paulo Rabello de Castro apresentaram propostas de reforma tributária, defenderam a simplificação do sistema atual e destacaram que a reforma vai elevar o Produto Interno Bruto (PIB) do país.

 

Eles participaram de seminário regional, na Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), nesta segunda-feira (11), em Florianópolis. No encontro promovido pelo Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina (COFEM) e pelo deputado Celso Maldaner, foram destacados os principais pontos da PEC 45/19, que está em discussão no Congresso Nacional.

 

“Os benefícios da mudança no sistema tributário são monumentais. Esse é o ponto fundamental. Estamos falando, com certeza, de um impacto superior a 10 pontos percentuais no PIB potencial. Além disso, haverá aumento do poder de compra da população, redução no custo do investimento e eliminação de distorções competitivas”, afirmou o economista Bernard Appy.


Na opinião de Appy, o essencial é acabar com os tributos atuais sobre bens e serviços. “Chegamos num grau de distorção no sistema brasileiro, especialmente no caso do ICMS, mas também no caso do PIS/Cofins, IPI e ISS, em que é basicamente impossível melhorar os tributos atuais. Então o recado é: quer fazer uma boa reforma tributária, a melhor forma é substituir os tributos atuais por um novo imposto feito com base nas melhores práticas internacionais”, recomendou.


Para ele, a correção dos problemas que têm o sistema tributário atual tem um impacto muito grande sobre o potencial de crescimento do país. “Esse é o principal recado que tem que ser entendido dentro da discussão da reforma. Se a gente não considera esse efeito, a reforma passa a ser um jogo de soma zero, ou seja, o que um ganha, o outro perde. Quando a gente entende que o impacto sobre o crescimento é muito grande, aí passa a ser um jogo de soma muito positivo e que, no agregado, todos ganham. E isso facilita muito para construir o apoio para a reforma tributária”, explicou, salientando que estados e municípios ganham com a mudança no longo prazo.


Em sua palestra, o economista Paulo Rabello de Castro disse que a PEC 45/19 tem “deficiências” e citou como exemplo o longo sistema de transição (de cinco a dez anos), falta de clareza sobre os níveis efetivos das alíquotas, ausência de mecanismo de contenção de despesas e nenhuma solução prática para a desoneração da folha. “É obvio que quanto mais clara for a proposta, quanto mais mobilizadora na própria sociedade, mais rapidamente o Congresso enxergará qual proposta tem que ser vencedora”, afirmou.

Na opinião de Rabello de Castro, a primeira característica que precisa ser observada é a simplificação efetiva do sistema. “Hoje vivemos um manicômio. Estamos entupidos de tributos por todo o lado. Mas não é só prometer que daqui a dez anos tais tributos serão finalmente extintos. Isso é inaceitável. A extinção tem que ocorrer no primeiro dia da reforma. Precisamos de uma reforma sobre a qual a sociedade tenha segurança suficiente de passar daqueles tributos que foram deixados para trás, na poeira da história. E a adoção de um conjunto simplificado, uma menor quantidade de tributos, ao mesmo tempo tributos mais fáceis de pagar”, declarou.


“A reforma tributária é de suma importância para que nosso país volte a crescer mais rápido”, afirmou o presidente da Fecomércio, Bruno Breithaupt, que falou em nome do COFEM. Ele ressaltou ainda que é por meio das reformas que o país vai conseguir ampliar os investimentos. O COFEM é integrado pelas federações da Indústria (FIESC), da Agricultura (FAESC), do Comércio (Fecomércio), dos Transportes (Fetrancesc), das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL), das Associações Empresariais (FACISC) e das Micro e Pequenas Empresas (Fampesc). O COFEM defendeu alguns pontos. Entre eles: a apuração e a arrecadação unificadas, alíquotas únicas ou uniformes, simplificação das obrigações tributárias e não cumulatividade ampla. Também há preocupação sobre como será o tratamento diferenciado e unificado às micro e pequenas.


“O sistema tributário atual é falho e injusto. Temos que simplificar. Desburocratização é fundamental para nosso país”, afirmou o deputado Maldaner, que integra a comissão especial da Câmara dos Deputados que discute o tema. Ele lembrou que é importante observar a transparência para o cidadão saber o quanto se paga de imposto.


O deputado Darci de Matos, que também integra a comissão da Câmara, destacou a importância das reformas em curso, como da previdência, a tributária e a administrativa. “O novo sistema tributário vai abarcar a nova economia”, afirmou, lembrando que a aprovação da reforma administrativa deve enxugar despesas e o tamanho do estado e abre caminho para redução de carga tributária.


“A reforma tributária nos une. Se conseguirmos enxugar esse manicômio tributário, facilitar, simplificar e tirar essa parafernália de normas, já será um grande avanço”, disse o senador Jorginho Mello.


No encontro também foi realizado um painel com a participação do secretário da Fazenda, Paulo Eli, do presidente da OAB-SC, Rafael Horn, dos advogados Diogo Pítsica e Alexandre Salles Steil, além do presidente da Fecomércio.

Matérias Relacionadas

Economia

Setor de segurança tem alta de 40% na busca por tecnologia inteligente

Busca por portaria remota cresceu 20%, revela pesquisa
Setor de segurança tem alta de 40% na busca por tecnologia inteligente
Economia

Mercado financeiro projeta queda de 6,1% na economia neste ano

A informação foi divulgada hoje pelo Banco Central
Mercado financeiro projeta queda de 6,1% na economia neste ano
Economia

Caixa credita saque emergencial do FGTS paraCaixa credita saque emergencial do FGTS para nascidos em março nascidos em março

Quem quiser sacar, terá de esperar até 22 de agosto
Caixa credita saque emergencial do FGTS paraCaixa credita saque emergencial do FGTS para nascidos em março nascidos em março
Economia

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio estimado em R$ 40 milhões

Apostas podem ser feitas até as 19horas
Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio estimado em R$ 40 milhões
Ver mais de Economia