Delivery Much
ECONOMIA

Reforma não basta para resolver o problema fiscal, diz economista do Itaú

28 Mai 2019 - 17h35Por Altamiro Silva Junior

A aprovação da reforma da Previdência não basta para resolver o problema fiscal brasileiro, afirma o economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita. O banco estima a necessidade de um ajuste fiscal de 3,8 ponto porcentual do Produto Interno Bruto (PIB) - R$ 1,8 trilhão - para estabilizar a dívida pública, ou seja, o equivalente a 1,5 vez o impacto da reforma originalmente proposta pelo governo (R$ 1,2 trilhão em 10 anos). Por isso, o Planalto vai precisar de medidas adicionais para reduzir gastos públicos.

Mesquita prevê que a aprovação da reforma da Previdência deve ocorrer na segunda metade do ano, com economia fiscal de 50% a 75% do esperado pelo governo.

"A Previdência é a medida mais importante, mas não a suficiente para o Brasil voltar a ter reequilíbrio fiscal", destaca o economista do Itaú especialista em fiscal, Pedro Schneider. "A reforma não é suficiente nem para voltar a ter superávit primário." Por isso, são necessárias medidas fiscais adicionais, como revisão das regras de reajuste do salário mínimo e mais controle dos gastos com funcionalismo públicos.

Diluição

Quanto mais o texto da Previdência for diluído no Congresso, mais medidas fiscais adicionais serão necessárias. O nível de superávit primário que estabiliza a dívida brasileira é estimado pelo banco em 1,2% do PIB. Em 2019, o país deve ter déficit primário de 1,5%. Em 2027, o resultado primário teria que estar 3,8 ponto do PIB mais para estabilizar a dívida.

Schneider destaca que aumentou a consciência na sociedade sobre a necessidade de reforma da Previdência. "Não conheço exemplo claro no mundo de uma manifestação pedindo esta reforma", disse ele, ressaltando que a aprovação, porém, não depende só de apoio popular, mas da capacidade de articulação do governo.

Caso a Previdência avance, o Banco Central pode começar a cortar juros a partir de setembro, prevê o Itaú. "Isso não tem sido comunicado pelo BC, que tem apontado mais para manutenção da Selic. Mas daqui até setembro tem chão", disse Mesquita. Ele prevê cortes graduais da taxa, com a taxa básica devendo terminar este ano em 5,75% e recuar para 5,5% em 2020.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Santa Catarina exigirá rastreabilidade do leite para dar mais segurança ao consumidor

Na prática, os estabelecimentos que recebem leite ou processam leite cru refrigerado terão que rastrear toda a matéria-prima e solicitar os exames de brucelose e tuberculose dos bovinos de seus fornecedores
Santa Catarina exigirá rastreabilidade do leite para dar mais segurança ao consumidor
Geral

IPVA 2021: prazo para pagamento em cota única termina no dia 1º de fevereiro

O prazo para pagamento em três vezes sem juros terminou no último dia 10
Economia

Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena

Os números sorteados neste sábado foram 02, 09, 34, 49, 51, 55
Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena
Economia

Nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje

Serão beneficiadas 3,5 milhões de pessoas
Nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje
Ver mais de Economia