Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Rede americana CVS vende a Onofre à Raia Drogasil e deixa país após 6 anos

27 Fev 2019 - 09h06Por Mônica Scaramuzzo

Líder em farmácias no País, a rede Raia Drogasil anunciou nesta terça-feira, 26, a aquisição da Onofre, marca que estava nas mãos da gigante americana CVS Health desde 2013. Com o acordo, o grupo americano deixa o Brasil, conforme antecipou o jornal O Estado de S. Paulo. O valor do negócio não foi revelado.

As conversas entre as companhias começaram um pouco antes do Natal. Seis anos depois de entrar no Brasil, a companhia americana não conseguiu ganhar escala e ainda se envolveu numa disputa com os antigos controladores da Onofre, a família Arede. O processo arbitral está tramitando na Câmara Arbitral Brasil-Canadá.

Com 50 unidades, sendo 47 em São Paulo, a rede Onofre, que faturou R$ 479 milhões no ano passado e dava prejuízo, era pouco significativa para a CVS, que faturou em 2018 cerca de US$ 200 bilhões. Por isso, a companhia começou a oferecer o ativo para potenciais interessados, incluindo rivais e fundos de investimento.

Líder no varejo farmacêutico no Brasil, com 1.849 unidades em 22 Estados, a Raia Drogasil viu oportunidades na Onofre. Segundo Marcílio Pousada, presidente da companhia, o canal de e-commerce da rede é um dos mais competitivos do setor, com preços mais agressivos do que os da concorrência.

"Compramos a Onofre por um preço competitivo. Sabemos que é um caso de 'turnaround' (virada), mas a Raia Drogasil tem o que aprender com o comércio eletrônico da Onofre", disse ele ao jornal O Estado de S. Paulo.

O negócio ainda depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Pelo acordo, a Raia Drogasil não vai herdar o processo entre a CVS e a família Arede. "Independentemente da decisão, não vamos ser envolvidos." A CVS teria pago cerca de R$ 700 milhões para comprar a Onofre, segundo fontes. Após a compra, teria encontrado passivos trabalhistas e fiscais não listados pelos antigos donos.

Marca

A Raia Drogasil ainda não definiu se o grupo vai manter a marca Onofre ou se vai converter a bandeira para Raia. "Começamos a negociar recentemente e acabamos de fechar o negócio. Não deu tempo de pensar nesta estratégia", afirmou Pousada. O executivo reconhece que as duas bandeiras têm sobreposição de lojas - mas ressalva que esse problema pode ser contornado.

"Se sobreposição fosse problema, não teríamos feito a fusão da Raia com Drogasil", afirmou Eugênio De Zagottis, diretor de relações com investidores do grupo. A fusão da Raia com a Drogasil ocorreu em 2011. No mesmo ano, a Drogaria São Paulo se fundiu a com a rede Pacheco, criando a DPSP.

"A Onofre foi a primeira aquisição (de uma rede) pela Raia Drogasil desde a fusão. Antes, tínhamos comprado 27 lojas da Santa Marta, que estava em recuperação judicial", afirmou Pousada. O grupo, segundo ele, vai continuar dando prioridade à expansão orgânica da rede.

Nesta terça, a Raia Drogasil divulgou que encerrou 2018 com receita líquida de R$ 14,8 bilhões, aumento de 12% em relação a 2017. O lucro líquido da companhia ficou em R$ 548,6 milhões, alta de 7% sobre 2017. As ações da rede fecharam em alta de 3,29%, a R$ 60,94, As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim

Todas as pessoas físicas podem fazer doações de recursos financeiros aos Fundos Municipais
Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim
Economia

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

Álcool acumula aumento de 21% desde janeiro
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
Economia

Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro

Setor teve expansão de 0,8% na média móvel trimestral
Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro
Economia

Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal

Marca apresenta peças atemporais como moletons, malhas texturizadas, calças jogger, jeans e tricôs clássicos para serem usados por vários invernos
Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal
Ver mais de Economia