caragua
caragua mobile
ECONOMIA

'Reforma da Previdência será aprovada; problema é de que tamanho", diz Lira

03 Mai 2019 - 10h16Por Caio Rinaldi

O líder do PP na Câmara, deputado Arthur Lira (AL), acredita na aprovação da reforma da Previdência, porém ressaltou que a proposta precisa ser amplamente debatida e que não é possível determinar agora a intensidade e o prazo para sua aprovação pelo Congresso. "O problema é de que tamanho, com que prazo. Não haverá votos se continuarmos com essa especulação de prazos. Quanto mais se discutir e buscar por uma reforma minimamente consensuada, maior a chance de ter os 308 votos necessários", afirmou Lira, em entrevista à Rádio Eldorado.

O parlamentar alagoano explicou que, neste momento, o número de parlamentares que votariam pela reforma da Previdência não é suficiente para aprovar a medida no plenário da Câmara. "Hoje, não temos os 308 votos para aprovar a reforma, isso é fato", disse. "Não adianta levar a pauta na marra ao plenário de 513 deputados que ninguém controla. Falar em rapidez quando não se tem voto é arriscado", insistiu.

"É melhor modular e fazer enxugamentos pontuais", continuou, prevendo a ocorrência de alterações no texto original. "O governo não tem mais a capacidade política de dizer 'não aceito que mude mais nada na reforma'", comentou o deputado, que disse nunca acreditar na economia de R$ 1 trilhão ou mais em dez anos. "Talvez algo em torno de R$ 600 bilhões já seria positivo, e aí pode se fazer outra reforma lá na frente, quando necessário", afirmou Lira.

O deputado refutou, entretanto, que uma desidratação da reforma seja estratégia do "Centrão" para enfraquecer Bolsonaro e sua eventual candidatura à reeleição em 2022. "Não existe Centrão, isso é uma denominação da imprensa para aglutinar os partidos que não estão na base do governo", disse.

"Paulinho da Força errou ao sugerir desidratar a reforma como estratégia para enfraquecer Bolsonaro. O tempo das mídias sociais é muito mais rápido que o tempo da política real e ele já reconheceu que errou", afirmou. I deputado Paulinho (Solidariedade-SP) deu declaração neste sentido na quarta-feira, dia 1º.

"O atual governo decidiu governar sem uma coalizão e isso trouxe benefícios, diminuindo concessões de parte a parte. As indicações de cargos não são mais aos partidos, mas ainda seguem políticas", finalizou Lira.R

caragua mobile

Matérias Relacionadas

Geral

Aposentados poderão comprar passagem aérea por até R$ 200 cada trecho

Governo lançou nesta quarta-feira o programa Voa Brasil
Aposentados poderão comprar passagem aérea por até R$ 200 cada trecho
Geral

Apesar da alta dos preços, acesso a dieta saudável cresce no Brasil

Custo diário passou US$ 3,22 para US$ 4,25 entre 2017 e 2022
Apesar da alta dos preços, acesso a dieta saudável cresce no Brasil
Economia

WEG está com as inscrições abertas para o Programa de Qualificação para Pessoas com Deficiência

As inscrições acontecem entre os dias 01 a 14 de agosto
WEG está com as inscrições abertas para o Programa de Qualificação para Pessoas com Deficiência
Economia

SC responde por 11% do crédito aprovado pelo BNDES no primeiro trimestre

Aprovações de financiamentos chegam a R$ 2,8 bilhões de janeiro a março, incremento de 167,5% frente a igual período de 2023
SC responde por 11% do crédito aprovado pelo BNDES no primeiro trimestre
Ver mais de Economia